EUA têm um quin­to dos óbi­tos do Mun­do

Des­de Janeiro, a mai­or eco­no­mia do mun­do te­ve uma es­tra­té­gia er­rá­ti­ca na con­ten­ção da pan­de­mia. Trump di­zia que es­ta­va tu­do sob con­tro­lo, que as más­ca­ras não eram ne­ces­sá­ri­as e que era urgente re­a­brir o país após as res­tri­ções im­pos­tas pe­los es­ta­dos

Jornal de Angola - - Destaque -

São mais de 200 mil mor­tos por Covid-19 em cer­ca de no­ve me­ses, o que re­pre­sen­ta mais de um quin­to do to­tal de óbi­tos a ní­vel glo­bal. Um nú­me­ro im­pres­si­o­nan­te, que foi atin­gi­do pe­los Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, o país on­de o no­vo co­ro­na­ví­rus mais in­fec­ções pro­vo­cou em ter­mos ab­so­lu­tos: per­to de se­te mi­lhões (6 860 484, se­gun­do o Ins­ti­tu­to Johns Hop­kins).

Em Mar­ço, Do­nald Trump dis­se que, se con­se­guis­se ter até 200 mil mor­tes no país, te­ria fei­to “um tra­ba­lho mui­to bom”. E ago­ra es­pe­ra uma va­ci­na pa­ra evi­tar um pi­or ce­ná­rio. Na se­ma­na pas­sa­da, a mé­dia do país ron­dou os 40 mil no­vos ca­sos e 750 mor­tes por dia, já abai­xo dos nú­me­ros as­sus­ta­do­res dos me­ses an­te­ri­o­res.

O to­tal de mor­tes é um da­do que apre­sen­ta di­fe­ren­ças con­so­an­te as fon­tes e as ac­tu­a­li­za­ções. O Ins­ti­tu­to Johns Hop­kins apon­ta que os EUA têm 200 005 mor­tes - às 17h00 de 21 de Se­tem­bro - en­quan­to o si­te World­me­ters já re­fe­re mais de 204 mil mor­tes. Se­guin­do o Johns Hop­kins, ve­ri­fi­ca­se que o to­tal de mor­tes no mun­do é de 965 893, o que tor­na os EUA um dos prin­ci­pais fo­cos glo­bais. Bra­sil, com 137 272, e Ín­dia, com 89 935 mor­tes, são os ou­tros paí­ses que se dis­tin­guem nes­ta trá­gi­ca con­ta­gem.

No­va Ior­que é o es­ta­do com o pi­or re­gis­to - 33 092 mor­tes - se­gui­do pe­la vi­zi­nha New Jer­sey (16 069). São am­bos es­ta­dos mui­to po­pu­lo­sos e que re­ce­bem mui­tos vi­a­jan­tes. De­pois de ins­ta­la­da, a epi­de­mia alas­trou e só em Agos­to co­me­çou a dar si­nais de es­tar em re­tro­ces­so.

A es­tra­té­gia de Trump tem si­do mui­to cri­ti­ca­da, por ter des­va­lo­ri­za­do o perigo, ga­ran­tin­do que es­ta­va tu­do sob con­tro­lo, que afec­ta­va os mais jo­vens e que não ha­via ris­co de mai­or pa­ra os ame­ri­ca­nos. Pe­lo meio, a Chi­na pas­sou de he­roí­na, por con­ter bem o ví­rus, a vi­lã e a OMS pa­gou: os EUA dei­xa­ram a or­ga­ni­za­ção da ONU, que acu­sam de ter fei­to uma má ges­tão e de es­tar con­di­ci­o­na­da pe­lo Go­ver­no chi­nês.

Trump ain­da te­ve tem­po pa­ra en­trar em po­lé­mi­ca com Anthony Fau­ci, o di­rec­tor do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Do­en­ças In­fec­ci­o­sas, que foi aler­tan­do sem­pre pa­ra o perigo e avi­sa­va que os EUA ar­ris­ca­vam a ter 100 mil ca­sos diá­ri­os e que en­tre 100 mil e 200 mil pes­so­as iri­am mor­rer, se não fos­sem to­ma­das me­di­das.

Foi lo­go no iní­cio de Janeiro que a Ad­mi­nis­tra­ção nor­te­a­me­ri­ca­na to­mou co­nhe­ci­men­to do no­vo ví­rus, sem que nes­sa al­tu­ra ain­da se co­nhe­ces­se a re­al di­men­são. O Cen­ters for Di­se­a­se Con­trol and Pre­ven­ti­on (CDC) te­rá in­for­ma­do o se­cre­tá­rio de Saú­de Alex Azar e, de acor­do com o The Washington Post, o Pre­si­den­te Do­nald Trump to­mou co­nhe­ci­men­to no dia 3 de Janeiro.

Du­ran­te as pri­mei­ras se­ma­nas de Janeiro, a in­for­ma­ção cir­cu­lou, com di­vul­ga­ção de dados pe­las au­to­ri­da­des chi­ne­sas e a con­fir­ma­ção pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), de que se tra­ta­va de um no­vo co­ro­na­ví­rus. Das dú­vi­das à cer­te­za foi mui­to rá­pi­do: era um ví­rus com trans­mis­são de hu­ma­no pa­ra hu­ma­no. Ha­via já o re­gis­to não ofi­ci­al de um ca­so em Ohio, em­bo­ra ago­ra no­vos es­tu­dos apon­tem que o SARS-CoV-2 já de­via cir­cu­lar em ter­ri­tó­rio nor­te-ame­ri­ca­no des­de De­zem­bro.

O con­tá­gio agra­vou-se na Chi­na e da­va si­nais de se es­pa­lhar pe­lo mun­do. Ofi­ci­al­men­te, o pri­mei­ro ca­so nos EUA sur­giu na ter­cei­ra se­ma­na de Janeiro, no es­ta­do de Washington. Di­as de­pois, no mes­mo es­ta­do, sur­giu no­va in­fec­ção, qua­se em si­mul­tâ­neo com ou­tro ca­so na Ca­li­fór­nia. Pe­lo meio, Do­nald Trump des­va­lo­ri­zou a ame­a­ça e pu­bli­ca­men­te elo­gi­a­va a for­ma co­mo o Go­ver­no chi­nês es­ta­va a li­dar com aqui­lo que iria tor­nar­se uma pan­de­mia.

“O ris­co é mui­to bai­xo”

De­pois da he­si­ta­ção ini­ci­al, a OMS já ti­nha avi­sa­do que a si­tu­a­ção era sé­ria e aler­ta­va que to­dos os paí­ses “de­vem es­tar pre­pa­ra­dos pa­ra a con­ten­ção, in­cluin­do a vi­gi­lân­cia ac­ti­va, de­tec­ção pre­co­ce, iso­la­men­to de ca­sos, ras­tre­a­men­to de con­tac­tos e pre­ven­ção da pro­pa­ga­ção da in­fec­ção”.

De acor­do com o jor­nal The New York Ti­mes, Trump foi aler­ta­do no fi­nal do mês de Janeiro pa­ra o perigo, quan­do já 15 paí­ses, além da Chi­na, re­gis­ta­vam ca­sos. E fo­ram to­ma­das as pri­mei­ras me­di­das com a im­po­si­ção de uma qua­ren­te­na de 14 di­as pa­ra os nor­te-ame­ri­ca­nos que re­gres­sas­sem da pro­vín­cia de Hu­bei. Além dis­so, era im­pos­ta a proi­bi­ção de en­tra­da a es­tran­gei­ros que ti­ves­sem es­ta­do na Chi­na nas úl­ti­mas se­ma­nas.

Pe­lo meio, o Pre­si­den­te dos EUA ga­ran­tia aos ci­da­dãos que es­ta­va tu­do sob con­tro­lo. “O ví­rus de que fa­la­mos, mui­ta gen­te pen­sa que de­sa­pa­re­ce em Abril com o ca­lor, quan­do o ca­lor che­ga. Nor­mal­men­te, is­so vai de­sa­pa­re­cer em Abril. Es­ta­mos em gran­de for­ma, no en­tan­to”, dis­se a 10 de Fe­ve­rei­ro.

Só em 11 de Mar­ço, Do­nald Trump ba­niu os vo­os da Eu­ro­pa e, à épo­ca, até foi cri­ti­ca­do por lí­de­res eu­ro­peus. Já era uma ten­ta­ti­va de travar a es­ca­la­da de in­fec­ções que du­ran­te o mês de Fe­ve­rei­ro foi ga­nhan­do for­ma em di­fe­ren­tes es­ta­dos dos EUA. A 24 de Fe­ve­rei­ro, Trump di­zia, no Twit­ter, que “o no­vo co­ro­na­ví­rus es­tá sob con­tro­lo nos EUA”, quan­do já ti­nha no­me­a­do o vi­ce-pre­si­den­te Mi­ke Pen­ce pa­ra co­or­de­nar a task for­ce do no­vo co­ro­na­ví­rus.

Com o Es­ta­do de Emer­gên­cia Na­ci­o­nal de­cla­ra­do e as res­tri­ções a se­rem fi­nal­men­te apli­ca­das pe­los es­ta­dos, o op­ti­mis­mo do Pre­si­den­te man­ti­nha-se. “O ris­co é mui­to bai­xo pa­ra a mai­o­ria dos ame­ri­ca­nos”, as­se­gu­ra­va Trump a meio de Mar­ço. No fi­nal des­se mês, já ti­nham si­do re­gis­ta­das mais de 164 mil in­fec­ções em so­lo ame­ri­ca­no e 3.170 mor­tes.

Em Abril, con­fir­ma­ram­se os si­nais do mês an­te­ri­or. O es­ta­do de No­va Ior­que tor­na­va-se o epi­cen­tro da pan­de­mia com mais de 180 mil ca­sos a 12 de Abril. Trump ini­ci­a­va o que vi­ria a tor­nar-se a es­tra­té­gia po­lí­ti­ca: ata­car a OMS por “não ter ge­ri­do bem a pan­de­mia” e cul­par a Chi­na. O “ví­rus da Chi­na” tor­nou­se lin­gua­gem ha­bi­tu­al nos res­pon­sá­veis da ad­mi­nis­tra­ção Trump.

Com as res­tri­ções a se­rem apli­ca­das pe­los es­ta­dos, à se­me­lhan­ça do que acon­te­cia na Eu­ro­pa, Do­nald Trump es­te­ve sem­pre mais pre­o­cu­pa­do com a re­to­ma da eco­no­mia, com o de­sem­pre­go a cres­cer co­mo nun­ca nos EUA.

“Te­mos de vol­tar ao tra­ba­lho mui­to mais ce­do do que as pes­so­as pen­sam”, di­zia em Abril. Os seus pla­nos eram re­a­brir tu­do no fi­nal des­se mês, mas con­tou com opo­si­ção de mui­tos go­ver­na­do­res e da re­a­li­da­de dos nú­me­ros. Os EUA ti­nham no fi­nal de Abril qua­se 61 mil mor­tos e mais de um mi­lhão de ca­sos con­fir­ma­dos. Em Maio, eram já 103 781 as mor­tes e 1,7 mi­lhões de ca­sos.

Avi­sos em Janeiro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.