UNTA e em­pre­sá­ri­os apoi­am os aumentos

Jornal de Angola - - ECONOMIA - Le­o­nel Kas­sa­na

A União Na­ci­o­nal dos Tra­ba­lha­do­res An­go­la­nos (UNTA), uma das du­as prin­ci­pais sin­di­cais an­go­la­nas, e re­pre­sen­tan­tes do pa­tro­na­to apoi­a­ram, em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, o di­plo­ma le­gis­la­ti­vo que, a par­tir de De­zem­bro, ele­va as con­tri­bui­ções pa­ra a pro­tec­ção so­ci­al obri­ga­tó­ria, con­si­de­ran­do-o “uma de­ci­são de gran­de al­can­ce” ou “a ga­ran­tia de uma re­for­ma mais con­for­tá­vel”.

O se­cre­tá­rio-ge­ral da UNTA, Ma­nu­el Vi­a­ge, dis­se es­pe­rar que, em con­sequên­cia da de­ci­são, den­tro de cin­co anos, as pen­sões de re­for­ma se­jam me­lho­ra­das, mas ad­ver­tiu que, num pri­mei­ro mo­men­to, a me­di­da vai sig­ni­fi­car uma re­du­ção do po­der de com­pra dos tra­ba­lha­do­res, com os em­pre­ga­do­res a te­rem de des­pen­der mais re­cur­sos.

Ma­nu­el Vi­a­ge de­fen­deu mai­or fis­ca­li­za­ção das em­pre­sas pe­la Ins­pec­ção-ge­ral do Tra­ba­lho e o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça So­ci­al (INSS), em re­la­ção ao pa­ga­men­to das con­tri­bui­ções.

O em­pre­sá­rio Carlos Ferreira, que ac­tua no sec­tor agro-pe­cuá­rio, con­si­de­ra que a de­ci­são alar­ga os des­con­tos so­bre os ren­di­men­tos dos tra­ba­lha­do­res, mas res­sal­vou que, a médio e lon­go pra­zo, “os des­con­tos tra­zem a ga­ran­tia se­gu­ra de uma re­for­ma mais con­for­tá­vel”.

De­fi­niu es­se li­gei­ro au­men­to dos des­con­tos co­mo um es­for­ço do Exe­cu­ti­vo pa­ra me­lho­rar a par­ti­lha de res­pon­sa­bi­li­da­des en­tre os tra­ba­lha­do­res (3,00 por cen­to) e os em­pre­ga­do­res (8,00 por cen­to) pa­ra com a se­gu­ran­ça so­ci­al.

Pa­ra o pre­si­den­te da Co­mis­são Exe­cu­ti­va da com­pa­nhia de se­gu­ros Bonws, Luís Ve­ra Cruz, tra­ta-se de um “im­por­tan­te” pas­so do Go­ver­no que vem re­for­çar as res­pon­sa­bi­li­da­des so­ci­ais do Es­ta­do e do seu Sis­te­ma de Se­gu­ran­ça So­ci­al.

“Con­cor­do com es­ta ini­ci­a­ti­va le­gis­la­ti­va, ape­sar de po­der pres­su­por cus­tos so­ci­ais di­rec­tos de cur­to pra­zo, mas é im­por­tan­te olhar­mos a médio e lon­go pra­zos”, res­pon­deu. Su­bli­nhou que “o Es­ta­do de­ve con­ti­nu­ar a pro­mo­ver um sis­te­ma de aju­da mú­tua obri­ga­tó­ria, com mé­to­dos de fis­ca­li­za­ção mais efi­ca­zes, pois é es­te o de­ver im­plí­ci­to de um Es­ta­do mo­der­no e de di­rei­to e de um Go­ver­no pre­o­cu­pa­do com cau­sas so­ci­ais no­bres”.

Es­for­ços adi­ci­o­nais

Pa­ra o ad­mi­nis­tra­dor do Gru­po Co­sal, Jai­me Freitas, o no­vo de­cre­to vai ser “mais um pe­so pa­ra os tra­ba­lha­do­res e uma re­du­ção sa­la­ri­al, quan­do já hou­ve mui­tas di­fi­cul­da­des que vi­e­ram por via da des­va­lo­ri­za­ção da mo­e­da”.

Acres­cen­tou que ra­ras em­pre­sas que fi­ze­ram o re­a­jus­ta­men­to dos sa­lá­ri­os no­mi­nais em re­sul­ta­do da de­pre­ci­a­ção da kwan­za e que o po­der de com­pra es­tá mui­to re­du­zi­do.

“Qu­an­to mais im­pos­tos in­ci­di­rem so­bre aqui­lo que au­fe­rem, mai­o­res se­rão as di­fi­cul­da­des so­ci­ais dos tra­ba­lha­do­res”, su­bli­nha, an­tes de no­tar que as em­pre­sas se­rão igual­men­te afec­ta­das, pois ha­ve­rá a ten­dên­cia pa­ra des­pe­di­men­tos ou fa­lên­ci­as da­que­las que con­se­gui­ram re­sis­tir es­ses qua­tro anos de cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra.

O ad­mi­nis­tra­dor de­cla­rou, en­tre­tan­to, que o Gru­po Co­sal es­tá pre­pa­ra­do pa­ra os pa­ga­men­tos ema­na­dos pe­la lei e des­car­tou um ce­ná­rio de des­pe­di­men­tos. “Va­mos ten­tar ajus­tar o nos­so fun­ci­o­na­men­to, re­es­tru­tu­ran­do e man­ten­do os ac­tu­ais 1.500 fun­ci­o­ná­ri­os”, ga­ran­tiu.

CE­DI­DA

Carlos Ferreira: ga­ran­tia de pen­sões mais con­for­tá­veis

MO­TA AMBRÓSIO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Se­cre­tá­rio-ge­ral da UNTA: mai­o­res pen­sões de re­for­ma

DOMBELE BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Jai­me Freitas: em­pre­sas já se es­for­ça­ram o su­fi­ci­en­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.