Quar­ta ope­ra­do­ra só em 2021

A par­tir do II se­mes­tre do pró­xi­mo ano, os cli­en­tes po­de­rão ter mai­o­res op­ções em ter­mos de oferta dos ser­vi­ços de te­le­fo­nia mó­vel

Jornal de Angola - - Economia - Vâ­nia Iná­cio

A Afri­cell, a quar­ta ope­ra­do­ra de te­le­co­mu­ni­ca­ções, en­tra em fun­ci­o­na­men­to, a par­tir do II se­mes­tre do pró­xi­mo ano, ga­ran­tiu on­tem, em Lu­an­da, o pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do Ins­ti­tu­to An­go­la­no das Co­mu­ni­ca­ções - INACOM, Le­o­nel Au­gus­to.

O res­pon­sá­vel, que fa­la­va à mar­gem de um en­con­tro que vi­sou aus­cul­tar as as­so­ci­a­ções de de­fe­sa do con­su­mi­dor e ope­ra­do­res de te­le­fo­nia e te­le­vi­são so­bre a ac­tu­a­li­za­ção de pre­ços de ser­vi­ços, dis­se que a no­va ope­ra­do­ra es­tá a obe­de­cer aos trâ­mi­tes de­fi­ni­dos­pa­ra o exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de, cu­ja fa­se pas­sou pe­la con­clu­são da ne­go­ci­a­ção e pro­vi­men­to dos ter­mos fi­nais es­ta­be­le­ci­dos con­ce­di­da à Afri­cell a li­cen­ça TGU (Ti­tu­lo Glo­bal Uni­fi­ca­do), pa­ra ope­rar em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal e ce­le­bra­ção com o Ins­ti­tu­to An­go­la­no das Co­mu­ni­ca­ções (INACOM) o res­pec­ti­vo contrato de con­ces­são.

“É um pro­ces­so que obe­de­ce a vá­ri­as fa­ses e já fo­ram cum­pri­das gran­de par­te de­las e es­ta­mos ago­ra na fa­se da afi­na­ção dos ele­men­tos do de­ta­lhe do contrato de con­ces­são”, dis­se o PCA do INACOM.

So­bre os ajus­tes dos pre­ços das ope­ra­do­ras de te­le­fo­nia mó­vel que en­tram em vi­gor re­cen­te­men­te, o res­pon­sá­vel adi­an­tou que os ser­vi­ços de te­le­fo­nia mó­vel man­têm o va­lor de 100 utts em mil kwan­zas, de­fi­ni­do pe­la en­ti­da­de re­gu­la­do­ra.

De acor­do com o res­pon­sá­vel, as ope­ra­do­ras, em fun­ção da si­tu­a­ção ma­cro­e­co­nó­mi­ca, de­ram en­tra­da ao pro­ces­so pa­ra ac­tu­a­li­zar os pre­ços de al­guns ser­vi­ços, apon­tan­do co­mo fac­tor a des­va­lo­ri­za­ção cam­bi­al , uma vez que 80 por cen­to do pa­ga­men­to dos ser­vi­ços é fei­to no ex­te­ri­or do país.

“Ape­lo aos con­su­mi­do­res a pro­ce­der às reclamaçõe­s nos ca­nais e en­ti­da­des apro­pri­a­das. Os ór­gãos da li­nha de apoio ao con­su­mi­dor têm es­ta­do com uma ta­xa de su­ces­so de me­di­a­ção e re­so­lu­ção dos pro­ble­mas aci­ma de 90 por cen­to”, dis­se.

De acor­do com Le­o­nel Au­gus­to, o en­con­tro ser­viu pa­ra per­mi­tir que as ope­ra­do­ras pos­sam se in­tei­rar so­bre as prin­ci­pais pre­o­cu­pa­ções dos con­su­mi­do­res em re­la­ção a re­cen­te su­bi­da de pre­ços.

O PCA do INACOM anun­ci­ou ain­da es­te ano o in­cre­men­to nos ser­vi­ços de te­le­vi­são por as­si­na­tu­ra de 23 a 26 por cen­to por su­por­ta­rem al­tos cus­tos ine­ren­tes ao sa­té­li­te e fi­bra óp­ti­ca, mas de­vem acon­te­cer de for­ma gra­du­al com tec­tos bem de­fi­ni­dos.

As­se­gu­rou, en­tre­tan­to, que o “ser­vi­ço pa­co­te ba­se” não se­rá al­te­ra­do. E es­te é o que per­mi­te que pes­so­as, por exem­plo, com pou­co po­der de com­pra con­ti­nu­em a ter aces­so des­te cu­jo va­lor an­da à vol­ta dos 2.150 kwan­zas”, afir­mou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.