Jornal de Angola

Ca­mi­nha­da di­fí­cil, mas dig­na

- Politics · Angola · Agostinho Neto · Luanda · Como · Vale

Há três anos, An­go­la de­mons­tra­va à Áfri­ca e ao mun­do que a de­mo­cra­cia ti­nha che­ga­do pa­ra fa­zer par­te da vi­da das pes­so­as e das ins­ti­tui­ções, com a his­tó­ri­ca to­ma­da de pos­se do Pre­si­den­te João Lou­ren­ço, no Me­mo­ri­al An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, em Luanda. Ini­ci­a­va-se, as­sim, um man­da­to car­re­ga­do de de­sa­fi­os mo­nu­men­tais por­que, co­mo se com­pro­va ain­da até ho­je, o pas­si­vo de per­to de qua­tro dé­ca­das de go­ver­na­ção, in­de­pen­den­te­men­te de tu­do, é con­si­de­ra­vel­men­te sig­ni­fi­ca­ti­vo. Além da par­te po­si­ti­va, que ha­via tam­bém, ob­vi­a­men­te, even­tu­al­men­te pas­sí­vel de ser me­lho­ra­da e pre­ser­va­da, gran­de par­te dos ma­les her­da­dos e por cor­ri­gir não se efec­ti­va­ria em três anos. E pa­ra os cor­ri­gir de­pen­de não ape­nas do Exe­cu­ti­vo, mas de to­dos os ci­da­dãos por­que co­mo avi­sou, no dis­cur­so de to­ma­da de pos­se, há três anos, a par­ti­ci­pa­ção de to­dos é con­di­ção si­ne qua non pa­ra o su­ces­so da go­ver­na­ção.

“Ne­nhu­ma go­ver­na­ção se­rá bem su­ce­di­da sem o diá­lo­go aberto com as di­fe­ren­tes for­ças so­ci­ais. Por es­sa ra­zão, va­mos apos­tar nu­ma mai­or apro­xi­ma­ção aos sin­di­ca­tos e às or­dens pro­fis­si­o­nais, às or­ga­ni­za­ções não-go­ver­na­men­tais e a al­guns gru­pos de pres­são, en­quan­to par­cei­ros do Exe­cu­ti­vo”, dis­se o Che­fe de Es­ta­do, ten­do pro­me­ti­do, du­ran­te a re­fe­ri­da in­ter­ven­ção, que “vou pro­cu­rar aus­cul­tar os di­fe­ren­tes es­tra­tos da po­pu­la­ção e os vá­ri­os gru­pos or­ga­ni­za­dos da so­ci­e­da­de ci­vil, pois só as­sim po­de­re­mos exe­cu­tar com êxi­to a ac­ção go­ver­na­ti­va. Ape­la­mos, pois, ao apoio de to­dos nes­ta di­fí­cil ca­mi­nha­da”.

To­dos são cha­ma­dos a par­ti­ci­par por­que es­tá em cau­sa o su­ces­so da go­ver­na­ção de An­go­la, o bem-es­tar das po­pu­la­ções, a ne­ces­si­da­de de me­lho­rar o dia-a-dia de to­dos e trans­for­mar An­go­la num país bom pa­ra ca­da um de nós, de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne.

Hou­ve e ain­da con­ti­nua a exis­tir uma gran­de ex­pec­ta­ti­va em tor­no da che­ga­da ao po­der do Pre­si­den­te João Lou­ren­ço por­que, pa­ra a gran­de mai­o­ria da po­pu­la­ção an­go­la­na, era ur­gen­te re­co­me­çar, re­no­var es­pe­ran­ça e en­ga­jar a to­dos pa­ra “me­lho­rar o que es­tá bem e cor­ri­gir o que es­tá mal”. Va­le di­zer que, nes­ta ca­mi­nha­da, se­ria na­tu­ral al­gu­ma im­pa­ci­ên­cia por par­te de seg­men­tos da po­pu­la­ção que pre­ten­di­am e pre­ten­dem ver já cor­ri­gi­dos ma­les que se per­pe­tu­a­ram ao lon­go de dé­ca­das.

Tra­ta-se de um pro­ces­so que, na­tu­ral­men­te, vai exi­gir a to­dos os ní­veis tempo, pa­ci­ên­cia, en­ga­ja­men­to e a de­ter­mi­na­ção de ca­da um de nós pa­ra efec­ti­var­mos as me­tas a que nos pro­pu­se­mos ho­je.

Co­mo dis­se o Pre­si­den­te, ain­da no dis­cur­so de to­ma­da de pos­se, “são enor­mes os de­sa­fi­os que te­mos pe­la fren­te, de mo­do a con­du­zir­mos com êxi­to os des­ti­nos do nos­so país” e, em­bo­ra sur­jam per­cal­ços no ca­mi­nho, a ca­mi­nha­da con­ti­nua a ser dig­na aten­den­do aos fei­tos al­can­ça­dos. A mo­ra­li­za­ção da so­ci­e­da­de é dos mai­o­res trun­fos que te­mos pa­ra com­ba­ter prá­ti­cas que “da­ni­fi­ca­ram” pro­fun­da­men­te o te­ci­do so­ci­al, sub­ver­te­ram o fun­ci­o­na­men­to das ins­ti­tui­ções, mol­da­ram o com­por­ta­men­to das pes­so­as e fi­ze­ram o país, em mui­tos as­pec­tos, re­gre­dir sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te.

É ver­da­de que a con­jun­tu­ra so­ci­al, eco­nó­mi­ca e até sa­ni­tá­ria, mo­ti­va­da pe­la Co­vid-19, “atra­pa­lha” a ma­te­ri­a­li­za­ção de nu­me­ro­sas ini­ci­a­ti­vas e po­lí­ti­cas, mas os es­for­ços que es­tão a ser fei­tos ser­vem, pre­ci­sa­men­te, pa­ra a “amor­te­cer” e mi­ti­gar os efei­tos. Na­da es­tá per­di­do, so­bre­tu­do se ca­da an­go­la­no e an­go­la­na acre­di­tar que, mes­mo com di­fi­cul­da­des, a ca­mi­nha­da es­tá a ser dig­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola