43,3% dos co­mer­ci­an­tes não fa­zem pou­pan­ça

Os mer­ca­dos do 30 e 1.º de Agos­to vul­go “Ca­tin­ton” são os que têm uma ta­xa me­nor de ban­ca­ri­za­ção

Jornal de Angola - - Economia - Ma­teus Ca­vum­bo

dos co­mer­ci­an­tes de Lu­an­da, con­fi­na­dos nos prin­ci­pais mer­ca­dos, não faz pou­pan­ça, es­tan­do a ta­xa cal­cu­la­da em 43,3 por cen­to, ou se­ja, 56,7 por cen­to dos co­mer­ci­an­tes fa­zem pou­pan­ça, mas ape­nas 25,9 por cen­to poupam pa­ra a re­for­ma.

Os dados cons­tam de inqué­ri­tos preliminar­es so­bre “di­ag­nós­ti­cos de in­clu­são fi­nan­cei­ra nos mer­ca­dos in­for­mais de Lu­an­da”, re­a­li­za­dos pe­lo Con­se­lho Na­ci­o­nal de Es­ta­bi­li­da­de Fi­nan­cei­ra (CNEF), em par­ce­ria com o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de De­fe­sa do Con­su­mi­dor (INADEC), da Agên­cia An­go­la­na de Re­gu­la­ção e Su­per­vi­são de Se­gu­ros (ARSEG), do Ban­co Na­ci­o­nal de Angola (BNA) e da Co­mis­são do Mer­ca­do de Ca­pi­tais (CMC).

A pu­bli­ca­ção do re­la­tó­rio fi­nal es­tá pre­vis­ta pa­ra o mês de Ou­tu­bro e o do­cu­men­to se­rá dis­po­ni­bi­li­za­do ao pú­bli­co atra­vés do web­si­te do CNEF.

Da in­for­ma­ção co­lhi­da pe­lo Jor­nal de Angola, in­di­ca que os co­mer­ci­an­tes que não poupam pa­ra a re­for­ma pen­sam em sus­ten­tar, fa­zen­do re­ser­vas fi­nan­cei­ras pa­ra os fi­lhos (28,8 por cen­to), fa­mí­lia alar­ga­da (17,6 por cen­to) e tra­ba­lho (9,6 por cen­to).

Ban­ca­ri­za­ção

A ta­xa cons­ta­ta­da é de 36,7 por cen­to, es­tan­do os mer­ca­dos com a ta­xa de ban­ca­ri­za­ção mais ele­va­da o Ki­ko­lo 2 e os Con­go­len­ses, com 62,4 e 57,5 por cen­to, res­pec­ti­va­men­te.

Os mer­ca­dos on­de mais co­mer­ci­an­tes es­tão ex­cluí­dos do sis­te­ma ban­cá­rio são o do 30, com uma ta­xa de ban­ca­ri­za­ção de 24,1 por cen­to e o do 1.º de Agos­to (Ca­tin­ton) com 22,7 por cen­to de ban­ca­ri­za­dos.

“Qu­an­to mai­or é o grau de es­co­la­ri­da­de, mais ele­va­da é a ta­xa de ban­ca­ri­za­ção”,diz um dos inqué­ri­tos que avan­ça pa­ra 69 por cen­to dos co­mer­ci­an­tes não ban­ca­ri­za­dos gos­ta­ri­am de ser ti­tu­la­res de uma con­ta ban­cá­ria.

O do­cu­men­to men­ci­o­na que os co­mer­ci­an­tes não são ti­tu­la­res de con­tas ban­cá­ri­as por­que, en­tre ou­tros, acre­di­tam que não têm di­nhei­ro su­fi­ci­en­te pa­ra abrir uma con­ta (28,1 por cen­to), não têm tem­po (17,3 por cen­to), não têm co­nhe­ci­men­to (12,6 por cen­to) e não con­fi­am nos ban­cos (10,6 por cen­to). A se­gu­ran­ça (37,2 por cen­to), pou­pan­ça (29,4 por cen­to) e de­pó­si­tos (11 por cen­to) são os prin­ci­pais mo­ti­vos pa­ra a ti­tu­la­ri­za­ção de con­tas ban­cá­ri­as. Os co­mer­ci­an­tes ban­ca­ri­za­dos (66 por cen­to) poupam mais do que os não ban­ca­ri­za­dos (44 por cen­to).

Em­prés­ti­mo

O inqué­ri­to re­ve­la que 56,2 por cen­to so­li­ci­ta­ram o úl­ti­mo cré­di­to pa­ra in­ves­tir no seu ne­gó­cio, 11,9 por cen­to pa­ra pa­gar des­pe­sas de saú­de e 10 por cen­to pa­ra pa­gar des­pe­sas fa­mi­li­a­res. Em 63,8 por cen­to dos ca­sos a fon­te de ob­ten­ção do cré­di­to foi pes­so­al, se­gui­da da ki­xi­qui­la em 20,4 por cen­to. Ape­nas 9,8 por cen­to dos in­qui­ri­dos con­traí­ram cré­di­to ban­cá­rio.

Aces­so à In­ter­net

Ape­nas 35 por cen­to dos in­qui­ri­dos têm aces­so à In­ter­net e o te­le­mó­vel (84 por cen­to) é a prin­ci­pal fer­ra­men­ta de aces­so.

O inqué­ri­to diz que 5 por cen­to dos co­mer­ci­an­tes efec­tu­am tran­sac­ções on­li­ne e da­que­les que efec­tu­am ope­ra­ções on­li­ne, 31 por cen­to fa­zem trans­fe­rên­ci­as, 18 por cen­to com­pram pro­du­tos e 13 re­a­li­zam pa­ga­men­tos.

Se­gu­ro

Ape­nas 6 por cen­to dos co­mer­ci­an­tes têm se­gu­ro, des­tes, 45,5 subs­cre­ve­ram o se­gu­ro de saú­de e 33,6, o se­gu­ro au­to­mó­vel e 53 por cen­to dos co­mer­ci­an­tes não se­gu­ra­dos gos­ta­ri­am de ter um se­gu­ro.

Iden­ti­fi­ca­ção 77 por cen­to dos in­qui­ri­dos têm bi­lhe­te de iden­ti­da­de e des­ta pro­por­ção, 92,1 têm o bi­lhe­te vá­li­do. Em al­ter­na­ti­va a es­te do­cu­men­to, pa­ra efei­tos de iden­ti­fi­ca­ção os in­qui­ri­dos re­cor­rem à cé­du­la de nas­ci­men­to (42,1) e ao car­tão de elei­tor (40,4). 5 por cen­to dos co­mer­ci­an­tes não têm do­cu­men­tos de iden­ti­fi­ca­ção.

Os inqué­ri­tos ocor­re­ram nos prin­ci­pais mer­ca­dos in­for­mais da ca­pi­tal, no­me­a­da­men­te, o Asa Bran­ca, Ki­ko­lo, Con­go­len­ses, Mer­ca­do 1.º de Agos­to (Ca­tin­ton) e o Mer­ca­do do 30.

Ao to­do, fo­ram re­a­li­za­dos 2.940 inqué­ri­tos en­tre Agos­to de 2019 (inqué­ri­to pi­lo­to) e Mar­ço de 2020 (exer­cí­cio fi­nal).

De­vi­do à si­tu­a­ção epi­de­mi­o­ló­gi­ca do país, não foi pos­sí­vel, tam­bém em 2020, dar ao exer­cí­cio uma di­men­são na­ci­o­nal, co­mo pre­vis­to ini­ci­al­men­te, se­gun­do o pro­mo­tor dos tra­ba­lhos de cam­po.

Qu­an­to mai­or é o grau de es­co­la­ri­da­de, mais ele­va­da é a ta­xa de ban­ca­ri­za­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.