PERISCÓPIO Mos­qui­to as­se­a­do

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - Lu­ci­a­no Ro­cha

Lu­an­da, se pa­ra a maioria dos que a ha­bi­tam é um in­fer­no, pa­ra os mos­qui­tos, de qua­se to­das as es­pé­ci­es, ta­ma­nhos, fei­ti­os, te­nham o no­me que lhes de­rem, é um pa­raí­so.

O pa­lu­dis­mo con­ti­nua a ser a prin­ci­pal cau­sa de mor­te em An­go­la e a ca­pi­tal, por mo­ti­vos que sal­tam à vis­ta de to­dos - me­nos da­que­les pa­ra quem, vi­vam on­de vi­ve­rem, é sem­pre pa­raí­so - lo­cal on­de a do­en­ça ape­nas es­pan­ta por não en­lu­tar mais fa­mí­li­as.

O pi­or é que o aban­do­no a que Lu­an­da es­tá vo­ta­da não dá mos­tras de di­mi­nuir. Pe­lo con­trá­rio, é ca­da vez mai­or, a re­ve­lar, a ca­da ins­tan­te, o des­lei­xo dos que, a nível dis­tri­tal, mu­ni­ci­pal, pro­vin­ci­al, tem a obri­ga­ção de cui­dar de­la.

Os re­sí­du­os só­li­dos de to­da a es­pé­cie, a que se jun­tam águas pu­tre­fac­tas com vá­ri­as ori­gens, a es­cor­rer pe­la via pú­bli­ca, as la­go­as que hão-de en­cher, quan­do a chu­va che­gar, o ca­pim que atra­ves­sou o Ca­cim­bo sem ser cor­ta­do ou quei­ma­do, tal co­mo as ár­vo­res sem po­da, são vi­vei­ros na­tu­rais de mos­qui­tos. Qual­quer cri­an­ça, mes­mo com di­fi­cul­da­des de apren­di­za­gem, sa­be.

O que a maioria de nós desconhecia é que a den­gue, que já cau­sou ví­ti­mas mor­tais en­tre nós, é “as­se­a­da”, pro­li­fe­ra em águas lim­pas. Azar do lu­an­den­se. A par das nau­se­a­bun­das, as bo­as tam­bém es­cor­rem pe­la ar­té­ri­as da ci­da­de a qual­quer ho­ra, co­mo ri­os, com aflu­en­tes e tu­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.