Jornal de Angola

INAC con­tra tra­ba­lho in­fan­til

- Armando Sa­pa­lo | Dun­do Democratic Republic of Congo · Republic of Congo · Residente

Oriun­das de fa­mí­li­as ca­ren­ci­a­das, é ca­da vez mai­or o nú­me­ro de ado­les­cen­tes e cri­an­ças en­vol­vi­das na ven­da am­bu­lan­te nas ru­as do Dun­do e de ou­tras lo­ca­li­da­des da pro­vín­cia da Lunda-Nor­te. Aten­ta ao fe­nó­me­no, a che­fe do Ser­vi­ço Pro­vin­ci­al do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da Cri­an­ça (INAC), Ma­da­le­na Alen­te­jo, pe­de às fa­mí­li­as pa­ra que en­ca­rem a re­a­li­da­de com a se­ri­e­da­de que se im­põe

O nú­me­ro de ado­les­cen­tes e cri­an­ças en­vol­vi­das na ven­da am­bu­lan­te na Lun­daNor­te, com mai­or in­ci­dên­cia nos mu­ni­cí­pi­os do Chi­ta­to, Cam­bu­lo, Lu­ca­pa, Ca­pen­daCa­mu­lem­ba, Xá-Mu­te­ba e Cu­an­go, au­men­ta qua­se di­a­ri­a­men­te.

No Chi­ta­to, ci­da­de do Dun­do e ca­pi­tal da pro­vín­cia, por exem­plo, po­dem ser vis­tos na zo­na co­mer­ci­al e ou­tros pon­tos de gran­de con­cen­tra­ção po­pu­la­ci­o­nal. Os no­mes são fic­tí­ci­os mas as si­tu­a­ções re­ais.

Mar­ga­ri­da Mu­fu­lu­e­ne, de 12 anos, fru­to do re­la­ci­o­na­men­to de dois ci­da­dãos nas­ci­dos na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), é uma en­tre de­ze­nas. Ór­fã de mãe, e des­pro­vi­da da pro­tec­ção do pai, viu-se obri­ga­da a de­sis­tir da es­co­la pa­ra de­di­car-se à ven­da am­bu­lan­te na zo­na co­mer­ci­al do Dun­do. Foi há um ano e, des­de en­tão, a ado­les­cen­te, que vi­ve sob tu­te­la da avó ma­ter­na, en­fren­ta di­fi­cul­da­des alhei­as à sua ida­de.

“Eu e as mi­nhas ir­mãs mais no­vas não sa­be­mos do pa­ra­dei­ro do nos­so pai. Fo­mos aban­do­na­das, mas te­mos es­pe­ran­ças que um dia vol­te”, dis­se.

Tris­te, mas sem má­go­as do pas­sa­do, Mar­ga­ri­da Mu­fu­lu­e­ne con­ta que a avó dei­xou de ter a mes­ma ener­gia pa­ra su­por­tar a pres­são da ven­da na rua, mas, ape­sar das di­fi­cul­da­des sem­pre tra­tou as ne­tas com ca­ri­nho. Por ser a mais ve­lha das ir­mãs, Bia Ma­ria sai de ca­sa, no bair­ro Ae­ro­por­to, por vol­ta das 6h00 da ma­nhã, pa­ra ven­der água, ga­so­sa, su­mo e ou­tras be­bi­das.

“A ven­da de pro­du­tos é a úni­ca via que en­con­trei pa­ra ga­ran­tir o nos­so sus­ten­to. Es­ta­va a es­tu­dar a 4ª clas­se, mas pa­rei por­que em ca­sa es­ta­mos a so­frer mui­to e a mi­nha avó es­tá mui­to ve­lha”, ex­pli­cou, su­bli­nhan­do que man­tém a es­pe­ran­ça de vol­tar a vi­ver com o pai e re­to­mar os es­tu­dos.

Com pre­sen­ça re­gu­lar na zo­na co­mer­ci­al, Mi­guel Cai­om­bo, de 13 anos, tam­bém faz da ven­da am­bu­lan­te uma for­ma de sus­ten­to. Re­si­den­te no bair­ro Caim­bu­an­da, Mi­guel Cai­om­bo, alu­no da 5ª clas­se na Es­co­la Pri­má­ria do Dun­do Cen­tral, foi in­cen­ti­va­do pe­lo pró­prio pai, quan­do em Ja­nei­ro do cor­ren­te ano em­pres­tou­lhe 500 kwan­zas pa­ra ini­ci­ar o ne­gó­cio da ven­da de sa­cos “pre­tos”. Um mês de­pois con­se­guiu fa­zer o re­em­bol­so do di­nhei­ro e ago­ra ca­mi­nha pe­los pró­pri­os pés.

“Sou o quin­to fi­lho de um to­tal de seis ir­mãos. O meu pai é de­sem­pre­ga­do e a mãe cam­po­ne­sa”, dis­se.

Mi­guel Cai­om­bo ex­pli­cou que o pai lhe em­pres­tou o di­nhei­ro com a jus­ti­fi­ca­ção de que o ne­gó­cio, além de aju­dar nas des­pe­sas da ca­sa, vai pos­si­bi­li­tar com­prar rou­pa, co­mi­da e ma­te­ri­al es­co­lar.

Si­mão Mu­a­fun­ga é ou­tra cri­an­ça que, du­ran­te o dia, faz da zo­na co­mer­ci­al o seu “lo­cal de tra­ba­lho”. Do bair­ro Ta­xa Bar­ra­gem, de on­de sai pa­ra exer­cer a ven­da tal co­mo fa­zem os co­le­gas de oca­sião, Si­mão Mu­a­fun­ga sen­te imen­sas sau­da­des das brin­ca­dei­ras que par­ti­lha­va com os vi­zi­nhos e que, in­fe­liz­men­te, a for­ça da ne­ces­si­da­de co­lo­cou fim pre­ma­tu­ro.

“Ven­do vá­ri­os pro­du­tos, mas o ca­fé, o açu­car e de­ter­gen­tes são aque­les que te­nho em gran­des quan­ti­da­des”, dis­se.

Ór­fão de pai, Si­mão Mu­a­fun­ga vi­ve com o ir­mão mais ve­lho, que, en­tre­tan­to, faz tra­ba­lho de mo­to-tá­xi. Se­gun­do o pró­prio, é de­le a mer­ca­do­ria que ven­de e os ren­di­men­tos con­tri­bu­em pa­ra as des­pe­sas de ca­sa.

“Já dis­se ao meu ir­mão que não que­ro ir à es­co­la. Gos­to de ven­der por­que aqui te­nho ami­gos e co­le­gas. Gos­to tam­bém de es­tar na rua, mas o meu ir­mão vem sem­pre me bus­car”, dis­se.

Em­bo­ra se re­ve­le um ado­les­cen­te tí­mi­do, Ru­fi­no Ca­lu­ma­ta, por sua vez, trans- fi­gu­ra-se sem­pre que abor­da um cli­en­te. De pou­cas pa­la­vras, ad­mi­tiu que dei­xou de es­tu­dar pa­ra pri­vi­le­gi­ar o ne­gó­cio, re­cu­sou di­zer on­de e com quem vi­ve, ten­do de se­gui­da fu­gi­do, re­ce­an­do es­tar di­an­te de fis­cais da ad­mi­nis­tra­ção do Chi­ta­to.

 ?? DR ??
DR
 ?? FO­TOS: BEN­JA­MIN CÂNDIDO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO ??
FO­TOS: BEN­JA­MIN CÂNDIDO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO
 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola