Téc­ni­co es­tá pre­ca­vi­do mas es­ban­ja am­bi­ção

Jornal de Angola - - DESPORTO - António de Brito

Co­ren­tin Mar­tins, trei­na­dor da Se­lec­ção da Mauritânia, bas­tan­te cau­te­lo­so na abor­da­gem do jo­go com An­go­la, dis­se que es­pe­ra por di­fi­cul­da­des, por­que o ad­ver­sá­rio jo­ga na con­di­ção de vi­si­ta­do.”Te­mos cons­ci­ên­cia dos pro­ble­mas a en­fren­tar du­ran­te a par­ti­da. An­go­la é mui­to for­te, quan­do ac­tua em ca­sa. Va­mos jo­gar com dois as­pec­tos, o ad­ver­sá­rio e o pú­bli­co”, sa­li­en­tou ao Jor­nal de An­go­la.

Ape­sar de o jo­go apa­ren­tar-se di­fí­cil, o téc­ni­co de na­ci­o­na­li­da­de fran­ce­sa pro­me­teu uma equi­pa com­ba­ti­va, a fim de con­tra­ri­ar o fa­vo­ri­tis­mo do con­jun­to ad­ver­sá­rio.”An­go­la é a cla­ra fa­vo­ri­ta. Não ire­mos cru­zar os bra­ços.Tra­ba­lhá­mos uma equi­pa for­te, e ca­paz de pon­tu­ar no re­du­to ad­ver­sá­rio. Em Lu­an­da, o ob­jec­ti­vo pas­sa por con­ser­var a li­de­ran­ça. Mas, não se­rá ta­re­fa fá­cil”.

Qu­es­ti­o­na­do so­bre o ad­ver­sá­rio, Co­ren­tin Mar­tins re­fe­riu que An­go­la é uma se­lec­ção a res­pei­tar, mas não é in­ven­cí­vel.”Va­mos jo­gar com uma boa equi­pa.Con­vo­cou as su­as prin­ci­pais estrelas, e per­se­gue a se­gun­da vi­tó­ria ca­sei­ra. Mas não é uma equi­pa im­ba­tí­vel. Te­nho to­tal res­pei­to pe­la se­lec­ção an­go­la­na, mas não es­con­do o de­se­jo de ven­cer. Criá­mos as con­di­ções pa­ra sair­mos da­qui com um re­sul­ta­do bas­tan­te ani­ma­dor”, afir­mou, acres­cen­tan­do que no fu­te­bol há três re­sul­ta­dos pos­sí­veis: “Es­tou con­ven­ci­do de que va­mos con­se­guir um re­sul­ta­do tran­qui­li­za­dor. Es­ta­mos à pro­cu­ra da qu­a­li­fi­ca­ção iné­di­ta pa­ra o CAN, mas ain­da há um lon­go ca­mi­nho a per­cor­rer”.

CONTREIRAS PI­PA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Mar­tins es­tá mui­to con­fi­an­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.