A Se­ma­na Mun­di­al do Es­pa­ço e o so­nho de ser as­tro­nau­ta

Jornal de Angola - - OPINIÃO - Fi­lo­me­no Ma­na­ças|* * Di­rec­tor Na­ci­o­nal de Pu­bli­ci­da­de do Mi­nis­té­rio da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al. A sua opi­nião não en­ga­ja o Mi­nis­té­rio da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al

Ho­je dei co­mi­go a re­cu­ar umas qua­tro dé­ca­das e meia no tempo. E fi-lo por du­as bo­as ra­zões, que pas­so a des­cre­ver, com aque­le sor­ri­so que as bo­as coi­sas pro­vo­cam na al­ma.

A pri­mei­ra é que o meu ne­ti­nho de dez anos, que es­tá a cres­cer co­mo se ti­ves­se es­tru­me nos pés, vai-me di­zen­do, às ve­zes, que já es­tá qua­se a fi­car da mi­nha al­tu­ra e que quer cres­cer rá­pi­do pa­ra po­der fa­zer cer­tas coi­sas que não o per­mi­ti­mos - co­mo que­rer fi­car di­an­te da te­le­vi­são ou a jo­gar PlayS­ta­ti­on pa­ra além das 20h30 -, por­que a res­pos­ta que re­ce­be é a de que ain­da não tem a ida­de apro­pri­a­da.

E eu a pen­sar cá com os meus bo­tões que, se ele sou­bes­se as do­res de ca­be­ça que uma pes­soa cres­ci­da tem, nun­ca iria que­rer cres­cer, por­que fi­car adul­to, lá is­so as pes­so­as con­se­guem, mas fa­zer o tempo vol­tar atrás e vol­ta­rem a ser cri­an­ças, is­so nun­ca. Só mes­mo em pen­sa­men­to.

Ase­gun­da­ra­zãoé­por­que­a­men­te hu­ma­na é re­al­men­te fan­tás­ti­ca!

Não qu­e­ro fa­lar da ca­pa­ci­da­de de cer­tos ani­mais em me­mo­ri­za­rem as coi­sas e da in­te­li­gên­cia de mui­tos de­les, que che­ga a ser su­pe­ri­or a de mui­tos hu­ma­nos.

Es­se é ou­tro ter­re­no que não es­tá na agen­da da con­ver­sa de ho­je.

Re­gres­so à fra­se que deu ori­gem à ex­cla­ma­ção, so­bre o fan­tás­ti­co que é a men­te hu­ma­na, por­que na in­fân­cia já so­nhei em ser pi­lo­to, já so­nhei em ser as­tro­nau­ta, de­li­ra­va com as coi­sas so­bre o es­pa­ço. Em boa ver­da­de já so­nhei em ser mui­ta coi­sa, que aca­bei por não ser, por­que aos 18 anos fui des­vi­a­do pa­ra o jor­na­lis­mo… Mas a Se­ma­na Mun­di­al do Es­pa­ço, que de­cor­reu de 4 a 10, trou­xe em mim a nostalgia dos tem­pos em que o uni­ver­so es­pa­ci­al era o meu so­nho e do­mi­na­va os no­ti­ciá­ri­os sem­pre que o ho­mem al­can­ça­va mais um fei­to.

Da­ta des­sa al­tu­ra o meu pri­mei­ro contacto com a ex­pres­são “… sem­pre que o ho­mem so­nha, o mun­do pu­la e avança, co­mo bo­la co­lo­ri­da en­tre as mãos de uma cri­an­ça”. Afi­nal um ex­cer­to do po­e­ma “Pe­dra Fi­lo­so­fal” mu­si­ca­do por Ma­nu­el Frei­re (es­ta­va na mo­da…), da au­to­ria de António Ge­deão, aliás Ró­mu­lo de Car­va­lho.

As ex­plo­ra­ções e des­co­ber­tas, e não ape­nas elas, são is­so mes­mo: fru­to dos so­nhos que re­sul­ta­ram em pro­gres­sos ci­en­tí­fi­cos, téc­ni­cos e cul­tu­rais que de­ram ou­tro im­pul­so à evo­lu­ção da hu­ma­ni­da­de.

E so­bre o es­pa­ço em con­cre­to, é com o es­cri­tor fran­cês Jú­lio Ver­ne (1828-1905), na sua obra “Da Ter­ra à Lua”, com um sé­cu­lo de an­te­ce­dên­cia em re­la­ção aos acon­te­ci­men­tos, que as vi­a­gens es­pa­ci­ais co­me­çam a es­bo­çar-se. Ver­ne lan­çou a se­men­te e dei­xou co­mo le­ga­do cál­cu­los téc­ni­cos mui­to precisos so­bre a ve­lo­ci­da­de ne­ces­sá­ria pa­ra po­der ven­cer a gra­vi­da­de terrestre e dei­xar a Ter­ra. Avan­ços pos­te­ri­o­res mos­tra­ram en­tre­tan­to que o va­lor por ele cal­cu­la­do era su­pe­ri­or ao ne­ces­sá­rio.

Cou­be ao rus­so Kons­tan­tin Edu­ar­do­vi­ch Tsi­ol­kovs­ki (1857-1935) a fa­ça­nha de as­sen­tar as ba­ses da as­tro­náu­ti­ca e cons­truir o pri­mei­ro fo­gue­tão in­ter­pla­ne­tá­rio. Con­si­de­ra­do por is­so o pai da as­tro­náu­ti­ca, Tsi­ol­kovs­ki mor­re con­tu­do sem ver os seus es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos pro­du­zi­rem re­sul­ta­dos.

Ter­mi­na­da a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, a en­tão União So­vié­ti­ca con­se­gue co­lo­car em ór­bi­ta o pri­mei­ro sa­té­li­te ar­ti­fi­ci­al da Ter­ra, o Sput­nik 1, que foi um su­ces­so ao emi­tir si­nais de rá­dio cap­ta­dos na es­ta­ção ter­re­na, fei­to que mar­ca o iní­cio, a 4 de Outubro de 1957, da con­quis­ta do es­pa­ço. A 3 de No­vem­bro de 1957 a URSS co­lo­ca em ór­bi­ta o Sput­nik II com a ca­de­la si­be­ri­a­na Lai­ka no seu in­te­ri­or, que mos­tra­ram que um ani­mal po­de­ria so­bre­vi­ver na­que­las al­ti­tu­des e, por­tan­to, um hu­ma­no tam­bém. Aos sa­té­li­tes ar­ti­fi­ci­ais, que tan­to so­vié­ti­cos co­mo nor­te-ame­ri­ca­nos lan­çam de­pois com fins ci­en­tí­fi­cos e prá­ti­cos, se­gue-se o de­sa­fio de co­lo­car no es­pa­ço na­ves tri­pu­la­das.

A 12 de Abril de 1961 o rus­so Yu­ri Ga­ga­rin tor­na-se o herói ao dar uma vol­ta com­ple­ta à Ter­ra nu­ma na­ve es­pa­ci­al. Em 1965 se­gue-se­lhe o tam­bém rus­so Ale­xei Le­o­nov co­mo o pri­mei­ro ho­mem a pas­se­ar no es­pa­ço, on­de flu­tu­ou du­ran­te mais de 23 mi­nu­tos e che­gou a uma dis­tân­cia de 5,35 me­tros da na­ve, li­ga­do en­tre­tan­to à mes­ma atra­vés de um ca­bo gran­de e re­sis­ten­te.

A 20 de Ju­lho de 1969, os as­tro­nau­tas nor­te-ame­ri­ca­nos Neil Arms­trong, Edwin Al­drin e Mi­cha­el Col­lins protagonizam o gran­de acon­te­ci­men­to da che­ga­da do ho­mem à Lua, a bor­do da na­ve Apol­lo 11, num even­to que foi já trans­mi­ti­do pe­la te­le­vi­são nu­ma boa par­te do mun­do. Qua­tro me­ses de­pois a Apol­lo 12 era en­vi­a­da pa­ra no­va mis­são lu­nar.

O con­tex­to da Guer­ra Fria mar­cou em gran­de me­di­da a dis­pu­ta en­tre as du­as gran­des su­per­po­tên­ci­as de en­tão (Es­ta­dos Uni­dos e União So­vié­ti­ca) na cor­ri­da ao es­pa­ço.

Não tar­dou, por con­se­guin­te, que o am­bi­en­te se alas­tras­se à in­dús­tria ci­ne­ma­to­grá­fi­ca. Vi­e­ram os fil­mes so­bre a Guer­ra das Estrelas e, com eles, ou­tros tan­tos de fic­ção ci­en­tí­fi­ca que ele­ge­ram o es­pa­ço co­mo pal­co de ac­tu­a­ção.

De lá pa­ra cá mui­ta coi­sa acon­te­ceu e no­vos ac­to­res sur­gi­ram, so­bre­tu­do no que diz res­pei­to ao en­vio de sa­té­li­tes ar­ti­fi­ci­ais ao es­pa­ço.

No dia que mar­cou o en­cer­ra­men­to da Se­ma­na Mun­di­al do Es­pa­ço em An­go­la, um pe­que­no sa­té­li­te em mi­ni­a­tu­ra, de­no­mi­na­do Can­sat, foi apre­sen­ta­do no Cen­tro de For­ma­ção Tec­no­ló­gi­ca do Itel, no bair­ro dos CTT, no dis­tri­to ur­ba­no do Ran­gel. Um pro­jec­to que en­vol­veu a par­ti­ci­pa­ção de téc­ni­cos an­go­la­nos e te­ve a co­la­bo­ra­ção de 30 uni­ver­si­da­des do país e foi pro­mo­vi­do pe­lo Mi­nis­té­rio das Te­le­co­mu­ni­ca­ções e Tec­no­lo­gi­as de In­for­ma­ção por in­ter­mé­dio do Ga­bi­ne­te de Ges­tão do Pro­gra­ma Es­pa­ci­al Na­ci­o­nal (GGPEN).

Uma oca­sião pa­ra re­cor­dar que An­go­la tem vá­ri­os jo­vens in­ven­to­res cu­jos pro­jec­tos po­de­ri­am con­tri­buir tam­bém pa­ra dar um ou­tro di­na­mis­mo à eco­no­mia na­ci­o­nal. Mui­tos des­ses in­ven­tos an­dam por aí es­pa­lha­dos, ga­nha­ram pré­mi­os, mas não sa­em do pa­pel.

É pre­ci­so in­ves­tir, é pre­ci­so apos­tar. Lem­bre­te: o mai­or even­to es­pa­ci­al da Ter­ra, a Se­ma­na Mun­di­al do Es­pa­ço, é uma ce­le­bra­ção in­ter­na­ci­o­nal da con­tri­bui­ção da ci­ên­cia es­pa­ci­al e tec­no­lo­gia pa­ra a me­lho­ria da con­di­ção hu­ma­na. Es­te ano te­ve co­mo te­ma “O es­pa­ço une o Mun­do”.

Uma oca­sião pa­ra re­cor­dar que An­go­la tem vá­ri­os jo­vens in­ven­to­res cu­jos pro­jec­tos po­de­ri­am con­tri­buir tam­bém pa­ra dar um ou­tro di­na­mis­mo à eco­no­mia na­ci­o­nal. Mui­tos des­ses in­ven­tos an­dam por aí es­pa­lha­dos, ga­nha­ram pré­mi­os, mas não sa­em do pa­pel. É pre­ci­so in­ves­tir, é pre­ci­so apos­tar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.