Re­gi­me tri­bu­tá­rio ex­clui es­tran­gei­ros

Es­pe­ci­a­lis­tas Rui Afon­so e Eu­ri­te­ca André con­si­de­ram a re­for­ma tri­bu­tá­ria im­por­tan­te pa­ra di­na­mi­zar os ne­gó­ci­os

Jornal de Angola - - Economia - Re­gi­na Han­da

A re­for­ma do Có­di­go de Im­pos­to so­bre os Ren­di­men­tos do Tra­ba­lho (CIRT) per­mi­tiu a re­du­ção da in­ci­dên­cia fis­ca­la aos ren­di­men­tos dos tra­ba­lha­do­res even­tu­ais agrí­co­las e do­més­ti­cos na­ci­o­nais, ex­cluin­do os ren­di­men­tos dos tra­ba­lha­do­res es­tran­gei­ros. Es­ta me­di­da, na opi­nião do es­pe­ci­a­lis­ta Rui Afon­so, po­de­rá não es­ti­mu­lar o in­ves­ti­men­to pri­va­do (es­tran­gei­ro) em Angola, prin­ci­pal­men­te no mo­men­to em que as ex­por­ta­ções e o pre­ço da prin­ci­pal "com­mo­di­tie" ge­ra­do­ra de di­vi­sas se en­con­tram em bai­xa.

Com o CIRT, o le­gis­la­dor pre­ten­deu au­men­tar a pro­tec­ção efec­ti­va das fa­mí­li­as mais po­bres, pa­ra per­mi­tir que as mes­mas te­nham uma mai­or dis­po­ni­bi­li­da­de de ren­di­men­tos pa­ra aqui­si­ção de bens de con­su­mo es­sen­ci­al à sua sub­sis­tên­cia e tam­bém pa­ra fa­ze­rem fa­ce à des­va­lo­ri­za­ção do kwan­za e a in­fla­ção.

O tam­bém ad­vo­ga­do apon­ta co­mo uma ou­tra me­di­da con­trá­ria aos ob­jec­ti­vos de­fi­ni­dos pe­lo le­gis­la­dor, e des­ta fei­ta na ver­ten­te dos tra­ba­lha­do­res por con­ta pró­pria, a re­vo­ga­ção em ma­té­ria co­lec­tá­vel que dei­xa de ser ape­nas 70 por cen­to do va­lor pa­go pa­ra pas­sar a cor­res­pon­der a to­ta­li­da­de do va­lor do ser­vi­ço pres­ta­do. Ao que acres­ce a re­vo­ga­ção da pos­si­bi­li­da­de de os tra­ba­lha­do­res por con­ta pró­pria de­du­zi­rem os en­car­gos su­por­ta­dos pa­ra pres­ta­ção dos seus ser­vi­ços até ao li­mi­te de 30 por cen­to do seu ren­di­men­to, co­mo por exem­plo, a ren­da das su­as ins­ta­la­ções, água e luz.

Com a Lei 28/20, diz Rui Afon­so, ape­nas os tra­ba­lha­do­res por con­ta pró­pria com con­ta­bi­li­da­de sim­pli­fi­ca­da ou li­vro de re­gis­to das com­pras e ven­das é que po­de­rão de­du­zir até 30 por cen­to das des­pe­sas in­cor­ri­das. Es­te fac­tor faz com que se agra­ve a si­tu­a­ção dos tra­ba­lha­do­res por con­ta pró­pria sem con­ta­bi­li­da­de sim­pli­fi­ca­da ou li­vro de re­gis­to das com­pras e ven­das que, em mui­tos ca­sos, fun­ci­o­nam sem luz nor­ma­li­za­da e in­ter­net, cu­ja ma­té­ria co­lec­tá­vel pas­sa a ser a to­ta­li­da­de dos seus ren­di­men­tos, sem que pos­sam efec­tu­ar quais­quer des­con­tos das su­as des­pe­sas.

Com a Lei 26/20, o le­gis­la­dor pre­ten­de tam­bém be­ne­fi­ci­ar o mi­cro em­pre­sá­rio que apre­sen­te a sua de­cla­ra­ção de ren­di­men­tos por via elec­tró­ni­ca, per­mi­tin­do que ca­so o fa­ça pos­sa de­du­zir até 10 por cen­to das su­as des­pe­sas ad­mi­nis­tra­ti­vas.

“Em­bo­ra se tra­te de uma boa ini­ci­a­ti­va, é ne­ces­sá­rio que se te­nha em con­ta que

os mi­cro em­pre­sá­ri­os fun­ci­o­nam em to­da Angola e que em al­guns ou em mui­tos ca­sos, os mi­cro em­pre­sá­ri­os não têm aces­so à luz ou a sis­te­mas elec­tró­ni­cos pa­ra po­de­rem be­ne­fi­ci­ar des­te des­con­to, si­tu­a­ção que se po­de­rá man­ter nos pró­xi­mos tem­pos”.

De acor­do com o seu en­ten­di­men­to, o le­gis­la­dor, na Lei 28/20, apli­ca me­di­das que es­tão mais de en­con­tro com a ne­ces­si­da­de do Es­ta­do au­men­tar as su­as re­cei­tas tri­bu­tá­ri­as não pe­tro­lí­fe­ras do que efec­ti­va­men­te re­a­li­zar os ob­jec­ti­vos pre­co­ni­za­dos.

A re­vi­são do Có­di­go de Im­pos­to In­dus­tri­al (CII) per­mi­tiu a sim­pli­fi­ca­ção do pro­ces­so de li­qui­da­ção do im­pos­to, com a im­ple­men­ta­ção do Re­gi­me Ge­ral e do Re­gi­me Sim­pli­fi­ca­do, mas ex­cluiu as que têm um ren­di­men­to in­fe­ri­or ao equi­va­len­te em kwan­zas a 250.000 dó­la­res, con­si­de­rou o es­pe­ci­a­lis­ta Rui Afon­so.

Afir­mou que as em­pre­sas que, mui­to em­bo­ra pos­sam ter um ren­di­men­to in­fe­ri­or ao equi­va­len­te em kwan­zas a 250.000 dó­la­res, fun­ci­o­nam em sec­to­res com um gran­de po­ten­ci­al de ren­ta­bi­li­za­ção dos seus ne­gó­ci­os, tal co­mo são os sec­to­res das te­le­co­mu­ni­ca­ções, fi­nan­ças e as su­cur­sais ou fi­li­ais.

De acor­do com o es­pe­ci­a­lis­ta Rui Afon­so, o pri­mei­ro re­gi­me apli­ca-se pa­ra os con­tri­buin­tes do an­te­ri­or Gru­po A e o se­gun­do pa­ra aque­les con­tri­buin­tes que se en­qua­drem no Re­gi­me de Não Su­jei­ção do Có­di­go do IVA (CIVA). Des­ta for­ma, o le­gis­la­dor es­ta­be­le­ce uma re­la­ção en­tre es­tes dois im­pos­tos, uma vez que têm os mes­mos ti­pos de con­tri­buin­tes. “Po­de-se afir­mar que os Con­tri­buin­tes no Re­gi­me Ge­ral in­clu­em os Con­tri­buin­tes en­qua­dra­dos do Re­gi­me de Su­jei­ção do CIVA e os Con­tri­buin­tes do Re­gi­me Sim­pli­fi­ca­do são os que se en­qua­dram ao Re­gi­me de Não Su­jei­ção do CIVA”.

As em­pre­sas que es­tão su­jei­tas ao Re­gi­me de Não

Su­jei­ção são aque­las em­pre­sas com um vo­lu­me de ne­gó­ci­os anu­al in­fe­ri­or ao equi­va­len­te em kwan­zas a 250.000 dó­la­res. As em­pre­sas que se en­qua­dram no Re­gi­me Sim­pli­fi­ca­do são as­sim as mi­cro em­pre­sas, aque­las que na sua mai­o­ria são em no­me in­di­vi­du­al ou so­ci­e­da­des por quo­tas de pe­que­na es­ca­la.

Im­pos­to in­dus­tri­al

Já a do­cen­te uni­ver­si­tá­ria, Eu­ri­te­ca Nu­nes Ro­dri­gues André, diz que a re­for­ma tri­bu­tá­ria a ní­vel do im­pos­to in­dus­tri­al é uma me­di­da que pers­pec­ti­va re­sul­ta­dos a cur­to pra­zo e, prin­ci­pal­men­te, a mé­dio e lon­go pra­zo. Es­ta re­for­ma vi­sa di­na­mi­zar a ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca, tor­nar o sis­te­ma fis­cal an­go­la­no mais com­pe­ti­ti­vo na re­gião da Áfri­ca Aus­tral, as­sim co­mo cri­ar con­di­ções pa­ra atrair o in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro e me­lho­rar o am­bi­en­te de ne­gó­ci­os.

O ali­gei­ra­men­to da car­ga tri­bu­tá­ria do im­pos­to in­dus­tri­al ge­ra um alí­vio fi­nan­cei­ro às em­pre­sas que per­mi­ti­rá as mes­mas rein­ves­tir o seu ca­pi­tal, au­men­tar os pos­tos de tra­ba­lho e con­tri­buir pa­ra um mai­or con­su­mo por par­te das fa­mí­li­as.

A Eu­ri­te­ca André, tam­bém mes­tre em Con­ta­bi­li­da­de, Fis­ca­li­da­de e Fi­nan­ças Em­pre­sa­ri­ais, con­si­de­ra que o re­gi­me de neu­tra­li­da­de fis­cal às ope­ra­ções de fu­sões e ci­sões de em­pre­sas dei­xou de ser apli­cá­vel so­men­te aos con­tri­buin­tes con­si­de­ra­dos co­mo gran­des con­tri­buin­tes e pas­sou a ser apli­cá­vel a to­dos os su­jei­tos pas­si­vos do im­pos­to in­dus­tri­al. “Es­te re­gi­me obe­de­ce a re­gras es­pe­cí­fi­cas e vi­sa a não exis­tên­cia de im­pac­to fis­cal das ope­ra­ções de fu­são e ci­são na es­fe­ra das em­pre­sas en­vol­vi­das”, afir­mou.

A re­cen­te re­es­tru­tu­ra­ção do qua­dro de tri­bu­ta­ção das em­pre­sas cul­mi­nou com a al­te­ra­ção do Có­di­go de Im­pos­to In­dus­tri­al e o Có­di­go de IRT, ope­ra­da pe­la Lei n.º 26/20, de 20 de Ju­lho, e a Lei n.º 28/20, de 22 de Ju­lho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.