Re­no­va­ção do gru­po e es­tá­gio fo­ram a cha­ve

Jornal de Angola - - DESPORTO - An­tó­nio Cris­tó­vão

O se­lec­ci­o­na­dor na­ci­o­nal de fu­te­bol pa­ra am­pu­ta­dos, Augusto Bap­tis­ta “Cheto”, as­se­gu­rou on­tem, que a re­no­va­ção do gru­po, a preparação no país e o es­tá­gio na Áfri­ca do Sul fo­ram de­ter­mi­nan­tes pa­ra o al­can­ce do tí­tu­lo mun­di­al.

“Par­ti­mos com a li­ção bem es­tu­da­da. Era pre­ci­so de­fen­der ou me­lho­rar o se­gun­do lu­gar al­can­ça­do em 2014. Gra­ças à Deus, a sor­te es­te­ve do nos­so la­do. Foi um cam­pe­o­na­to di­fí­cil e dis­pu­ta­do com se­lec­ções de ní­vel equi­pa­ra­do”, des­ta­cou o téc­ni­co.

Ques­ti­o­na­do so­bre o de­sai­re fren­te ao Hai­ti, na ter­cei­ra e úl­ti­ma jor­na­da do Gru­po C, Augusto Bap­tis­ta de­cla­rou: “pro­jec­ta­mos a der­ro­ta pa­ra evi­tar o cru­za­men­to com os rus­sos nos oi­ta­vos-de-fi­nal. Só ape­nas is­so. O Hai­ti se­gu­ra­men­te es­ta­va ao nos­so al­can­ce”.

Por ou­tro la­do, Cheto re­co­nhe­ceu, que a fi­nal di­an­te da Tur­quia foi o de­sa­fio mais di­fí­cil, pe­lo fac­to de os tur­cos tam­bém es­ta­rem a re­no­var o plan­tel. “Apre­sen­ta­ram­se bem du­ran­te a pro­va e com no­vos atle­tas. Ti­ve­mos mui­tas di­fi­cul­da­des pa­ra ul­tra­pas­sá-los, aliás o re­sul­ta­do es­pe­lha bem is­so”, dis­se. Ce­les­ti­no Eli­as, dis­tin­gui­do co­mo me­lhor jo­ga­dor do cam­pe­o­na­to, mos­trou-se fe­liz com o tro­féu e o re­co­nhe­ci­men­to. “Não foi fá­cil ga­nhar. Agra­de­ço imen­so aos meus com­pa­nhei­ros, trei­na­do­res e a di­rec­ção do Co­mi­té Pa­ra­lím­pi­co An­go­la­no, por me te­rem da­do es­ta opor­tu­ni­da­de”, de­cla­rou à im­pren­sa.

Por sua vez, o ca­pi­tão dos cam­peões do mun­do, Hi­lá­rio Ku­fu­la ad­mi­tiu que no iní­cio foi com­pli­ca­do di­ri­gir o bal­neá­rio du­ran­te a preparação no país e no pal­co da com­pe­ti­ção, mas o amor à Pá­tria foi fun­da­men­tal pa­ra ter­mi­nar a mis­são com êxi­to.

“O se­gre­do da vi­tó­ria foi a de­di­ca­ção. Sem es­que­cer o es­for­ço da equi­pa, hu­mil­da­de e o res­pei­to pe­los ad­ver­sá­ri­os. Con­se­gui­mos su­pe­rar al­guns mal en­ten­di­dos no gru­po”, su­bli­nhou o mé­dio do Mis­to de Ben­gue­la.

Es­tá é a ter­cei­ra pre­sen­ça do “se­te” na­ci­o­nal no Mun­di­al de­pois da par­ti­ci­pa­ção em 2014, na ci­da­de de Cu­li­a­cán, Mé­xi­co, on­de foi vi­ce­cam­peão e no mu­ni­cí­pio de Cres­po, Ar­gen­ti­na, ten­do ter­mi­na­do na no­na po­si­ção.

A pró­xi­ma edi­ção do Cam­pe­o­na­to do Mun­do de Fu­te­bol pa­ra Am­pu­ta­dos dis­pu­ta-se em 2022, na Po­ló­nia. Com a con­quis­ta do tro­féu iné­di­to An­go­la che­ga ao Mun­di­al de 2022 com a ár­dua mis­são de re­va­li­dar o tí­tu­lo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.