Jornal de Angola

O al­go­dão não en­ga­na

- Lu­ci­a­no Rocha Mary J. Blige · Angola

A ca­ta­du­pa de “es­cla­re­ci­men­tos”, sur­gi­da nos anos mais re­cen­tes, no país e lá fo­ra, so­bre a for­ma co­mo, des­de a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, fo­ram con­se­gui­das tan­tas for­tu­nas as­tro­nó­mi­cas, tro­pe­ça em fac­tos com­pro­va­dos que os des­men­tem.

A imen­si­dão de ex­pli­ca­ções, fei­tas, na pri­mei­ra pes­soa ou por ou­tras, amiú­de por en­co­men­da, oral­men­te ou es­cri­tas, na for­ma de en­tre­vis­tas, co­mu­ni­ca­dos, até em tri­bu­nal, sob ju­ra­men­to, fa­zem lem­brar o anún­cio an­ti­go de um de­ter­gen­te que de­mons­tra­va que o al­go­dão não en­ga­na, pe­lo con­trá­rio, põe a nu a su­ji­da­de en­co­ber­ta por mais lim­po que pa­re­ça o lo­cal so­bre o qual ele pas­sa.

As jus­ti­fi­ca­ções de for­tu­nas acu­mu­la­das em ban­cos, bens mó­veis e imó­veis, cá den­tro, mas, igual­men­te, no es­tran­gei­ro, re­ve­lam, en­tre ou­tras coi­sas, a fal­ta de ima­gi­na­ção dos que jul­ga­ram es­tar eter­na­men­te imu­nes à jus­ti­ça, exi­bin­do acin­to­sa e in­sul­tu­o­sa­men­te lu­xos que ja­mais ima­gi­na­ram ter pa­ra os quais, ain­da por ci­ma, não es­ta­vam mi­ni­ma­men­te pre­pa­ra­dos.

A da­da al­tu­ra, o po­der ins­ti­tuí­do de­ci­diu que a for­ma mais rá­pi­da de de­sen­vol­ver An­go­la era cri­ar uma bur­gue­sia en­di­nhei­ra­da, de­sa­tan­do a dis­tri­buir o que era de to­dos por al­guns - di­nhei­ro, ter­ras, ha­bi­ta­ções, car­gos em em­pre­sas pú­bli­cas e or­ga­nis­mos es­ta­tais - a pa­ren­tes e ami­ga­lha­ços, sem a pre­o­cu­pa­ção se­quer de apu­rar se os “elei­tos” es­ta­vam mi­ni­ma­men­te ha­bi­li­ta­dos pa­ra mu­dan­ças tão ra­di­cais de vi­da.

O “pro­gra­ma” foi, co­mo é evi­den­te, um fra­cas­so, que le­vou o país qua­se à ban­car­ro­ta. Mais gra­ve, acen­tu­ou di­ver­gên­ci­as so­ci­ais, o fos­so en­tre ri­cos e po­bres e ins­ti­tuiu a ideia de que nem to­dos ti­nham os mes­mos di­rei­tos. Os elei­tos não se fi­ze­ram ro­ga­dos em hon­rar a pre­fe­rên­cia e de­sa­ta­ram - até co­mo de­mons­tra­ção de po­der - em es­ten­der be­nes­ses a quem lhes con­vi­nha. O “efei­to do­mi­nó”, sa­be-se, não tem re­cuo. Era a ame­a­ça de des­mo­ro­na­men­to da An­go­la so­li­dá­ria, sem se­nho­res, nem sub­ju­ga­dos, so­nha­da, du­ran­te ge­ra­ções, por mu­lhe­res e ho­mens, de to­das as ida­des, mui­tos dos quais pa­ga­ram es­sa for­ma de pen­sar e agir com tor­tu­ra, pri­são, des­ter­ro, a pró­pria vi­da.

Al­guns da­que­les lu­ta­do­res pe­la Pá­tria li­vre do ju­go ocu­pan­te ce­de­ram à atrac­ção pe­la vi­da faus­to­sa, en­ten­den­do ter di­rei­tos es­pe­ci­ais em de­tri­men­to da mai­o­ria dos an­go­la­nos, quan­do, na ver­da­de, ti­nham de­ve­res acres­ci­dos. O fac­to de ter par­ti­ci­pa­do na lu­ta ar­ma­da, es­ta­do em cam­pos de con­cen­tra­ção, nou­tra qual­quer ca­deia, clan­des­ti­ni­da­de ou exí­lio por cau­sas no­bres não bas­ta pa­ra al­guém re­que­rer pri­vi­lé­gi­os.

Os efei­tos do “pro­gra­ma” de cri­a­ção de cas­tas co­mo for­ma de de­sen­vol­ver o país es­tão pa­ten­tes no dia-a-dia an­go­la­no, com ca­rên­ci­as de to­da a es­pé­cie em to­dos os sec­to­res sem ex­cep­ção. Os “es­cla­re­ci­men­tos”, fei­tos na pri­mei­ra pes­soa ou por ou­trem - em co­mu­ni­ca­dos, e en­tre­vis­tas, fa­la­das ou es­cri­tas, so­men­te ser­vem pa­ra su­bli­nhar a ac­ção dos que se abo­to­a­ram com di­nhei­ro pú­bli­co in­di­fe­ren­tes ao so­fri­men­to da mai­o­ria da po­pu­la­ção, agra­va­do nes­ta fa­se de pan­de­mia.

A si­tu­a­ção que o país vi­ve tem cul­pa­dos, al­guns iden­ti­fi­ca­dos, ou­tros a iden­ti­fi­car. Pro­va­vel­men­te, al­guns hão-de con­se­guir es­ca­par en­tre as ma­lhas da jus­ti­ça. Os “es­cla­re­ci­men­tos” pa­ra sur­gi­men­to de tan­tos mi­li­o­ná­ri­os em tão es­cas­so tem­po des­de a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal é que se dis­pen­sam, tal co­mo os “ar­re­pen­di­men­tos” e “lá­gri­mas de cro­co­di­lo”. Já far­ta tan­ta hi­po­cri­sia. Al­guém em tão pou­cos anos con­se­gue jun­tar, pe­lo tra­ba­lho, tan­to di­nhei­ro?

Os “es­cla­re­ci­men­tos”so­bre o sur­gi­men­to, do dia pa­ra a noi­te, de for­tu­nas as­tro­nó­mi­cas ape­nas fa­zem re­cor­dar o anún­cio do de­ter­gen­te que lem­bra­va que o al­go­dão não en­ga­na por mais lim­po que pa­re­ça es­tar o lo­cal por on­de ele pas­sa.

A si­tu­a­ção que o país vi­ve tem cul­pa­dos, al­guns iden­ti­fi­ca­dos, ou­tros a iden­ti­fi­car. Pro­va­vel­men­te, al­guns hão-de con­se­guir es­ca­par en­tre as ma­lhas da jus­ti­ça. Os “es­cla­re­ci­men­tos” pa­ra sur­gi­men­to de tan­tos mi­li­o­ná­ri­os em tão es­cas­so tem­po des­de a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal é que se dis­pen­sam, tal co­mo os “ar­re­pen­di­men­tos” e “lá­gri­mas de cro­co­di­lo”

 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola