CAR­TAS DOS LEI­TO­RES

Jornal de Angola - - Opinião -

Li­vre co­mér­cio

O li­vre co­mér­cio re­gi­o­nal po­de ser uma das saí­das pa­ra o en­ri­que­ci­men­to dos nos­sos pro­du­to­res em to­dos os pon­tos do país. É so­bre o co­mér­cio que es­cre­vo ho­je, es­ta mo­des­ta car­ta, pa­ra en­fa­ti­zar a ne­ces­si­da­de de o nos­so país ade­rir já à cha­ma­da Zo­na de Li­vre Co­mér­cio da SADC e, num fu­tu­ro bre­ve, de Áfri­ca. Ao ní­vel da re­gião em que Angola se in­se­re, a pers­pec­ti­va de o co­mér­cio além fron­tei­ras le­var os nos­sos pro­du­to­res a di­ver­si­fi­ca­rem os seus mer­ca­dos cons­ti­tui uma fe­liz opor­tu­ni­da­de e um ga­nho mui­to gran­de da sub-re­gião. Co­mo ale­gam al­gu­mas te­o­ri­as de de­sen­vol­vi­men­to, o co­mér­cio é cla­ra­men­te a va­riá­vel de­ter­mi­nan­te na cons­tru­ção e en­gran­de­ci­men­to dos po­vos em to­do o mun­do. Não cons­ti­tui se­gre­do pa­ra nin­guém que de­ter­mi­na­dos pro­du­tos aca­bam por sa­tu­rar o nos­so mer­ca­do in­ter­no, co­mo por exem­plo o sal, o pei­xe se­co, além de nu­me­ro­sos pro­du­tos agrí­co­las. Ur­ge a cri­a­ção de es­tra­té­gi­as pa­ra que os acor­dos mul­ti­la­te­rais ou bi­la­te­rais no sen­ti­do da li­be­ra­li­za­ção das tro­cas en­tre os Es­ta­dos se tor­nem uma re­a­li­da­de. Em Áfri­ca, la­men­ta­vel­men­te as re­la­ções po­lí­ti­cas e eco­nó­mi­cas, no pa­pel pas­sa­do, en­tre os Es­ta­dos são uma re­a­li­da­de tan­gí­vel que es­tão mui­to aquém dos la­ços co­mer­ci­ais. Há uma gran­de des­pro­por­ção en­tre os la­ços po­lí­ti­cos e os vín­cu­los co­mer­ci­ais en­tre os Es­ta­dos, re­a­li­da­de que ne­ces­si­ta de mu­dar pa­ra bem das eco­no­mi­as na­ci­o­nais afri­ca­nas. Pa­ra ter­mi­nar, en­de­re­ço pa­la­vras de en­co­ra­ja­men­to às en­ti­da­des an­go­la­nas no sen­ti­do de ade­ri­rem já aos es­pa­ços em que ha­ja o li­vre exer­cí­cio do co­mér­cio por­que, co­mo se po­de ver, tem-se mais a per­der fi­can­do de fo­ra do que a ga­nhar lá es­tan­do. AFRI­CA­NO SIL­VA Sam­bi­zan­ga

Pro­tec­ção da cri­an­ça

Se­gun­do­es­ta­tís­ti­cas­da­sins­ti­tui­ções in­ter­na­ci­o­nais, Áfri­ca con­ti­nua a ser dos pi­o­res lu­ga­res do mun­do pa­ra ser-se cri­an­ça, um fac­to pre­o­cu­pan­te e que, ao mes­mo tem­po, apon­ta pa­ra de­sa­fi­os mo­nu­men­tais. Vi­ve­mos num con­ti­nen­te em que as con­di­ções em que cres­cem nu­me­ro­sas cri­an­ças con­ti­nu­am a ser das mais di­fí­ceis e que di­fi­cul­tam o pro­ces­so de so­ci­a­li­za­ção dos mais no­vos. Em to­do o ca­so, na re­a­li­da­de an­go­la­na con­ti­nu­a­mos a vi­ven­ci­ar ca­sos que me­re­cem, ca­da vez mais, in­ter­ven­ção e po­si­ci­o­na­men­to das en­ti­da­des com­pe­ten­tes pa­ra a de­fe­sa das cri­an­ças. É ver­da­de que já foi pi­or, no pas­sa­do re­cen­te, e que ho­je con­cor­rem, pa­ra a de­fe­sa dos di­rei­tos­das­cri­an­ças,va­ri­a­do­sac­to­res e, de uma ma­nei­ra ge­ral, to­da a so­ci­e­da­de. A pu­bli­ci­ta­ção do nú­me­ro de emer­gên­cia 15015 do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de De­fe­sa da Cri­an­ça (INAC) cons­ti­tui um avan­ço sig­ni­fi­ca­ti­vo na me­di­da em que co­me­ça­mos a tri­lhar uma no­va eta­pa, quan­do se tra­ta da de­fe­sa dos di­rei­tos das cri­an­ças. Fru­to da ten­dên­cia pa­ra a rá­pi­da me­di­a­ti­za­ção dos ca­sos que en­vol­vam vi­o­lên­cia con­tra os me­no­res, to­da a so­ci­e­da­de es­tá a ser sen­si­bi­li­za­da no sen­ti­do de ser pro­tec­to­ra das cri­an­ças. Se num pas­sa­do re­cen­te ca­bi­am às ins­ti­tui­ções do Es­ta­do exer­cer ad­vo­ca­cia a fa­vor dos mais no­vos, ho­je ca­da um de nós é cha­ma­do a de­fen­der os di­rei­tos das cri­an­ças. E ao as­sim pro­ce­der­mos es­ta­re­mos ape­nas a con­tri­buir pa­ra as­se­gu­rar a ter­cei­ra ida­de mais tran­qui­la, com adul­tos que fo­ram­cri­an­ças­mui­to­bem­tra­ta­das. LAUREANA SAN­TOS Vi­la Ali­ce

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.