CAR­TAS DOS LEI­TO­RES

Jornal de Angola - - OPINIÃO - GERVÁSIO ANTÓNIO Ran­gel MA­DA­LE­NA JOÃO Mai­an­ga ALI­CE NARCISO In­gom­bo­ta

Se­lec­ção na­ci­o­nal

A se­lec­ção na­ci­o­nal vai jo­gar com a Mauritânia num jo­go im­por­tan­te a con­tar pa­ra o apu­ra­men­to ao CAN de 2019, que vai ter lu­gar nos Ca­ma­rões. De­pois que a Mauritânia ven­ceu o Bur­ki­na Fa­so, con­tra to­das as ex­pec­ta­ti­vas, to­das as aten­ções se vi­ra­ram pa­ra a se­lec­ção mau­ri­ta­ni­a­na que não era fa­vo­ri­ta pa­ra se po­si­ci­o­nar nes­ta al­tu­ra em pri­mei­ro lu­gar do gru­po em que An­go­la se en­con­tra. An­go­la te­rá de jo­gar com ele­va­do nível pa­ra su­pe­rar es­ta se­lec­ção da Mauritânia, e é bom que en­tre­mos em cam­po com hu­mil­da­de, pois va­mos en­fren­tar uma equi­pa for­te. Acre­di­to que a equi­pa téc­ni­ca tem já inú­me­ras in­for­ma­ções so­bre a Mauritânia, e es­pe­ro que, em fun­ção do que se sa­be des­ta se­lec­ção, con­si­ga mon­tar uma equi­pa que mar­que mui­tos go­los. Que os Pa­lan­cas Ne­gras acre­di­tem que po­dem su­pe­rar a Mauritânia , até por­que tem jo­ga­do­res que po­dem ven­cer es­ta se­lec­ção. Gos­ta­va que Gel­son Da­la e Ge­ral­do en­tras­sem de iní­cio, pa­ra da­rem tra­ba­lho à de­fen­si­va mau­ri­ta­ni­a­na. Sou de opi­nião que Ge­ral­do e Gel­son po­dem fa­zer uma gran­de du­pla, por­que am­bos são tec­ni­ca­men­te bons e rá­pi­dos a ata­car.

O pe­cu­la­to

De­pois que a Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca pas­sou a in­ves­ti­gar cri­mes de des­vi­os de fun­dos pú­bli­cos por fun­ci­o­ná­ri­os do Es­ta­do, pas­sou o cri­me de pe­cu­la­to a es­tar na bo­ca de to­do o mun­do. Gos­ta­va que os nos­sos es­pe­ci­a­lis­tas em di­rei­to pas­sas­sem a ex­pli­car o que é cri­me de pe­cu­la­to, pre­vis­to e pu­ní­vel pe­lo nos­so Có­di­go Pe­nal.

É que as pes­so­as não es­ta­vam ha­bi­tu­a­das a ouvir fa­lar de cri­mes de pe­cu­la­to, por­que qua­se nin­guém ia pa­rar à pri­são ou era con­de­na­do por des­vi­ar mi­lhões per­ten­cen­tes ao Es­ta­do. Ago­ra que a im­pu­ni­da­de es­tá a aca­bar , e ain­da bem, im­por­ta que os ci­da­dãos se­jam in­for­ma­dos das ra­zões por que mui­tos fun­ci­o­ná­ri­os do Es­ta­do es­tão a ser pre­sos ou a ir a jul­ga­men­to por te­rem des­vi­a­do di­nhei­ros pú­bli­cos.

Era im­por­tan­te que as pes­so­as (agen­tes do Es­ta­do ) sou­bes­sem tam­bém em que penas po­dem in­cor­rer se des­vi­a­rem fun­dos pú­bli­cos. Is­so po­dia fa­zer com que as pes­so­as, em par­ti­cu­lar os ser­vi­do­res pú­bli­cos, não ti­ves­sem a ten­ta­ção de fa­zer des­vi­os de di­nhei­ros que per­ten­cem ao Es­ta­do.

As uni­ver­si­da­des

Gos­to do fac­to de al­gu­mas uni­ver­si­da­des es­ta­rem a po­ten­ci­ar a in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca. É po­si­ti­vo que ha­ja uni­ver­si­da­des an­go­la­nas a fa­zer in­ves­ti­men­tos na in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca pa­ra pro­du­zir es­tu­dos que po­dem aju­dar os go­ver­nan­tes a re­sol­ver pro­ble­mas. As uni­ver­si­da­des de­vem ser ti­das e acha­das pe­los go­ver­nan­tes, que não de­vem subestimar o pa­pel re­le­van­te que es­ses cen­tros de sa­ber po­dem de­sem­pe­nhar no pro­ces­so do nos­so cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e de­sen­vol­vi­men­to. Gos­ta­va de en­co­ra­jar as nos­sas uni­ver­si­da­des, pú­bli­cas e pri­va­das, a co­o­pe­ra­rem en­tre si no sen­ti­do de pro­du­zi­rem em con­jun­to es­tu­dos até por­que os re­cur­sos fi­nan­cei­ros pa­ra a in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca po­dem ser in­su­fi­ci­en­tes. O país é de to­dos nós. Que to­dos os nos­sos aca­dé­mi­cos tra­ba­lhem em prol do seu de­sen­vol­vi­men­to.

Que os no­vos go­ver­nan­tes não co­me­tam mais o erro de ig­no­rar o que se pro­duz nas uni­ver­si­da­des e as opi­niões de aca­dé­mi­cos de ele­va­da ca­pa­ci­da­de téc­ni­ca e ci­en­tí­fi­ca. Cos­tu­ma-se di­zer que os téc­ni­cos superiores con­tri­bu­em com o seu co­nhe­ci­men­to pa­ra a qua­li­da­de de vi­da das po­pu­la­ções.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.