Jornal de Angola

Hos­pi­tal Ge­ral dos Ca­ju­ei­ros com bai­xo re­gis­to de ma­lá­ria

De Ja­nei­ro a Agos­to do cor­ren­te ano, o Hos­pi­tal Ge­ral dos Ca­ju­ei­ros, uni­da­de sa­ni­tá­ria de re­fe­rên­cia do II ní­vel, te­ve um re­gis­to de 11.155 do­en­tes com ma­lá­ria, uma re­du­ção de ca­sos com­pa­ra­ti­va­men­te ao mes­mo pe­río­do de 2019, em que fo­ram con­ta­bi­li­za­dos 10

- Fu­la Mar­tins Health · Medicine · Angola · Augustus · Américo Boavida

A re­du­ção no di­ag­nós­ti­co de do­en­ças no Hos­pi­tal Ge­ral dos Ca­ju­ei­ros, a prin­ci­pal uni­da­de de re­fe­rên­cia do mu­ni­cí­pio do Ca­zen­ga, não se cir­cuns­cre­veu aos pa­ci­en­tes aco­me­ti­dos de ma­lá­ria. Ain­da de Ja­nei­ro a Agos­to, a tu­ber­cu­lo­se e o HIV-Si­da, com 483 e 162 ca­sos re­gis­ta­dos, res­pec­ti­va­men­te, vi­ram, igual­men­te, re­du­zi­dos o nú­me­ro de pa­ci­en­tes aten­di­dos .

Se­bas­tião Te­cas, 74 anos, é par­te des­ta es­ta­tís­ti­ca. Re­si­den­te há dé­ca­das no Ca­zen­ga, o an­cião es­te­ve uma se­ma­na aos cui­da­dos da uni­da­de hos­pi­ta­lar pa­ra tra­tar de uma in­fec­ção pul­mo­nar e sin­to­mas de ma­lá­ria.

“Des­ta vez, foi o meu ir­mão que me trou­xe aqui pa­ra re­a­li­zar as con­sul­tas. Gos­tei do aten­di­men­to e es­pe­ro que con­ti­nu­em as­sim pa­ra o bem da po­pu­la­ção”, dis­se.

Se­bas­tião Te­cas con­si­de­ra que o hos­pi­tal dos Ca­ju­ei­ros tem aju­da­do a mi­ni­mi­zar os pro­ble­mas bá­si­cos de saú­de da po­pu­la­ção que, an­tes, pe­las mais di­ver­sas ra­zões, ti­nha de re­cor­rer aos hos­pi­tais Amé­ri­co Bo­a­vi­da, Jo­si­na Ma­chel, Pe­diá­tri­co e ou­tros fo­ra do mu­ni­cí­pio.

Os da­dos es­ta­tís­ti­cos apon­tam tam­bém que o ser­vi­ço de ma­ter­ni­da­de re­a­li­zou 6.169 par­tos, per­fa­zen­do uma mé­dia en­tre 25 a 30 par­tos por dia. Mãe pe­la pri­mei­ra vez, di­fe­ren­te dos re­la­tos que acos­tu­mou-se a ou­vir, Ro­sa Ema­nu­e­la, afir­mou não ter ti­do mo­ti­vos de quei­xas. Elo­gi­ou a equi­pa mé­di­ca que a acom­pa­nhou des­de o mo­men­to em que deu en­tra­da no hos­pi­tal até re­ce­ber al­ta, cin­co ho­ras de­pois do par­to, que de­cor­reu sem cons­tran­gi­men­tos, co­mo re­fe­riu a pró­pria.

Em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, o di­rec­tor ge­ral do Hos­pi­tal Ge­ral dos Ca­ju­ei­ros, Armando João, afir­mou que no pe­río­do em re­fe­rên­cia fo­ram as­sis­ti­dos nas ur­gên­ci­as cer­ca de 130 mil pa­ci­en­tes nas es­pe­ci­a­li­da­des de Me­di­ci­na, Pe­di­a­tria, Ci­rur­gia, Es­to­ma­tol­gia, Or­to­pe­dia, en­tre ou­tras.

Armando João in­cluiu o ser­vi­ço de Pe­di­a­tria en­tre os mais so­li­ci­ta­dos e apon­tou a ma­lá­ria, tu­ber­cu­lo­se, VIHSi­da, ane­mia, do­en­ças res­pi­ra­tó­ri­as e di­ar­rei­cas agu­das co­mo as do­en­ças que mais afec­tam os pa­ci­en­tes que pro­cu­ram as­sis­tên­cia mé­di­ca.

O ges­tor hos­pi­ta­lar aler­tou pa­ra o au­men­to de pa­ci­en­tes em bus­ca de as­sis­tên­cia nes­ta épo­ca do ano e con­si­de­rou que a ques­tão po­de ser acau­te­la­da se os do­en­tes com me­nor gra­vi­da­de fo­rem aten­di­dos a ní­vel dos cui­da­dos pri­má­ri­os nos cen­tros de saú­de.

No­va di­nâ­mi­ca no aten­di­men­to

Os pa­ci­en­tes que acor­rem ao Hos­pi­tal dos Ca­ju­ei­ros são mai­o­ri­ta­ri­a­men­te pro­ve­ni­en­tes dos dis­tri­tos ur­ba­nos do Ta­la-Ha­di, Ho­ji-yaHen­da, Ca­zen­ga, 11 de No­vem­bro, Ki­ma-Ki­e­za, Ca­lawen­da e dos mu­ni­cí­pi­os cir­cun­vi­zi­nhos do Ca­zen­ga, mui­tos dos quais ad­mi­tem me­lho­ri­as no aten­di­men­to, ape­sar das en­chen­tes que às ve­zes en­con­tram em al­guns ser­vi­ços. Jo­sé Ca­bi­la e San­ta Au­gus­to são du­as tes­te­mu­nhas da no­va di­nâ­mi­ca na Pe­di­a­tria.

“As cri­an­ças já não de­mo­ram tan­to tem­po pa­ra se­rem aten­di­das no ban­co de ur­gên­cia da pe­di­a­tria. Ape­nas há uma cer­ta len­ti­dão no la­bo­ra­tó­rio de aná­li­ses”, dis­se Jo­sé Ca­bi­la, en­quan­to aguar­da­va im­pa­ci­en­te pe­lo re­sul­ta­do do teste do so­bri­nho.

Vi­si­vel­men­te can­sa­da, San­ta Au­gus­to, por sua vez, con­tou que a fi­lha pas­sou a noi­te com fe­bre, do­res de bar­ri­ga e vó­mi­tos e, por is­so, de­ci­diu le­vá-la ao hos­pi­tal. Mo­ra­do­ra no bair­ro Se­te e Meio, San­ta Au­gus­to elo­gi­ou a tri­a­gem e a ce­le­ri­da­de no aces­so ao con­sul­tó­rio mé­di­co.

Lu­cré­cia Ma­nu­el tam­bém ma­ni­fes­tou pou­cos mo­ti­vos de re­cla­ma­ção. Por cul­pa de uma bron­cop­neu­mo­nia, te­ve o fi­lho in­ter­na­do du­ran­te cin­co di­as e fez ques­tão de elo­gi­ar as mu­dan­ças cons­ta­ta­das.

“Os me­di­ca­men­tos e as re­fei­ções fo­ram for­ne­ci­dos. Não com­prei na­da. Foi o me­lhor aten­di­men­to que ti­ve des­de que fre­quen­to o hos­pi­tal”, afir­mou.

Re­pro­va­do com­por­ta­men­to dos fa­mi­li­a­res

O di­rec­tor-ge­ral dos Ca­ju­ei­ros re­pro­va o com­por­ta­men­to dos fa­mi­li­a­res de pa­ci­en­tes que fi­cam aglo­me­ra­dos à vol­ta do hos­pi­tal, uma prá­ti­ca que tem si­do com­ba­ti­da há vá­ri­os anos pe­la di­rec­ção.

Além de con­si­de­rar tra­ta­se de um fe­nó­me­no an­ti­go, Armando João in­sis­tiu ser des­ne­ces­sá­ria a per­ma­nên­cia dos fa­mi­li­a­res jun­to aos hos­pi­tais, no pe­río­do noc­tur­no, uma vez que dis­põem dos mei­os ne­ces­sá­ri­os, des­de me­di­ca­men­tos e cui­da­dos pa­ra os pa­ci­en­tes, du­ran­te o seu in­ter­na­men­to na ins­ti­tui­ção até à al­ta.

“Não há ne­ces­si­da­de de aglo­me­ra­ção de fa­mi­li­a­res, por­que o hos­pi­tal dis­põe de me­di­ca­men­tos pa­ra os do­en­tes”, dis­se, Armando João, re­al­çan­do a ca­pa­ci­da­de pa­ra aco­lher os acom­pa­nhan­tes dos pa­ci­en­tes, mas ape­nas um por ca­da in­ter­na­do.

O ges­tor hos­pi­ta­lar pre­ci­sou que, além da me­di­ca­ção, os pa­ci­en­tes têm a ali­men­ta­ção as­se­gu­ra­da pe­lo re­fei­tó­rio, po­rém, não dis­pen­sam a co­mi­da que os fa­mi­li­a­res tra­zem de ca­sa, pois a mes­ma ser­ve pa­ra aten­der os pa­ci­en­tes que têm di­e­ta li­vre.

 ?? EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO DOMBELE BER­NAR­DO |EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO FU­LA MAR­TINS |EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO ??
EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO DOMBELE BER­NAR­DO |EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO FU­LA MAR­TINS |EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO
 ??  ?? Mi­lha­res de pa­ci­en­tes fo­ram aten­di­dos des­de o iní­cio do ano
Mi­lha­res de pa­ci­en­tes fo­ram aten­di­dos des­de o iní­cio do ano

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola