Jornal de Angola

Três anos a apre­sen­tar ao Mun­do o de­se­jo de uma An­go­la prós­pe­ra

Em três anos de Go­ver­no, as­si­na­la­dos ho­je, o Pre­si­den­te João Lou­re­ço en­ce­tou con­tac­tos di­plo­má­ti­cos que o obri­ga­ram a fa­zer vi­si­tas ao es­tran­gei­ro, pa­ra apre­sen­tar a ima­gem de um país com­pro­me­ti­do com o pro­gres­so. A di­plo­ma­cia de in­fluên­cia le­vou o Che­fe

- San­tos Vi­lo­la Politics · Angola · United Nations · York · Nova · UN Security Council

Na ter­ça-fei­ra, dia 22 de Se­tem­bro, o Che­fe de Es­ta­do fa­zia a úl­ti­ma in­ter­ven­ção, an­tes de com­ple­tar três anos des­de que to­mou pos­se co­mo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, na mai­or tri­bu­na po­lí­ti­ca e di­plo­má­ti­ca mun­di­al. Na his­tó­ri­ca 75ª As­sem­blei­aGe­ral das Na­ções Uni­das, em vi­de­o­con­fe­rên­cia, por con­ta da pan­de­mia da Sars-CoV 2, João Lou­ren­ço dis­cur­sou às 22 ho­ras de An­go­la (17h em No­va Ior­que).

“Não há memória, des­de a sua fun­da­ção, de uma si­tu­a­ção em que os Che­fes de Es­ta­do ou de Go­ver­no dos paí­ses-mem­bros da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das fi­cas­sem, por ra­zões alhei­as às su­as agen­das, to­dos im­pe­di­dos de par­ti­ci­par pes­so­al­men­te na As­sem­bleia-Ge­ral des­ta or­ga­ni­za­ção, que se de­bru­ça so­bre os gran­des te­mas das re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais e pro­cu­ra de­li­ne­ar so­lu­ções pa­ra re­sol­ver as prin­ci­pais pre­o­cu­pa­ções da Hu­ma­ni­da­de, ga­ran­tin­do a paz, a se­gu­ran­ça e a es­ta­bi­li­da­de do nos­so pla­ne­ta, nos­sa casa co­mum”, acen­tu­a­va o Che­fe de Es­ta­do.

Do ou­tro la­do do Atlân­ti­co, na Pri­mei­ra Ave­ni­da de No­va Ior­que, on­de es­tá a se­de das Na­ções Uni­das, ape­nas o pes­so­al di­plo­má­ti­co re­pre­sen­ta­do na or­ga­ni­za­ção e o Se­cre­tá­rio-Ge­ral, An­tó­nio Gu­ter­res, aten­tos ao ecrã gi­gan­te e ao ace­no de ca­da lí­der, a con­fir­mar de es­tá no ar.

“Ho­je, ape­sar das ac­tu­ais cir­cuns­tân­ci­as de­cor­ren­tes da pan­de­mia da Co­vid-19, que im­põem a to­dos nós res­tri­ções de mo­vi­men­tos e ou­tros pro­ce­di­men­tos ade­qua­dos ao con­tex­to ac­tu­al, es­tá a ser pos­sí­vel co­mu­ni­car­mo-nos, com a sen­sa­ção vir­tu­al de es­tar­mos jun­tos, gra­ças às qua­se ili­mi­ta­das pos­si­bi­li­da­des que as no­vas tec­no­lo­gi­as co­lo­cam ao ser­vi­ço da Hu­ma­ni­da­de”, re­co­nhe­ceu João Lou­ren­ço.

So­bra­ram elo­gi­os a An­tó­nio Gu­ter­res em tem­pos da Co­vid-19. “Per­mi­ta-me, se­nhor Se­cre­tá­rio-Ge­ral, que o fe­li­ci­te por ter to­ma­do a opor­tu­na de­ci­são de man­ter a di­nâ­mi­ca de fun­ci­o­na­men­to das Na­ções Uni­das com os re­cur­sos tec­no­ló­gi­cos ao nos­so dis­por”, dis­se o Pre­si­den­te João Lou­ren­ço.

Em tempo de pan­de­mia da Co­vid-19, gran­de par­te do dis­cur­so do Che­fe de Es­ta­do foi to­ma­do pe­las ac­ções em cur­so pa­ra mi­ni­mi­zar os efei­tos do co­ro­na­vi­rus.

“Es­te pro­ble­ma sa­ni­tá­rio glo­bal pa­ra­li­sou to­da a di­nâ­mi­ca que se pers­pec­ti­vou em ter­mos de re­to­ma da eco­no­mia mun­di­al, que, após a cri­se eco­nó­mi­ca ini­ci­a­da em 2008, da­va si­nais ani­ma­do­res de re­cu­pe­ra­ção e mui­to par­ti­cu­lar­men­te em paí­ses em vi­as de de­sen­vol­vi­men­to, co­mo no ca­so de An­go­la”, afir­mou.

No pla­no da co­o­pe­ra­ção en­tre Es­ta­dos, o Pre­si­den­te João Lou­ren­ço lem­brou a des­van­ta­gem do uni­la­te­ra­lis­mo em si­tu­a­ções co­mo es­ta da pan­de­mia da Co­vid-19.

“A pan­de­mia da Co­vid-19 veio de­mons­trar que, nas cir­cuns­tân­ci­as em que se ac­tua co­or­de­na­da­men­te, re­par­te­se de mo­do mais efi­caz a res­pon­sa­bi­li­da­de por to­dos e ob­têm-se, por is­so, re­sul­ta­dos mais sa­tis­fa­tó­ri­os. Es­ta vi­são re­for­ça a ideia de que o mul­ti­la­te­ra­lis­mo de­ve es­tar sem­pre pre­sen­te na abor­da­gem a ser fei­ta so­bre as ques­tões in­ter­na­ci­o­nais mais can­den­tes que o mun­do en­fren­ta”, re­for­çou.

A fe­char, an­tes de agra­de­cer a opor­tu­ni­da­de que te­ve, João Lou­ren­ço rei­te­rou a ne­ces­si­da­de “ur­gen­te de se re­es­tru­tu­rar a or­ga­ni­za­ção, de mo­do a que se con­si­ga al­can­çar uma com­po­si­ção do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU que me­lhor re­flic­ta a re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de dos po­vos, das na­ções e dos con­ti­nen­tes.

 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola