A pro­pó­si­to do edi­fí­cio do Mu­seu Na­ci­o­nal de Es­cra­va­tu­ra

Jornal de Angola - - Opinião -

Na se­ma­na pas­sa­da, co­me­çou a cir­cu­lar com gran­de re­per­cus­são nas re­des so­ci­ais um tex­to re­la­ci­o­na­do com o edi­fí­cio que al­ber­ga o Mu­seu Na­ci­o­nal de Es­cra­va­tu­ra, ques­ti­o­nan­do vá­ri­os as­pec­tos da sua his­tó­ria, no­me­a­da­men­te a da­ta da sua cons­tru­ção, os seus pro­pri­e­tá­ri­os e o seu uso ao lon­go dos tem­pos. En­quan­to pes­so­as en­vol­vi­das na área de His­tó­ria, par­ti­cu­lar­men­te de His­tó­ria de Angola, nos ale­gra­mos que ela es­te­ja no quo­ti­di­a­no da nos­sa so­ci­e­da­de, se­ja al­vo de aná­li­se e de dis­cus­são. No en­tan­to, de­ve­mos ter em con­ta que a His­tó­ria é ci­ên­cia e há pres­su­pos­tos que não po­de­mos per­der de vis­ta: mé­to­do, ob­jec­ti­vi­da­de e ri­gor ci­en­tí­fi­co.

Ten­do co­mo ba­se os pres­su­pos­tos aci­ma in­di­ca­dos, eis a nos­sa aná­li­se:

- So­bre a au­to­ria e au­sên­cia de fon­tes: No tex­to re­fe­ren­ci­a­do, não se co­nhe­ce a au­to­ria, nem mes­mo sob pseu­dó­ni­mo, fac­to que des­de já levanta sus­pei­tas so­bre a sua cre­di­bi­li­da­de. En­ten­de­mos que em qu­al­quer área ci­en­tí­fi­ca, quan­do apre­sen­ta­mos uma te­se, quer se­ja pa­ra for­mu­lar um no­vo pos­tu­la­do quer se­ja pa­ra con­tra­ri­ar um ve­lho pos­tu­la­do, o ano­ni­ma­to é des­de lo­go um ele­men­to que à par­ti­da co­lo­ca em cau­sa os ar­gu­men­tos apre­sen­ta­dos, pois de­ve­mos es­tar dis­po­ní­veis pa­ra cla­ri­fi­car quais­quer ques­ti­o­na­men­tos que pos­sa sus­ci­tar. Ou­tro ele­men­to em des­fa­vor do tex­to é a au­sên­cia de fon­tes. Ne­nhu­ma das afir­ma­ções apre­sen­ta­das é sus­ten­ta­da por qu­al­quer in­di­ca­ção de fon­tes pri­má­ri­as ou se­cun­dá­ri­as (ma­te­ri­ais, orais ou es­cri­tas), não ha­ven­do se­quer uma úni­ca re­fe­rên­cia bi­bli­o­grá­fi­ca. Ora, is­so é inad­mis­sí­vel em His­tó­ria, on­de a au­sên­cia de fon­tes pa­ra de­fen­der e jus­ti­fi­car uma de­ter­mi­na­da po­si­ção, equi­va­le a di­zer que um me­di­ca­men­to é efi­caz quan­do sem nun­ca ter si­do ex­pe­ri­men­ta­do. Qu­al­quer his­to­ri­a­dor ou qu­al­quer pes­soa in­te­res­sa­da em es­tu­dar o pas­sa­do hu­ma­no sa­be dis­so. A au­sên­cia des­se pres­su­pos­to bá­si­co, co­lo­ca por ter­ra to­das as afir­ma­ções aqui avan­ça­das e per­mi­ti-nos ques­ti­o­nar o ní­vel de do­mí­nio da me­to­do­lo­gia de in­ves­ti­ga­ção his­tó­ri­ca do au­tor do tex­to. A His­tó­ria faz-se com do­cu­men­tos, qua­quer se­ja a sua na­tu­re­za, tal co­mo nos in­di­ca Lu­ci­en Feb­vre, um dos ros­tos mais vi­sí­veis da Éco­le des An­na­les, na sua obra clás­si­ca Com­bats pour l’His­toi­re.

- So­bre a ca­sa e o seu pro­pri­e­tá­rio: O au­tor afir­ma que a ca­sa foi cons­truí­da no fi­nal do sé­cu­lo XIX pe­la fa­mí­lia Gomes mas sem apre­sen­tar qu­al­quer pro­va. Con­tu­do es­sa afir­ma­ção não cor­res­pon­de a ver­da­de, pois não se co­nhe­ce qu­al­quer evi­dên­cia a res­pei­to des­ses dados. A Ca­sa (Ca­pe­la) do Mor­ro da Cruz (co­mo ela é co­nhe­ci­da a ca­sa) foi cons­truí­da no sé­cu­lo XVIII e era pro­pri­e­da­de de Ál­va­ro Matô­zo de Carvalho, tal co­mo se po­de ve­ri­fi­car no bra­são ne­la in­se­ri­da, cu­ja ins­cri­ção diz: “AL­VA­RO D. CARVALHO MATTOZO CA­VA­LEI­RO PROFESSO NA OR­DEM DE CHRISTO NO ANNO DE 1787”.

No seu ar­ti­go “Es­tu­do ge­ne­a­ló­gi­co da fa­mí­lia Matô­zo de An­dra­de e Câ­ma­ra (in Bo­le­tim Cul­tu­ral da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Lu­an­da, nº 32, Jul-Ago-Set., 1971, pp. 518), Carlos Alberto Lo­pes Car­do­so ex­pli­ca-nos que a fa­mí­lia Matô­zo, ins­ta­lou-se em Angola, vin­da de Por­tu­gal, no iní­cio do sé­cu­lo XVIII, com Pedro Matô­zo d’An­dra­de, mi­li­tar que ocu­pou o pos­to de ca­pi­tão­mor nos pre­sí­di­os de Am­ba­ca, Mu­xi­ma e Mas­san­ga­no, e mor­reu em 1768. Seu filho, Ál­va­ro de Carvalho Matô­zo, nas­ci­do em Lu­an­da, tam­bém fez car­rei­ra mi­li­tar, “foi au­to­ri­za­do a co­lo­car na fa­cha­da da Ca­sa (Ca­pe­la) do Mor­ro da Cruz o seu Bra­são de Ar­mas ‘com uma ins­cri­ção do seu no­me, em me­mó­ria, pa­ra pre­ser­var nos des­cen­den­tes da sua fa­mí­lia e fu­tu­ros se­nho­res da­que­la fa­zen­da, o mes­mo es­pí­ri­to de de­vo­ta­ção com ele a edi­fi­cou’. Fi­ca cla­ro quem era o do­no da pro­pri­e­da­de, que ti­nha a fun­ção de fa­zen­da. Pa­ra que não ha­ja dú­vi­da de que o bra­são cor­res­pon­de re­al­men­te a um tí­tu­lo exis­ten­te, os “Au­tos de Jus­ti­fi­ca­ção de No­bre­za” po­dem ser con­sul­ta­dos na do­cu­men­ta­ção exis­ten­te no Arquivo Na­ci­o­nal Tor­re do Tom­bo (https://di­gi­tarq.ar­qui­vos.pt).

O es­tu­di­o­so ex­pli­ca-nos ain­da que a ca­sa sub­sis­tiu ao tem­po, por con­ta das obras de con­ser­va­ção e res­tau­ro, que fo­ram ten­do lu­gar, e que a es­ca­da­ria não faz par­te da plan­ta ori­gi­nal. Na pri­mei­ra me­ta­de do sé­cu­lo XIX, as pro­pri­e­da­des da fa­mí­lia Matô­zo es­ten­di­am-se ao lon­go do li­to­ral Sul e no cen­tro de Lu­an­da, des­ta­can­do-se a Fá­bri­ca de cal e ti­jo­los do Ca­bo­lom­bo, cu­jas ruí­nas ain­da são ví­si­veis até ho­je, e a Ilha da Ca­zan­ga.

Na se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo XIX, um con­jun­to de fac­to­res cau­sa­ram a de­ca­dên­cia da fa­mí­lia Matô­zo, sen­do uma das con­sequên­ci­as, a ven­da de vá­ri­as pro­pri­e­da­des. Um exem­plo dis­so, é um anún­cio no Bo­le­tim Ofi­ci­al de 2 de Ju­lho de 1853, em que se lê:

“DEN­TRO DE 20 DI­AS ANDARÃO EM PRA­ÇA NOS DI­AS 4, 11, e 18 do cor­ren­te mez, e se ha­de ven­der no ul­ti­mo dia aci­ma de­sig­na­do, as ca­zas de so­bra­do com bons com­mo­dos, si­tos na rua Ave­li­no Di­as, e per­ten­cem á or­fãa, fi­lha do fa­le­ci­do In­no­cen­cio Mattozo de An­dra­de Ca­ma­ra, e nas mes­mas pra­ças se hão de ven­der o ga­do vac­cum do mes­mo ca­sal.”

Por is­so, é pos­sí­vel (não te­mos evi­dên­ci­as des­se fac­to) que em al­gum mo­men­to a Ca­sa (Ca­pe­la) do Mor­ro da Cruz pos­sa ter per­ten­ci­do à fa­mí­lia Gomes por via da com­pra da pro­pri­e­da­de, mas es­tá cla­ro que não foi ela quem edi­fi­cou a ca­sa.

- So­bre o trá­fi­co de es­cra­vos na zo­na Sul de Lu­an­da: Foi ques­ti­o­na­do tam­bém a exis­tên­cia do trá­fi­co de es­cra­vos e de es­cra­va­tu­ra na­que­la zo­na sob o pre­tex­to de que as con­di­ções de na­ve­ga­ção eram des­fa­vo­rá­veis. Es­sa in­for­ma­ção tam­bém é in­cor­rec­ta.

A par­tir de 10 de De­zem­bro de 1836, pe­lo De­cre­to de Sá da Ban­dei­ra, pas­sou a ser proi­bi­do o trá­fi­co de es­cra­vos nas co­ló­ni­as por­tu­gue­sas. No ar­ti­go de Carlos Alberto Lo­pes Car­do­so que aci­ma fi­ze­mos re­fe­rên­cia, ele re­por­ta que em De­zem­bro de 1846, Jo­sé Ma­ria Matô­zo de An­dra­de Câ­ma­ra e o seu só­cio Au­gus­to Gu­e­des Gar­ri­do, fo­ram acu­sa­dos de en­vol­vi­men­to no trá­fi­co ile­gal de es­cra­vos, sen­do que os mes­mos fo­ram em­bar­ca­dos na Fá­bri­ca do Ca­bo­lom­bo (per­ten­ça do pri­mei­ro), lo­ca­li­za­do en­tre 7-8 km an­tes da Ca­sa (Ca­pe­la) do Mor­ro da Cruz no sen­ti­do Lu­an­da-Bar­ra do Kwan­za. Por de­ci­são do Go­ver­na­dor Ge­ral de Angola, Pedro Ale­xan­dri­no da Cunha, foi man­da­do ins­tau­rar um inqué­ri­to pa­ra ave­ri­guar a de­nún­cia. Um ca­bin­da e dois axi­lu­an­das que fo­ram tra­zi­dos do Bra­sil, tes­te­mu­nha­ram con­tra os dois ne­grei­ros, ra­zão da res­pec­ti­va con­de­na­ção e con­se­quen­te exo­ne­ra­ção da Co­mis­são Ad­mi­nis­tra­ti­va da Ca­za da Mi­zer­cór­dia de Lo­an­da. Num ou­tro tex­to do mes­mo au­tor, “Acha­do ar­que­o­ló­gi­co na fai­xa cos­tei­ra a Sul de Lu­an­da” (in Bo­le­tim Cul­tu­ral da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Lu­an­da, nº 34, Jan-Fev-Mar., 1972, pp. 29-33), on­de abor­da a ques­tão dos nú­cle­os po­pu­la­ci­o­nais lo­ca­li­za­dos nes­sa zo­na des­de o sé­cu­lo XVIII, ele afir­ma cla­ra­men­te, que pa­ra além dos pro­pri­e­tá­ri­os das fa­zen­das, exis­ti­am ne­les “po­pu­la­ção li­vre, for­ra e es­cra­va”. Is­to é, fi­ca cla­ro que nes­sas fa­zen­das, en­tre elas a da Ca­sa (Ca­pe­la) do Mor­ro da Cruz e a do Ca­bo­lom­bo, ha­via tra­ba­lho es­cra­vo.

Pa­ra evi­den­ci­ar me­lhor a re­la­ção que exis­te en­tre a Ca­sa (Ca­pe­la) do Mor­ro da Cruz e o trá­fi­co de es­cra­vos re­cor­re­mos à do­cu­men­ta­ção exis­ten­te no Arquivo Na­ci­o­nal de Angola re­fe­ren­te à Co­mis­são Mis­ta Lu­soB­ri­tâ­ni­ca cri­a­da a luz do Tra­ta­do en­tre a Grã-Bre­ta­nha e Por­tu­gal so­bre o Trá­fi­co de Es­cra­vos de 3 de Ju­lho de 1842. Vi­san­do o cum­pri­men­to das su­as atri­bui­ções fis­ca­li­za­do­ras, foi cri­a­do o Tri­bu­nal de Jul­ga­men­to de Pre­sas por Trá­fi­co de Es­cra­va­tu­ra por De­cre­to de 14 de Se­tem­bro de 1844.

Nes­sa do­cu­men­ta­ção exis­tem evi­dên­ci­as va­ri­a­das so­bre o trá­fi­co ile­gal na­que­la zo­na de Lu­an­da, im­pli­can­do con­cre­ta­men­te a Co­rim­ba, a Ilha da Ca­zan­ga, a Ilha do Mus­su­lo, o Si­tio do Bu­ra­co, o Ca­bo­lom­bo e a Ca­sa (Ca­pe­la) do Mor­ro da Cruz. Eis al­guns ex­trac­tos dos Acor­dãos do re­fe­ri­do Tri­bu­nal:

- “(…) Em de­fe­sa de­du­zi­rão os re­cla­man­tes Ma­nu­el Jo­a­quim da Ga­ma, e João Ma­ria de Oli­vei­ra Pinto: o pri­mei­ro que era sua pro­pri­e­da­de os no­ven­ta e cin­co es­cra­vos, e Lan­chas, que os con­du­zião os qua­es, quin­ze di­as an­tes da to­ma­dia, el­le ti­nha man­da­do pa­ra a Ilha da Ca­zan­ga a fim de apa­nha­rem Ma­ban­ga pa­ra hum for­no de cal; e que por con­ven­ção com o se­gun­do re­cla­man­te fo­rão as mes­mas Lan­chas e es­cra­vos ao si­tio do Mor­ro da Cruz, on­de fo­rão to­ma­dos, pa­ra es­tes car­re­ga­rem por ter­ra, de Ben­fi­ca aon­de não po­dião ir as Lan­chas, ao si­tio do Mor­ro a le­nha que ali era e de­via ser trans­por­ta­da nas lan­chas pa­ra a Ilha do Mos­sul, pa­ra co­zer hu­ma for­na­da de Cal.” (Re­gis­to de Acor­dão de 15 de Fe­ve­rei­ro de 1845 que con­dem­nou co­mo bo­as pre­zas 1 Ta­la­vei­ra e 7 Lan­chas). (In Re­vis­ta Fon­tes & Es­tu­dos, nº 3, Lu­an­da, AHN, No­vem­bro de 1996, pp. 114-116);

- “(…) E aten­den­do a que os es­cra­vos, sen­do em­bar­ca­dos na di­ta lan­cha por or­dem de um cer­to Cons­tan­ti­no, que mo­ra nes­ta ci­da­de nas vi­zi­nhan­ças da Qui­tan­da dos Re­mé­di­os, em ca­sa con­tí­gua a praia, e pró­xi­ma ás de um Pa­che­co e de um Fer­ra­dor, com o fim de ser le­va­dos ao Am­briz, em nu­me­ro de onze, ou qual em ver­da­de e mais exac­tos fos­se, fo­rão, em ac­to con­ti­nuo e su­ces­si­vos á ca­ça, ar­re­mes­sa­dos ao mar, d’on­de o Cru­za­dor apa­nhou qu­a­tro, dos qua­es só três se sal­va­rão com vi­da, cu­jos no­mes são – Jo­sé de Cas­san­ge, ida­de – pro­vá­vel do­ze an­nos – […] Jo­sé de Ngol­la, ida­de – pro­vá­vel – de tre­ze an­nos – […] de Ngol­la, ida­de – pro­vá­vel dez an­nos co­mo da de­cla­ra­ção e de­poi­men­tos de F, 6,7,8, 9, 10, 11, e 12 – E co­mo os fac­tos de ter a com­pa­nha da lan­cha pre­sa pro­cu­ra­do evi­tar a to­do o tran­ce o re­gis­to do Cru­za­dor, a que aliás se pres­ta­ria fá­cil, se na­ve­gas­se em vi­a­gem lí­ci­ta – de ter ali­ja­do ao mar os es­cra­vos, co­me­ten­do as­sim tão re­pug­nan­te e hor­ro­ro­so as­sas­sí­nio em tan­tas cre­a­tu­ras (…)” (In Re­vis­ta Fon­tes & Es­tu­dos, nº 4-5, Lu­an­da, AHN, 1998-1999, pp. 57-58).

A to­po­ní­mia re­fe­ren­ci­a­da nes­ses ex­trac­tos não dei­xam dú­vi­das que na zo­na Sul de Lu­an­da, in­cluin­do na área da Ca­sa (Ca­pe­la) do Mor­ro da Cruz sai­ram es­cra­vos, sen­do que de­pois da proi­bi­çáo em 1836, era um dos fo­cos da ac­ti­vi­da­de ilí­ci­ta em Angola. O ar­gu­men­to de fal­ta de con­di­ções de na­ve­ga­bi­li­da­de tam­bém é des­men­ti­do, pois, os tra­fi­can­tes usa­vam as lan­chas pa­ra trans­por­tar os es­cra­vos da ter­ra pa­ra os na­vi­os ne­grei­ros que es­ta­vam fun­de­a­dos a pou­cas mi­lhas de dis­tân­cia.

Por ou­tro la­do, é im­por­tan­te re­ter o fac­to de que a con­ti­nui­da­de da prá­ti­ca do ne­gó­cio ne­fas­to, não obs­tan­te a fis­ca­li­za­ção dos Cor­sá­ri­os da Co­mis­são Mis­ta Lu­soB­ri­tâ­ni­ca, te­ve con­sequên­ci­as ne­fas­tas pa­ra a po­pu­la­ção es­cra­va em­bar­ca­da nes­ses na­vi­os. Vá­ri­os re­gis­tos nos Acor­dãos do Tri­bu­nal pa­ra o jul­ga­men­to de pre­sas pe­lo Trá­fi­co de es­cra­vos, dão con­ta de que uma das prá­ti­cas dos ne­grei­ros pa­ra se li­vra­rem da cul­pa quan­do eram apanhados em fla­gran­te de­li­to, era a fu­ga e o con­se­quen­te afun­da­men­to das em­bar­ca­ções, lan­çan­do sel­va­ti­ca­men­te os es­cra­vos ao mar.

A pros­se­guir-se no fu­tu­ro a ar­que­o­lo­gia su­baquá­ti­ca, na­que­le lu­gar, a jul­gar pe­lo nú­me­ro de ca­sos que os do­cu­men­tos re­por­tam, se­gu­ra­men­te se en­con­tra­rão mais ves­tí­gi­os de es­co­ti­lhas, gar­ga­lhei­ras, al­ge­mas, cal­dei­ras, o que tes­te­mu­nha a ili­ci­tu­de dos na­vi­os ne­grei­ros que caí­ram nas ma­lhas da fis­ca­li­za­ção lu­so-bri­tâ­ni­ca.

- So­bre o Mu­seu Na­ci­o­nal da Es­cra­va­tu­ra: O edi­fí­cio que al­ber­ga ho­je o Mu­seu Na­ci­o­nal da Es­cra­va­tu­ra, inau­gu­ra­do em 7 de De­zem­bro de 1977, foi es­co­lhi­do pe­la sua re­la­ção com a his­tó­ria do trá­fi­co de es­cra­vos na zo­na Sul de Lu­an­da. Os ele­men­tos des­cri­tos nos pon­tos aci­ma con­fir­mam es­sa re­la­ção. Al­gu­ma das pe­ças ori­gi­nais que com­põem o seu acer­vo, são acha­dos ar­que­o­ló­gi­cos de pes­qui­sas fei­tas na zo­na em cau­sa e nou­tras pró­xi­mas. En­ten­de­mos, que vir afir­mar que a Ca­sa (Ca­pe­la) do Mor­ro da Cruz não tem na­da a ver com a es­cra­va­tu­ra, não é ape­nas uma afir­ma­ção fal­sa, é uma afron­ta à me­mó­ria dos mi­lhões de afri­ca­nos que fo­ram ví­ti­mas des­sa bar­bá­rie. O Mu­seu Na­ci­o­nal da Es­cra­va­tu­ra foi cri­a­do co­mo um lu­gar de me­mó­ria e de re­co­nhe­ci­men­to des­ses mi­lhões de se­res a quem lhes foi rou­ba­do a con­di­ção de hu­ma­nos e fo­ram es­cra­vi­za­dos e mer­can­ti­li­za­dos. Es­se com­pro­mis­so de hon­rar a me­mó­ria des­ses ho­mens, tem si­do as­su­mi­do por mi­lha­res de pes­so­as que anu­al­men­te vi­si­tam aque­le lu­gar. Não de­ve­mos acei­tar que a his­tó­ria da­que­le edi­fí­cio se­ja bran­que­a­da, sob pe­na das fu­tu­ras ge­ra­ções mi­ni­mi­za­rem um te­ma tão im­por­tan­te pa­ra a hu­ma­ni­da­de, cu­jos efei­tos ain­da são vi­sí­veis nos nos­sos di­as a jul­gar pe­los vá­ri­os acon­te­ci­men­tos a ní­vel mun­di­al: ra­cis­mo, xe­no­fo­bia, in­to­le­rân­cia, idei­as de su­pre­ma­cia, etc.

É pos­sí­vel ve­ri­fi­car, que as fon­tes pri­má­ri­as e se­cun­dá­ri­as que aqui apre­sen­ta­mos pa­ra sus­ten­tar­mos as nos­sas po­si­ções e que são aque­las que fo­ram usa­das co­mo ba­se pa­ra a es­co­lha da­que­le lu­gar, cor­res­pon­dem ao pe­río­do an­te­ri­or à in­de­pen­dên­cia, ou se­ja, em ple­no con­tex­to co­lo­ni­al. por is­so, é fal­so di­zer que foi usa­do so­men­te o cri­té­rio po­lí­ti­co. É bom que a so­ci­e­da­de se in­te­res­se pe­las ques­tões da nos­sa His­tó­ria, cri­an­do des­sa for­ma mais in­cen­ti­vo pa­ra no­vas pes­qui­sas e no­vas abor­da­gens. Mas es­sa abor­da­gem de­ve­rá ser fei­ta ba­se­a­da em cri­té­ri­os ci­en­tí­fi­cos e não ou­tros, cu­jos pro­pó­si­tos des­co­nhe­ce­mos.

Con­clu­são:

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.