Obras de Mu­ken­ga e Zau exi­bi­das em Por­tu­gal

Jornal de Angola - - Cultura - Ma­nu­el Albano

A tri­lo­gia mu­si­cal “Can­to Ter­cei­ro da Sereia, o En­can­to”, de Fi­li­pe Mu­ken­ga, e o li­vro “Ma­rí­ti­mos”, de Fi­li­pe Zau, são apre­sen­ta­dos ama­nhã, às 15h30, no au­di­tó­rio da União das Ci­da­des Ca­pi­tais de Lín­gua Por­tu­gue­sa (UCCLA), em Lisboa, Por­tu­gal.

De­vi­do as res­tri­ções da pan­de­mia, o ac­to de lan­ça­men­to não con­ta com a pre­sen­ça dos au­to­res, que vão acom­pa­nhar a ac­ti­vi­da­de à dis­tân­cia, a par­tir de Lu­an­da.

O can­tor e com­po­si­tor Fi­li­pe Mu­ken­ga dis­se, on­tem, ao Jor­nal de Angola, que tan­to a tri­lo­gia co­mo o li­vro são pro­jec­tos de anos, guar­da­dos de­vi­do a fal­ta de pa­tro­ci­na­do­res e, por is­so, ti­ve­ram de ser de­sen­vol­vi­dos em vá­ri­as eta­pas, a úl­ti­ma das quais de 2014 a 2020. “A fal­ta de apoi­os aos pro­jec­tos cul­tu­rais tem si­do um dos pro­ble­mas que os cri­a­do­res na­ci­o­nais en­fren­tam”, la­men­tou.

A tri­lo­gia é um “re­tra­to mu­si­ca­li­za­do” dos pri­mei­ros re­gis­tos mu­si­cais da Amé­ri­ca La­ti­na trans­por­ta­dos pa­ra o país, por al­guns só­ci­os do en­tão Clu­be Ma­rí­ti­mo Afri­ca­no, que tra­zi­am as no­vi­da­des da épo­ca, co­mo de Luís Ka­laf­fe e Cé­lia Cruz.

“A pri­mei­ra par­te des­te pro­jec­to le­vou 14 anos, a se­gun­da 16, en­quan­to a úl­ti­ma foi fei­ta de 2014 a 2019. Adi­a­mos por to­dos es­tes anos, por­que ain­da fal­ta sen­si­bi­li­da­de aos em­pre­sá­ri­os pa­ra apoi­ar pro­jec­tos cul­tu­rais”, re­ve­lou.

“Can­to da Sereia, o En­can­to”

O pro­jec­to, que é par­te de uma tri­lo­gia mu­si­cal, ini­ci­a­da nos anos 1990, ins­pi­ra­da na “Ki­an­da”, figura mi­to­ló­gi­ca dos pes­ca­do­res da Ilha de Lu­an­da, “é uma ópe­ra de jazz”, de Fi­li­pe Zau e Fi­li­pe Mu­ken­ga, “com qu­a­tro ac­tos/ci­clos que têm co­mo pa­no de fun­do as me­mó­ri­as de um tri­pu­lan­te em na­vi­os da an­ti­ga ma­ri­nha mer­can­te e um ir­mão, con­du­tor de uma máquina a va­por na an­ti­ga li­nha fér­rea do Am­boim”.

A ra­zão do re­en­con­tro en­tre os dois ir­mãos, após um afas­ta­men­to for­ça­do, de­veu-se ao fac­to de o ca­fé pro­du­zi­do no in­te­ri­or da pro­vín­cia do Cu­an­zaSul ser, na dé­ca­da de 1950, trans­por­ta­do pe­lo cor­re­dor Ga­be­la-Por­to Am­boim e de­pois pos­to nos gran­des ar­ma­zéns do li­to­ral, pa­ra ser ex­por­ta­do ao em na­vi­os car­guei­ros.

“Ma­rí­ti­mos”

O li­vro “Ma­rí­ti­mos” é a nar­ra­ção de uma pe­ça ar­tís­ti­ca so­bre a his­tó­ria dos afri­ca­nos em Por­tu­gal, em es­pe­ci­al ma­ri­nhei­ros e a par­ti­ci­pa­ção de­les “na rup­tu­ra com o Im­pé­rio no sé­cu­lo XX”. O lan­ça­men­to, fei­to es­pe­ci­al­men­te pa­ra sau­dar o 45º ani­ver­sá­rio da Re­pú­bli­ca de Angola e o 66º ani­ver­sá­rio do Clu­be Ma­rí­ti­mo Afri­ca­no, co­me­ça com uma ex­ten­sa se­lec­ção das fi­chas dos só­ci­os, que fa­zem par­te do Clu­be Ma­rí­ti­mo Afri­ca­no, do Arquivo Lú­cio La­ra, na qual es­tão in­cluí­das du­as gran­des re­fe­rên­ci­as his­tó­ri­cas do na­ci­o­na­lis­mo afri­ca­no: Agos­ti­nho Ne­to e Amíl­car Ca­bral.

Os au­to­res

Na­tu­ral de Lu­an­da, Fi­li­pe Mu­ken­ga, pseu­dó­ni­mo de Fran­cis­co Fi­li­pe da Con­cei­ção Gum­be, for­te­men­te in­flu­en­ci­a­do pe­los Be­a­tles, ini­ci­ou a car­rei­ra mu­si­cal no de­cor­rer da dé­ca­da de 1960. Com 57 anos de ac­ti­vi­da­de mu­si­cal, tem gra­va­dos cin­co dis­cos: “No­vo Som” (1991), “Ki­an­da ki An­da” (1994), “Mim­bu Ia­mi” (2003), “Nós So­mos Nós” (2010) e “O Meu La­do Gum­be” (2013).

Fi­li­pe Mu­ken­ga é co-au­tor, com Fi­li­pe Zau, das ope­re­tas “Can­to da Sereia - O En­can­to” (1996), “Can­to Se­gun­do da Sereia - O En­can­to” (2O12) e “Can­to Ter­cei­ro da Sereia”, a ser lan­ça­do ama­nhã.

O mú­si­co já gra­vou com ar­tis­tas con­sa­gra­dos, co­mo Dja­van, Maurício Mat­tar, Rui Ve­lo­so, Té Ma­ce­do e Es­te­vão Djip­son. Au­tor de can­ções que, ins­pi­ra­das nos rit­mos an­go­la­nos, fo­gem ao tra­di­ci­o­nal es­pí­ri­to da mú­si­ca afri­ca­na, e criador de uma No­va Mú­si­ca de Angola (NMA), com for­te te­or in­ter­na­ci­o­nal, aber­ta ao mun­do, em vá­ri­os es­ti­los e ten­dên­ci­as, na qual so­bres­sa­em as in­fluên­ci­as da mú­si­ca po­pu­lar ur­ba­na, rock e jazz.

In­ves­ti­ga­dor em ci­ên­ci­as da edu­ca­ção, pro­fes­sor, au­tor e com­po­si­tor, Fi­li­pe Zau ac­tu­ou com vá­ri­os gru­pos, en­tre eles o Duo Ou­ro Ne­gro e na ban­da “Aler­ta Es­tá”, que da­va con­cer­tos em quar­téis.

Em 1990 foi adi­do cul­tu­ral da Em­bai­xa­da de Angola, em Lisboa. Seis anos de­pois, gra­vou a ope­re­ta “O Can­to da Sereia: o En­can­to”, em ho­me­na­gem ao pai, com Fi­li­pe Mu­ken­ga. No mes­mo ano lan­çou o dis­co “Lu­an­da Lua e Mu­lher”.

EDU­AR­DO PEDRO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Fi­li­pe Mu­ken­ga pe­de mai­or aten­ção aos tra­ba­lhos ar­tís­ti­cos fei­tos por na­ci­o­nais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.