“Apa­gão” no Se­que­le foi ac­to cri­mi­no­so

Até on­tem os cus­tos pre­li­mi­na­res do van­da­lis­mo nu­ma das tor­res de sus­ten­ta­ção e trans­por­te de ener­gia es­ta­vam es­ti­ma­dos em mais de 100 mi­lhões de kwan­zas. O for­ne­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca já foi res­ta­be­le­ci­do por vol­ta das 16 ho­ras de on­tem

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - CONTREIRAS PIPA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca con­si­de­rou “cri­mi­no­sa” a ac­ção de van­da­li­za­ção de uma das tor­res de trans­por­te de ener­gia eléc­tri­ca no mu­ni­cí­pio de Ca­cu­a­co, jun­to à via ex­pres­sa, que dei­xou às es­cu­ras a Cen­tra­li­da­de do Se­que­le e zo­nas ad­ja­cen­tes du­ran­te dois di­as. Bor­ni­to de Sou­sa es­te­ve on­tem no ter­re­no, on­de acom­pa­nhou os tra­ba­lhos de re­po­si­ção de ener­gia e ma­ni­fes­tou so­li­da­ri­e­da­de com as fa­mí­li­as afec­ta­das pe­la si­tu­a­ção. Os cus­tos do van­da­lis­mo são ele­va­dos.

O Vi­ce-Pre­si­den­te

da Re­pú­bli­ca, Bor­ni­to de Sou­sa, con­si­de­rou on­tem “con­de­ná­vel e cri­mi­no­sa” a van­da­li­za­ção de uma das tor­res de sus­ten­ta­ção e trans­por­te de ener­gia no dis­tri­to se­de do mu­ni­cí­pio de Ca­cu­a­co, jun­to à via ex­pres­sa, que dei­xou mais de 20 mil fa­mí­li­as sem ener­gia eléc­tri­ca du­ran­te dois di­as.

Se­gun­do no­ta dos Ser­vi­ços de Apoio ao Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Bor­ni­to de Sou­sa, que on­tem acom­pa­nhou, no ter­re­no, o an­da­men­to dos tra­ba­lhos de re­po­si­ção do for­ne­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca à Cen­tra­li­da­de do Se­que­le e zo­nas ad­ja­cen­tes, a van­da­li­za­ção de bens pú­bli­cos de­ve ser “ener­gi­ca­men­te com­ba­ti­da por to­da a so­ci­e­da­de an­go­la­na”.

O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca in­tei­rou-se dos mo­ti­vos que le­va­ram à in­ter­rup­ção do for­ne­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca, que en­tre­tan­to já foi res­ta­be­le­ci­do no fim da tar­de de on­tem. No lo­cal, Bor­ni­to de Sou­sa ma­ni­fes­tou so­li­da­ri­e­da­de pa­ra com as fa­mí­li­as

afec­ta­das pe­la si­tu­a­ção. Uma das tor­res de trans­por­te de ener­gia no dis­tri­to se­de do mu­ni­cí­pio de Ca­cu­a­co, jun­to à via ex­pres­sa, foi van­da­li­za­da na noi­te de quar­ta-fei­ra, dei­xan­do até a tar­de de on­tem mais de 20 mil fa­mí­li­as sem luz eléc­tri­ca.

An­tes de se des­lo­car ao lo­cal, o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca reu­niu-se, na Ad­mi­nis­tra­ção da Ci­da­de do Se­que­le, com o mi­nis­tro de Es­ta­do e che­fe da Ca­sa de Se­gu­ran­ça do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Pe­dro Se­bas­tião, com os se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do das Águas, Luís Fi­li­pe da Sil­va, da Ener­gia, An­tó­nio da Cos­ta, e com o vi­ce-go­ver­na­dor de Lu­an­da pa­ra o Sec­tor Eco­nó­mi­co, Jú­lio Bes­sa. O ad­mi­nis­tra­dor de Ca­cu­a­co, Au­gus­to Jo­sé, e a pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Dis­tri­bui­ção de Elec­tri­ci­da­de, Ruth Sa­fe­ca, tam­bém par­ti­ci­pa­ram na reu­nião, que te­ve a fi­na­li­da­de de in­for­mar ao Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca so­bre a van­da­li­za­ção da tor­re de trans­por­te de ener­gia eléc­tri­ca.

O Jor­nal de An­go­la, que on­tem es­te­ve no lo­cal dos tra­ba­lhos de re­po­si­ção do for­ne­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca às lo­ca­li­da­des afec­ta­das, apu­rou que a em­prei­ta­da, a car­go de uma em­pre­sa por­tu­gue­sa de en­ge­nha­ria eléc­tri­ca de­no­mi­na­da Power­gol, em par­ce­ria com téc­ni­cos da ENDE, de­cor­ria a “bom rit­mo”. Pro­va dis­so é que, por vol­ta das 16 ho­ras, o for­ne­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca já es­ta­va res­ta­be­le­ci­do. Os au­to­res da van­da­li­za­ção ti­ra­ram as tra­ves­sas que sus­ten­tam a tor­re de al­ta ten­são, ra­zão pe­la qual fi­cou sem sus­ten­ta­ção, cau­san­do a des­trui­ção dos con­du­to­res de ener­gia pa­ra a su­bes­ta­ção que ali­men­ta as du­as áre­as re­si­den­ci­ais pri­va­das de ener­gia.

A pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Dis­tri­bui­ção de Ener­gia Eléc­tri­ca (ENDE), Ruth Sa­fe­ca, con­si­de­rou de “mui­to sa­lu­tar” a vi­si­ta que o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca efec­tu­ou ao lo­cal dos tra­ba­lhos.

“Es­ta vi­si­ta veio dar um alen­to mui­to gran­de às equi­pas em ser­vi­ço, quer da ENDE co­mo a dos par­cei­ros que vi­e­ram aju­dar-nos a re­sol­ver, no mais cur­to es­pa­ço de tem­po, a si­tu­a­ção ve­ri­fi­ca­da”, des­ta­cou Ruth Sa­fe­ca. Ruth Sa­fe­ca, que fa­la­va em ex­clu­si­vo ao Jor­nal de

An­go­la, dis­se ter re­ce­bi­do do Vi­ce-Pre­si­den­te “so­li­da­ri­e­da­de, pa­la­vras de en­co­ra­ja­men­to, in­cen­ti­vo e que de fac­to aju­dam a le­van­tar a mo­ral não só da po­pu­la­ção, e dos nos­sos cli­en­tes en­vol­vi­dos na si­tu­a­ção da van­da­li­za­ção da tor­re de sus­ten­ta­ção, mas tam­bém dos co­la­bo­ra­do­res da ENDE que têm es­ta­do in­can­sá­veis no sen­ti­do de dar so­lu­ção, no mais cur­to es­pa­ço de tem­po, da re­po­si­ção da ener­gia eléc­tri­ca à Cen­tra­li­da­de do Se­que­le e bair­ros ad­ja­cen­tes”.

So­bre os cus­tos da re­pa­ra­ção, Ruth Sa­fe­ca, mui­to cau­te­lo­sa, dis­se: “On­tem (quin­ta-fei­ra) pre­li­mi­nar­men­te fi­ze­mos um cus­to es­ti­ma­do na or­dem dos 60 mi­lhões de kwan­zas, mas ho­je (sex­ta-fei­ra) ana­li­sa­mos al­gu­mas com­po­nen­tes que fo­ram in­cluí­das e já es­ta­mos em mais 100 mi­lhões de kwan­zas”.

A di­vul­ga­ção dos da­dos de­fi­ni­ti­vos so­bre os cus­tos en­vol­vi­dos na re­pa­ra­ção da tor­re de sus­ten­ta­ção de al­ta ten­são, dis­se, só se­rão fei­tos na pró­xi­ma se­ma­na de­pois de um tra­ba­lho de aná­li­se mais pro­fun­do.

So­bre o pra­zo pa­ra a con­clu­são dos tra­ba­lhos, a pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da ENDE já ti­nha ga­ran­ti­do que, pe­lo rit­mo em que se en­con­tra­vam os tra­ba­lhos, “era mui­to pro­vá­vel que ho­je (on­tem) as du­as lo­ca­li­da­des vi­es­sem a ter ener­gia eléc­tri­ca”.

“A nos­sa pers­pec­ti­va era pa­ra ama­nhã (ho­je) ten­do em con­ta a en­ver­ga­du­ra dos tra­ba­lhos, mas, tam­bém, gra­ças à mo­bi­li­za­ção de to­dos os es­for­ços, os tra­ba­lhos es­tão mui­to avan­ça­dos e acre­di­ta­mos que até ao fi­nal do dia te­re­mos o for­ne­ci­men­to de ener­gia res­ta­be­le­ci­do”, dis­se.

In­ter­ro­ga­da so­bre se a ENDE ti­nha um pla­no es­tra­té­gi­co em re­la­ção à se­gu­ran­ça dos Pos­tos de Trans­for­ma­ção que têm si­do al­vo de van­da­li­za­ção, Ruth Sa­fe­ca dis­se: “te­mos as nos­sas li­nhas de al­ta e mé­dia ten­são es­pa­lha­das um pou­co por to­do o país, são mui­tos qui­ló­me­tros de li­nha com as res­pec­ti­vas tor­res de sus­ten­ta­ção e fi­ca mui­to di­fí­cil pa­ra a em­pre­sa con­se­guir fa­zer a se­gu­ran­ça de to­da es­sa es­tru­tu­ra”.

O que a ENDE tem es­ta­do a fa­zer, acres­cen­tou, é ape­lar a to­da po­pu­la­ção, Po­lí­cia Na­ci­o­nal, go­ver­nos pro­vin­ci­ais e ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais no sen­ti­do de, em con­jun­to, tra­ba­lhar pa­ra mi­ti­gar es­sas si­tu­a­ções. “Te­mos mui­ta di­fi­cul­da­de e é di­fí­cil a em­pre­sa fa­zer so­zi­nha a se­gu­ran­ça de to­dos es­ses ac­ti­vos”, dis­se. Con­do­lên­ci­as

O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca apre­sen­tou na ma­nhã de on­tem con­do­lên­ci­as à fa­mí­lia do na­ci­o­na­lis­ta an­go­la­no Bru­no In­glês, fa­le­ci­do em Lis­boa, por do­en­ça.

Bor­ni­to de Sou­sa es­te­ve no sa­lão de ve­ló­ri­os do Ce­mi­té­rio de Sant’Ana, on­de cum­pri­men­tou fa­mi­li­a­res e ami­gos do ma­lo­gra­do, e de­po­si­tou uma co­roa de flo­res.

Li­cen­ci­a­do em ci­ên­ci­as bi­o­ló­gi­cas, na es­pe­ci­a­li­da­de de Bi­o­lo­gia Ve­ge­tal, Bru­no In­glês exer­ceu vá­ri­os car­gos de re­le­vo, co­mo vi­ce-pre­si­den­te da Assembleia-Ge­ral da Or­dem dos Bió­lo­gos de An­go­la e pre­si­den­te do Con­se­lho Fis­cal do Comité Pa­ra­lím­pi­co An­go­la­no.

Mem­bro ho­no­rá­rio da As­so­ci­a­ção dos Di­plo­ma­tas An­go­la­nos, foi igual­men­te as­so­ci­a­do da Co­mis­são Na­ci­o­nal Or­ga­ni­za­do­ra da Se­cre­ta­ria de Es­ta­do da Agri­cul­tu­ra, co­or­de­na­dor do Ga­bi­ne­te de Co­o­pe­ra­ção e In­ter­câm­bio In­ter­na­ci­o­nal do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, ad­mi­nis­tra­dor não-exe­cu­ti­vo do Ban­co Ke­ve e di­rec­tor­ge­ral da FRESCANGOL. O na­ci­o­na­lis­ta fa­le­ceu no dia 4 de Ou­tu­bro.

“Es­ta vi­si­ta veio dar um alen­to mui­to gran­de às equi­pas em ser­vi­ço, quer da ENDE quer a dos par­cei­ros que vi­e­ram aju­dar-nos a re­sol­ver, no mais cur­to es­pa­ço de tem­po, a si­tu­a­ção ve­ri­fi­ca­da”

CONTREIRAS PIPA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Bor­ni­to de Sou­sa cons­ta­tou a van­da­li­za­ção de uma das tor­res de trans­por­te de ener­gia eléc­tri­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.