Ob­ser­va­do­res na­da trans­pa­ren­tes nas pre­si­den­ci­as Ca­ma­ro­ne­sas

As eleições pre­si­den­ci­ais nos Ca­ma­rões es­tão man­cha­das com a des­co­ber­ta de um es­cân­da­lo que en­vol­ve se­te fal­sos ob­ser­va­do­res in­ter­na­ci­o­nais que se fa­zi­am pas­sar por re­pre­sen­tan­tes da or­ga­ni­za­ção “Trans­pa­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal”, com al­guns ac­to­res po­lí­ti­cos

Jornal de Angola - - ÁFRICA - Victor Car­va­lho

En­quan­to Ca­ma­rões aguar­da pe­la divulgação ofi­ci­al dos re­sul­ta­dos das eleições pre­si­den­ci­ais que de­cor­re­ram no pas­sa­do do­min­go, a im­pren­sa lo­cal da­va on­tem con­ta da des­co­ber­ta de um gru­po de se­te fal­sos ob­ser­va­do­res que se fa­zi­am pas­sar por re­pre­sen­tan­tes da or­ga­ni­za­ção Trans­pa­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal e que en­tre­tan­to já fo­ram ex­pul­sos do país.

O pre­si­den­te da de­le­ga­ção da re­fe­ri­da ONG nos Ca­ma­rões, Char­les Ngui­ni, ci­ta­do pe­la im­pren­sa, dis­se ca­te­go­ri­ca­men­te que a Trans­pa­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal não ti­nha cre­den­ci­a­do nin­guém pa­ra ob­ser­var as eleições pre­si­den­ci­ais e des­car­tou qual­quer res­pon­sa­bi­li­da­de pe­lo que es­ses fal­sos ob­ser­va­do­res pos­sam ter fei­to.

A po­lé­mi­ca es­ta­lou quan­do a te­le­vi­são apre­sen­tou se­te es­tran­gei­ros co­mo sen­do ob­ser­va­do­res cre­den­ci­a­dos pe­la re­fe­ri­da ONG.

Em de­cla­ra­ções à es­ta­ção CRTV, es­ses fal­sos ob­ser­va­do­res que se as­su­mi­am co­mo mem­bros da Trans­pa­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal, dis­se­ram ter no­ta­do “gran­des avan­ços no pro­ces­so de or­ga­ni­za­ção das eleições e uma enor­me se­re­ni­da­de e trans­pa­rên­cia por par­te dos agen­tes en­vol­vi­dos no pro­ces­so.”

Es­tas de­cla­ra­ções, que con­tras­tam com a de­nún­cia da exis­tên­cia de “vá­ri­as ir­re- gu­la­ri­da­des” fei­tas por mem­bros da opo­si­ção, cri­a­ram al­gum mau es­tar no seio de ob­ser­va­do­res le­gi­ti­ma­dos pa­ra acom­pa­nhar as eleições.

Dú­vi­das que per­sis­tem

Al­guns lí­de­res de par­ti­dos da opo­si­ção, que têm de­nun­ci­a­do es­sas ale­ga­das ir­re­gu­la­ri­da­des, reu­ni­ram-se e exi­gi­ram a aber­tu­ra de um inqué­ri­to in­de­pen­den­te pa­ra apu­rar o que es­ses ob­ser­va­do­res an­da­ram a fa­zer pe­lo país e quem per­mi­tiu que fos­sem cre­den­ci­a­dos de mo­do ir­re­gu­lar.

Mau­ri­ce Kam­to, o can­di­da­to que já rei­vin­di­cou o triun­fo nas eleições cu­jos re­sul­ta­dos ofi­ci­ais con­ti­nu­am por di­vul­gar, fa­la já em frau­de elei­to­ral e na pos­si­bi­li­da­de de tam­bém te­rem si­do cre­den­ci­a­dos ou­tros fal­sos agen­tes elei­to­rais com a “in­ten­ção de in­ver­ter o sen­ti­do de vo­to da po­pu­la­ção.”

Char­les Ngui­ni, res­pon­sá­vel lo­cal pe­la re­fe­ri­da ONG, dis­se que des­co­nhe­ce as pes­so­as que apa­re­ce­ram na te­le­vi­são a fa­lar em no­me da Trans­pa­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal e ga­ran­tiu que eles, em mo­men­to al­gum, usa­ram os mei­os ou apa­re­ce­ram na se­de da or­ga­ni­za­ção.

Al­guns jor­nais avan­çam com a pos­si­bi­li­da­de de es­sas pes­so­as per­ten­ce­rem à Agência Ca­ma­ro­ne­sa de Im­pren­sa, co­no­ta­da com o ac­tu­al Go­ver­no e cu­jos agen­tes te­ri­am si­do for­ma­dos pe­la Trans­pa­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal ao abri­go de um pro­gra­ma que es­ta ONG cri­ou es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra apoi­ar a or­ga­ni­za­ção des­tas eleições.

Po­rém, Eli Dayan, res­pon­sá­vel por es­ta or­ga­ni­za­ção mai­o­ri­ta­ri­a­men­te com­pos­ta por jor­na­lis­tas já des­car­tou es­sa pos­si­bi­li­da­de e de­fen­deu os seus mem­bros, di­zen­do tra­tar-se de pes­so­as “ho­nes­tas e que nun­ca se fa­ri­am pas­sar por aqui­lo que não são.”

“Os nos­sos fi­li­a­dos são to­dos vo­lun­tá­ri­os, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te jor­na­lis­tas que tra­ba­lham pa­ra a im­pren­sa in­ter­na­ci­o­nal e que se ofe­re­cem pa­ra fa­zer tra­ba­lhos so­ci­ais jun­to da po­pu­la­ção”, dis­se.

No seio da opi­nião pú­bli­ca, en­tre­tan­to, pre­va­le­ce a ideia de que se tra­tou de uma ma­no­bra do Go­ver­no pa­ra tor­nar as eleições cre­dí­veis e acau­te­lar as es­pe­ra­das crí­ti­cas por par­te das for­ças da opo­si­ção.

Uma ideia que se for­ta­le­ceu quan­do se sou­be que es­ses se­te ob­ser­va­do­res já ti­nham aban­do­na­do o país, não po­den­do por is­so ser ou­vi­dos pre­sen­ci­al­men­te em ne­nhum inqué­ri­to.

A po­lé­mi­ca es­ta­lou quan­do a te­le­vi­são apre­sen­tou se­te es­tran­gei­ros co­mo ob­ser­va­do­res cre­den­ci­a­dos pe­la Or­ga­ni­za­ção NãoGo­ver­na­men­tal “Trans­pa­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal”

DR

Lí­de­res da opo­si­ção de­nun­ci­am ir­re­gu­la­ri­da­des nas eleições pre­si­den­ci­ais nos Ca­ma­rões

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.