Jornal de Angola

Hu­am­bo mi­nha ter­ra pe­la quar­ta vez

- Ma­nu­el Rui Pella · Lisbon · Huambo · Republic of Congo · Mozambique · London · Brazil · Argentina · Mary J. Blige · Robert B. Williams

A guer­ra pa­rou. Fo­mos ao Hu­am­bo can­tar os me­ni­nos do Hu­am­bo em um­bun­du por Raúl Da­vid e em por­tu­guês por Pau­lo de Car­va­lho. Vi­si­tá­mos vá­ri­os mu­ni­cí­pi­os on­de rei­na­va a fo­me vi­sí­vel no ede­ma das cri­an­ças de bar­ri­ga in­cha­da e sem ca­be­lo. Eu ia a cho­rar emo­ci­o­na­do

Pe­la pri­mei­ra vez é nu­ma vé­nia ao nos­so rei Wam­bo Ka­lun­ga que fun­dou o rei­no do Wam­bo. Oi­ço a sua voz, os gri­tos dos guer­rei­ros de za­gaia e fle­chas, por­ri­nhos e ja­vi­tes con­tra os in­va­so­res com ar­mas de pe­der­nei­ra e fun­dan­ga.Os in­va­so­res per­de­ram. A pa­la­vra do nos­so rei es­cu­tei-a na pe­dra que faz um­pon­to mais al­to, o Mor­ro do Mo­co, de on­de se po­de ou­vir to­do o si­lên­cio. A pe­dra es­tá lá em abó­bo­da pa­ra som de ca­pe­la. É de­pois da Caá­la. Os in­va­so­res co­me­ça­ram a dis­pa­rar pa­ra o al­to da pe­dra on­de o nos­so rei jun­ta­ra os seus guer­rei­ros. Veio uma chu­va com tro­vão, faís­cas e gra­ni­zo. O in­va­sor não po­dia acen­der fo­go pa­ra apa­re­lhar as es­cu­pe­tas e a sua tro­pa foi qua­se di­zi­ma­da. Na fu­ga, o co­man­dan­te per­gun­tou ao pri­si­o­nei­ro, que fa­zia de guia co­mo era re­gra,a ra­zão de co­mo acon­te­ce­ra aque­la des­gra­ça. Po­de­ria ter si­do um fei­ti­ço? Per­gun­ta­va o co­man­dan­te in­va­sor pois fa­la­va mui­to nis­so e que a sua tro­pa ha­via si­do aben­ço­a­da e sa­cra­men­ta­da por sua mis­são ci­vi­li­za­do­ra con­tra tu­do e to­dos. O guia co­çou a ca­be­ça e res­pon­deu ca­bis­bai­xo: só se foi um fei­ti­cei­ro da chu­va. O quê? Há fei­ti­cei­ros que cha­mam a chu­va? Ma­tem es­se ga­jo. Não. Pri­mei­ro te­mos de agar­rar ou­tro. E a chu­va re­to­mou com mais for­ça. Pas­sou mui­to tem­po. Em 1928, Nor­ton de Ma­tos re­sol­veu in­ven­tar a ci­da­de de No­va Lis­boa an­tes de ela exis­tir. Es­co­lheu o lo­cal. Man­dou de­se­nhar um pla­no di­re­tor. A re­gião era ri­ca em água, boa ter­ra pa­ra arar e mi­ne­rais.De­pois o com­boio que ha­via de ser o Ca­mi­nho de Fer­ro de Benguela pa­ra trans­por­tar o co­bre do Ka­tan­ga. Saia do Lo­bi­to até ao Con­go e pre­via-se uma li­ga­ção até Moçambique. Quem man­da­va em Nor­ton de Ma­tos era o in­glês Ro­bert Wil­li­ams. Ele or­de­nou que a tro­pa por­tu­gue­sa ma­tas­se to­dos os reis da re­gião pa­ra que as po­pu­la­ções, sem li­de­ran­ças, se en­tre­gas­sem aos du­ros tra­ba­lhos da cons­tru­ção da li­nha fér­rea. E o po­vo des­lo­cou-se pa­ra a bei­ra da li­nha on­de nas­ce­ram po­vo­a­dos. E foi as­sim que se cons­truí­ram no Hu­am­bo as mai­o­res ofi­ci­nas de Áfri­ca lá pa­ra de­pois do bair­ro S. João era tu­do do CFB (ca­mi­nhos de fer­ro de Benguela), ca­sas de ma­dei­ra à in­gle­sa pa­ra os fun­ci­o­ná­ri­os do in­va­sor,cha­ma­vam-lhe a Pou­ling e só ago­ra des­cu­bro tra­tar-se do no­me de ou­tro in­glês que de Lon­dres tam­bém man­da­va na li­nha.ha­via des­cri­mi­na­ção ra­ci­al nos sa­lá­ri­os, de um la­do pu­las, do ou­tro ne­gros e mes­ti­ços, ti­nham o mai­or clu­be, com es­tru­tu­ras de la­zer, es­tá­dio de fu­te­bol e pis­ci­na olím­pi­ca com ta­bu­le­ta: só é per­mi­ti­da a en­tra­da a bran­cos. Pu­se­ram à Caá­la o no­me de vi­la Ro­bert Wil­li­ams mas um gru­po de co­lo­nos in­sa­tis­fei­tos com os in­gle­ses, ins­cre­ve­ram nu­ma ta­bu­le­ta em már­mo­re: FUNDADORES DA CAÁ­LA. E vem os no­mes en­tre os quais um Ga­vi­no que dei­xou des­cen­dên­cia e cu­ja fa­mí­lia re­gis­to no meu ro­man­ce “A ca­sa do rio.” Hu­am­bo mi­nha ter­ra pe­la se­gun­da vez. Na mi­nha in­fân­cia, a mãe a con­tar-me que quan­do meu pai ca­sou com ela em Ca­con­da e de­pois vi­e­ram pa­ra No­va Lis­boa, ali on­de era o quar­tel de ar­ti­lha­ria, per­to do co­re­to on­de to­ca­va Sam­bo, cos­tu­ma­vam apa­re­cer on­ças que se fo­ram afas­tan­do. Eu fi­ca­va cheio de me­do. Ou­via es­tó­ri­as can­ta­das pe­la mi­nha avó pa­ter­na, ki­kon­go de li­nha­gem que ha­via si­do rap­ta­da aos 12 anos por meu avô por­tu­guês, nu­ma co­lu­na de boi-ca­va­lo que de­mo­rou dois anos a che­gar a Benguela on­de meu avô a fez mu­lher até en­ri­que­cer e man­dar vir uma bran­ca do pu­to. A mi­nha in­fân­cia e ado­les­cên­cia em su­búr­bio sem luz elé­tri­ca e água ca­na­li­za­da. Na es­co­la, co­lé­gio e li­ceu, vi­via en­tre dois mun­dos. Meu ir­mão mais ve­lho le­vou-me a ver o pri­mei­ro as­fal­to com fo­gue­tes e, um dia à noi­te, fo­mos à bai­xa e no bar-res­tau­ran­te de um tal Es­ti­ma, pe­lo vi­dro, vi­mos pe­la pri­mei­ra vez, co­me­rem sor­ve­te. Ain­da no fim da mi­nha ado­les­cên­cia vi ho­mens amar­ra­dos em cor­da a tra­ba­lha­rem na aber­tu­ra de es­tra­das. Meu pai con­se­guiu a pri­mei­ra li­vra­ria da ci­da­de, “Li­vra­ria Bra­si­lei­ra,”jun­to com er­va­ná­ria, foi o me­lhor da nos­sa vi­da, meu ir­mão e mi­nha ir­mã ain­da apren­de­ram pi­a­no… mas a li­vra­ria era ti­da co­mo um cen­tro “con­tra a si­tu­a­ção”, de ma­çó­ni­cos e aca­bou. Li­vros e revistas que vi­nham do Bra­sil com aju­da de ami­gos fo­ram pa­ra nos­sa ca­sa e eu de­vo­ra­va no Cru­zei­ro tex­tos de Da­vid Nas­ser ou da ce­le­bri­da­de que era Ra­chel de Qu­ei­rós que eu e Lu­an­di­no um dia ha­vía­mos de bei­jar com emo­ção e ca­ri­nho. No­va Lis­boa cres­cia. Fa­zia-se uma ca­sa por dia. A ter­cei­ra vez, foi quan­do a rá­dio por­tu­gue­sa anun­ci­ou ter­ro­ris­tas vin­dos do Con­go. No dia se­guin­te, na au­la de filosofia eu es­ta­va a con­ver­sar com uma co­le­ga e o pro­fes­sor vi­rou-se pa­ra mim aos gri­tos: com que en­tão ago­ra com o ter­ro­ris­mo vais ser mi­nis­tro? E não é que fui… A quar­ta vez foi quan­do im­por­tá­mos a guer­ra fria pa­ra fa­zer­mos a guer­ra quen­te e ma­tar­mo-nos uns aos ou­tros. Já era o Hu­am­bo. O Hu­am­bo bom­bar­de­a­do por aviões. O Hu­am­bo com as pes­so­as a es­con­de­rem-se no ma­to. A guer­ra pa­rou. Fo­mos ao Hu­am­bo can­tar os me­ni­nos do Hu­am­bo em um­bun­du por Raúl Da­vid e em por­tu­guês por Pau­lo de Car­va­lho. Vi­si­tá­mos vá­ri­os mu­ni­cí­pi­os on­de rei­na­va a fo­me vi­sí­vel no ede­ma das cri­an­ças de bar­ri­ga in­cha­da e sem ca­be­lo. Eu ia a cho­rar emo­ci­o­na­do. Foi o meu con­ter­râ­neo, Se­bas­tião Co­e­lho, jornalista que tam­bém pas­sou pe­los cár­ce­res da pi­de, que man­da­va as cró­ni­cas da Ar­gen­ti­na, quem me so­cor­reu se­gu­ran­do­me e cha­man­do mais gen­te. A his­tó­ria é co­mo um mo­rin­gue de bar­ro es­ca­quei­ra­do. Por mais que se jun­tem os ca­cos nun­ca fi­ca igual e tão pou­co se po­de vol­tar a pôr água. Vi na te­le­vi­são a nar­ra­ti­va da mi­nha ter­ra to­da ela co­mo se fos­se um rio com uma cor­ren­te se­re­na. As ár­vo­res. As pes­so­as. As ca­sas. Os es­tu­dan­tes. A mi­nha ter­ra é mais bo­ni­ta as­sim na te­la é mais bo­ni­ta pa­ra as ilu­sões da es­pe­ran­ça. Da­pan­du­la!

 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola