In­for­ma­li­da­de afri­ca­na re­pre­sen­ta 25 por cen­to no mun­do

Jornal de Angola - - Economia - MC

A Áfri­ca tem

o mai­or sec­tor in­for­mal no mun­do e re­pre­sen­ta à vol­ta de 20 a 25 por cen­to da ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca em paí­ses co­mo as Ilhas Mau­rí­ci­as, Áfri­ca do Sul e Na­mí­bia. Em paí­ses co­mo o Be­nim, Tan­zâ­nia e Ni­gé­ria, a con­tri­bui­ção do sec­tor in­for­mal pa­ra a eco­no­mia é ele­va­dís­si­ma, es­tan­do en­tre os 50 a 65 por cen­to.

A cons­ta­ta­ção é do es­pe­ci­a­lis­ta an­go­la­no em ma­té­ria de se­gu­ran­ça ma­rí­ti­ma, As­sis Ma­la­qui­as, ten­do con­si­de­ra­do que se os pla­nos fo­rem so­men­te di­rec­ci­o­na­dos pa­ra o sec­tor for­mal, os paí­ses afri­ca­nos es­ta­ri­am uni­ca­men­te a re­sol­ver uma frac­ção do pro­ble­ma.

Ques­ti­o­na­do se há uma ou­tra saí­da de a Áfri­ca evi­tar en­trar pa­ra um cres­cen­te vo­lu­me de en­di­vi­da­men­to com ins­ti­tui­ções cre­di­tí­ci­as mun­di­ais, dis­se que sim, mas por via da pou­pan­ça. “A Áfri­ca per­deu a cul­tu­ra da pou­pan­ça. Os al­tos ní­veis de con­su­mo e bai­xís­si­mos ín­di­ces de pou­pan­ça le­vam di­rec­ta­men­te ao en­di­vi­da­men­to. Ho­je, em Áfri­ca, o ci­da­dão pou­pa mui­to pou­co por­que o cus­to de vi­da vai au­men­tan­do ra­pi­da­men­te e os sa­lá­ri­os são re­la­ti­va­men­te bai­xos”, afir­mou.

O pro­fes­sor ti­tu­lar e che­fe do De­par­ta­men­to de Es­tu­dos Glo­bais e As­sun­tos Ma­rí­ti­mos da Uni­ver­si­da­de do Es­ta­do da Ca­li­fór­nia EUA aler­ta que, an­ti­ga­men­te, as cri­an­ças ti­nham os seus me­a­lhei­ros, e as fa­mí­li­as os seus or­ça­men­tos pa­ra con­ta­bi­li­zar as en­tra­das e as saí­das. As ad­mi­nis­tra­ções pú­bli­cas sa­bi­am ge­rir bem os re­cur­sos pa­ra ob­ter sal­dos po­si­ti­vos. “En­co­ra­ja­va-se a pou­pan­ça de vá­ri­as for­mas. En­ten­dia-se a equa­ção eco­nó­mi­ca mais bá­si­ca. Sem pou­pan­ça, não há in­ves­ti­men­to e sem in­ves­ti­men­to não há de­sen­vol­vi­men­to”, afir­mou, ati­ran­do ao con­ti­nen­te ca­so não con­si­ga vol­tar pa­ra a cul­tu­ra da pou­pan­ça, “di­fi­cil­men­te se vai de­sen­vol­ver”. Por ou­tro la­do, no seu en­ten­der, de­pen­der do in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro é um ris­co mui­to gran­de pa­ra a Áfri­ca. “Sou pro­po­nen­te do in­ves­ti­men­to in­ter­no pro­ve­ni­en­te de pou­pan­ça in­ter­na”, de­fen­de.

Os al­tos ní­veis de con­su­mo e bai­xís­si­mos ín­di­ces de pou­pan­ça le­vam di­rec­ta­men­te ao en­di­vi­da­men­to

Ques­ti­o­na­do que tipo de po­lí­ti­cas ma­cro­e­co­nó­mi­cas e de in­ves­ti­men­to os paí­ses afri­ca­nos de­vem adop­tar, As­sis Ma­la­qui­as avan­çou que os paí­ses afri­ca­nos de­vi­am co­me­çar na es­fe­ra de go­ver­na­ção, pois, ca­da dó­lar que en­tra pa­ra os co­fres pú­bli­cos de­ve ser usa­do pa­ra me­lho­rar o ní­vel de vi­da do ci­da­dão.

“Quan­do a ques­tão da boa go­ver­na­ção for re­sol­vi­da, as ques­tões ma­cro­e­co­nó­mi­cas são de re­la­ti­va fá­cil so­lu­ção. Em ter­mos de po­lí­ti­cas ma­cro­e­co­nó­mi­cas, sou pro­po­nen­te de li­ber­tar as po­ten­ci­a­li­da­des in­ter­nas”.

O pro­fes­sor ca­te­drá­ti­co su­ge­re a ela­bo­ra­ção e im­ple­men­ta­ção de po­lí­ti­cas pa­ra pro­mo­ver a pou­pan­ça que se­jam trans­for­ma­das em in­ves­ti­men­to e po­lí­ti­cas fis­cais que pro­mo­vam, tan­to a pou­pan­ça, tan­to o in­ves­ti­men­to.

Es­pe­ci­a­lis­ta ad­vo­ga o in­ves­ti­men­to pro­ve­ni­en­te de pou­pan­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.