Jornal de Angola

TAAG per­de 155 mi­lhões de dó­la­res em seis me­ses

Lí­de­res de em­pre­sas do sec­tor aé­reo de­fen­dem a re­to­ma­da gra­du­al da ac­ti­vi­da­de pa­ra re­du­zir pre­juí­zos ge­ne­ra­li­za­dos

- Isa­que Lou­ren­ço Business · Airlines · Aviation · Travel · Transportation · Industries · International Air Transport Association · Airbus · Luanda · Quatro de Fevereiro Airport · William Welch · Marcus Junius Brutus

O pre­si­den­te da Co­mis­são Exe­cu­ti­va da TAAG, Rui Car­rei­ra, anun­ci­ou per­das de mais de 155 mi­lhões de dó­la­res e re­ve­lou que, ao lon­go dos úl­ti­mos seis me­ses, a si­tu­a­ção ope­ra­ci­o­nal da com­pa­nhia de­gra­dou-se.

A TAAG re­gis­tou per­das ho­mó­lo­gas de 155 mi­lhões de dó­la­res em re­cei­ta or­di­ná­ria nos úl­ti­mos seis me­ses, de­cla­rou o pre­si­den­te da Co­mis­são Exe­cu­ti­va da com­pa­nhia ao pro­gra­ma Es­pe­ci­al In­for­ma­ção trans­mi­ti­do pe­la TPA na quin­ta-fei­ra, de­fen­den­do a re­a­ber­tu­ra gra­du­al da ac­ti­vi­da­de ae­ro­por­tuá­ria no país.

Rui Car­rei­ra afir­mou que, ao lon­go dos úl­ti­mos seis me­ses, quan­do se su­ce­dem de­cla­ra­ções de es­ta­do de ex­cep­ção de­cre­ta­das pa­ra con­ter a ex­pan­são da pan­de­mia da Co­vid-19, a si­tu­a­ção ope­ra­ci­o­nal da com­pa­nhia de­gra­dou-se, no­tan­do que, no re­gres­so à ac­ti­vi­da­de, é efec­tu­a­da uma mé­dia de 10 vo­os por se­ma­na, mui­to abai­xo dos 245 do mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do.

Com ba­se nes­tes da­dos, o ges­tor da TAAG en­ten­de ser fun­da­men­tal a re­a­ber­tu­ra da ac­ti­vi­da­de ae­ro­por­tuá­ria, pa­ra de­vol­ver o mo­vi­men­to às pes­so­as, car­gas e mei­os, “pois a pa­ra­gem ge­ra pre­juí­zos in­con­tá­veis”.

Rui Car­rei­ra con­cor­da com a As­so­ci­a­ção In­ter­na­ci­o­nal dos Trans­por­tes Aé­re­os (IATA) e co­lo­ca o ano 2024 co­mo o da re­to­ma do equi­lí­brio eco­nó­mi­co da com­pa­nhia, ao mes­mo tempo que lem­bra que o sec­tor aé­reo re­pre­sen­ta cer­ca de 4,0 por cen­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to.

O res­pon­sá­vel re­ve­lou que as in­cer­te­zas já mo­ti­va­ram a adop­ção de oi­to or­ça­men­tos rec­ti­fi­ca­ti­vos na em­pre­sa e anun­ci­ou o com­pro­mis­so da com­pa­nhia re­ne­go­ci­ar e pa­gar as dí­vi­das, uma de­ci­são ali­men­ta­da com a ex­pec­ta­ti­va de que o re­for­ço da fro­ta vai con­du­zir a uma re­du­ção dos cus­tos ope­ra­ci­o­nais e de ma­nu­ten­ção.

No pro­gra­ma, os ges­to­res da TAAG, do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da Avi­a­ção Ci­vil (INAVIC), Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Na­ve­ga­ção Aé­rea (ENNA) e So­ci­e­da­de Ges­to­ra de Ae­ro­por­tos (SGA) ad­mi­ti­ram es­tar-se di­an­te de uma no­va re­a­li­da­de, em que os cus­tos diá­ri­os ain­da es­tão por cal­cu­lar, mas pe­sam na con­ta­bi­li­da­de e dis­po­ni­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra das em­pre­sas.

Na re­a­li­da­de ac­tu­al, to­dos en­ten­dem se­rem enor­mes as con­sequên­ci­as da pa­ra­li­sa­ção da in­dús­tria ae­ro­por­tuá­ria, pe­lo que a re­to­ma gra­du­al da ac­ti­vi­da­de de­ve ocor­rer.

Mo­vi­men­tos aé­re­os

O pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da ENNA, Ma­nu­el Fi­li­pe Jú­ni­or, anun­ci­ou que a que­da do mo­vi­men­to aé­reo no espaço na­ci­o­nal as­so­ci­a­da ao pe­río­do de con­ten­ção da pan­de­mia é de 80 por cen­to, pas­san­do de qua­tro mil pa­ra 630 mo­vi­men­tos em seis me­ses.

Ape­sar das per­das, Ma­nu­el Fi­li­pe Jú­ni­or con­si­de­ra ser a re­to­ma gra­du­al a me­lhor op­ção, a qual de­ve ser ma­te­ri­a­li­za­da por dois pla­nos: um de con­tin­gên­cia e ou­tro de con­ti­nui­da­de. A em­pre­sa pre­vê o fi­nal de 2021 co­mo o pra­zo mais pro­vá­vel pa­ra o le­van­ta­men­to das res­tri­ções.

De acor­do com a di­rec­to­ra-ad­jun­ta do INAVIC, Amé­lia Ku­vin­gua, os ae­ro­por­tos an­go­la­nos têm con­di­ções cri­a­das pa­ra hi­gi­e­ni­za­ção e re­a­li­za­ção de tes­tes se­ro­ló­gi­cos pa­ra os vo­os do­més­ti­cos, bem co­mo os de bi­o­lo­gia mo­le­cu­lar, 72 ho­ras an­tes da par­ti­da, pa­ra os vo­os in­ter­na­ci­o­nais.

Um da­do avan­ça­do no pro­gra­ma foi o do cus­to de 180 mil kwan­zas pa­ra o tes­te de bi­o­lo­gia mo­le­cu­lar (za­ra­ga­toa), to­tal­men­te su­por­ta­do pe­lo pas­sa­gei­ro. No tes­te pa­ra os vo­os na­ci­o­nais, sem ter si­do avan­ça­do o cus­to, há uma com­par­ti­ci­pa­ção de 50 por cen­to.

O pre­si­den­te da Co­mis­são Exe­cu­ti­va da SGA, Na­ta­ni­el Do­min­gos, anun­ci­ou ope­ra­ções ae­ro­náu­ti­cas si­tu­a­das em 10 por cen­to da ca­pa­ci­da­de ha­bi­tu­al des­de o de­cre­to do fe­cho das ope­ra­ções ae­ro­por­tuá­ri­as. Já nos ne­gó­ci­os não ae­ro­náu­ti­ca, to­dos os ser­vi­ços fo­ram fe­cha­dos, à ex­cep­ção do par­que­a­men­to de vi­a­tu­ras.

Re­co­nhe­ceu ain­da a in­ca­pa­ci­da­de do país de re­ce­ber, nos ac­tu­ais ae­ro­por­tos, vo­os do ti­po Airbus A320, mas ga­ran­tiu es­tar tu­do pre­vis­to no fu­tu­ro Ae­ro­por­to In­ter­na­ci­o­nal de Luanda, em Bom Je­sus.

Na­ta­li­el Do­min­gos anun­ci­ou, pa­ra bre­ve, a cer­ti­fi­ca­ção de vá­ri­os ae­ro­por­tos na­ci­o­nais pa­ra a ater­ra­gem e des­co­la­gem de vo­os in­ter­na­ci­o­nais.

Rui Car­rei­ra apon­ta o ano de 2024 co­mo o da re­cu­pe­ra­ção do equi­lí­brio eco­nó­mi­co da TAAG

 ?? EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO ?? Ope­ra­ções re­du­zi­das a uma mé­dia de 10 vo­os por se­ma­na, con­tra 245 an­tes da cri­se
EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Ope­ra­ções re­du­zi­das a uma mé­dia de 10 vo­os por se­ma­na, con­tra 245 an­tes da cri­se

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola