Jornal de Angola

CAR­TAS DOS LEITORES

- ES­CRE­VA-NOS Car­tas re­ce­bi­das na Rua Rai­nha Gin­ga, 12-26 Cai­xa Pos­tal 1312 - Lu­an­da ou por e-mail: es­cre­va­con­nos­coJA@gmail.com Mary J. Blige

As ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais e os pe­que­nos ne­gó­ci­os

Sou da opi­nião de que os ad­mi­nis­tra­do­res mu­ni­ci­pais de­vi­am ter uma pa­la­vra a di­zer no que res­pei­ta à si­tu­a­ção das mi­cro, pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas que exis­tem nas cir­cuns­cri­ções que di­ri­gem. Em prin­cí­pio, os ad­mi­nis­tra­do­res mu­ni­ci­pais co­nhe­cem me­lhor a re­a­li­da­de das áre­as que ad­mi­nis­tram, es­tan­do em me­lho­res con­di­ções pa­ra emi­ti­rem pa­re­ce­res so­bre o que se de­ve fa­zer em re­la­ção aos pro­ble­mas exis­ten­tes nas su­as cir­cuns­cri­ções. É ver­da­de que exis­tem pro­ble­mas co­muns a to­dos os mu­ni­cí­pi­os, mas acre­di­to que ha­ja si­tu­a­ções es­pe­cí­fi­cas a que va­le a pe­na dar um tra­ta­men­to que vá ao en­con­tro do que re­al­men­te as po­pu­la­ções de­se­jam. Sou da opi­nião de que as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais não de­vem es­tar à mar­gem des­te pro­ces­so de apoi­os às mi­cro, pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas. Já te­mos mu­ni­cí­pi­os com mi­lhões de ha­bi­tan­tes, pe­lo que im­por­ta que os seus ad­mi­nis­tra­do­res pos­sam tam­bém con­tri­buir com idei­as pa­ra re­sol­ver mui­tos dos pro­ble­mas de uni­da­des pro­du­ti­vas que exis­tem nas su­as cir­cuns­cri­ções, sem pre­juí­zo da ne­ces­sá­ria ce­le­ri­da­de dos pro­ces­sos de aju­da a em­pre­sá­ri­os que es­tão em gran­des di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras. Uma ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal, do meu pon­to de vis­ta, de­ve tra­tar tam­bém de inú­me­ros pro­ble­mas que de­cor­rem da fa­lên­cia de mui­tas em­pre­sas. A cri­se de­ve le­var-nos a con­ju­gar es­for­ços que es­te­jam di­rec­ci­o­na­dos pa­ra a re­so­lu­ção dos pro­ble­mas que te­mos nes­tes tem­pos de cri­se. E as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais de­vem ser par­te des­ses es­for­ços. ADELAIDE ZINGA Ta­la­to­na

Rei­ní­cio das au­las

Fal­tam pou­cos di­as pa­ra o rei­ni­cio das au­las e gos­ta­va, co­mo en­car­re­ga­do de edu­ca­ção de três fi­lhos me­no­res que es­tão em es­co­las pú­bli­cas, que as au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as me con­ven­ces­sem de que es­tão cri­a­das as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra evi­tar a pro­pa­ga­ção da Co­vid-19 nos es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no. Pen­so que é ne­ces­sá­rio que as pes­so­as sai­bam o que de fac­to se fez pa­ra pro­te­ger a vi­da das cri­an­ças (são mi­lha­res de cri­an­ças) nas es­co­las. Es­pe­ro que an­tes do rei­ní­cio das au­las as au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as mos­trem às pes­so­as por via da te­le­vi­são o que de fac­to vai acon­te­cer du­ran­te as au­las pre­sen­ci­ais, em ter­mos de me­di­das de bi­os­se­gu­ran­ça. Mui­tas per­gun­tas ain­da se fa­zem : há água cor­ren­te pa­ra a la­va­gem cons­tan­te das mãos ? Há pro­du­tos de hi­gi­e­ni­za­ção su­fi­ci­en­tes pa­ra aten­der a mi­lha­res de es­tu­dan­tes de es­co­las pú­bli­cas? As ca­sas de ba­nho de to­das as es­co­las pú­bli­cas do país es­tão em con­di­ções ? De­sa­fio as au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes a fil­ma­rem as con­di­ções ac­tu­ais das nos­sas es­co­las e as apre­sen­ta­rem aos ci­da­dãos. os ci­da­dãos têm o di­rei­to de sa­ber se as es­co­las pú­bli­cas já não são aque­las a que nos ha­bi­tu­a­ram a ver, sem ca­sas de ba­nho, sem água cor­ren­te, e com um nú­me­ro ele­va­do de alu­nos nu­ma mes­ma sa­la, con­tra­ri­a­men­te ao que acon­te­ce nou­tras par­tes do mun­do. Um sin­di­ca­to de pro­fes­so­res dis­se há cer­ca de um mês que não ha­via ain­da con­di­ções pa­ra o rei­ni­cio das au­las. Se­rá que es­tas con­di­ções já exis­tem? ALICE ARMANDO Bair­ro Cas­sen­da

 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola