Jornal de Angola

Mé­di­co aler­ta pa­ra os pe­ri­gos do uso in­cor­rec­to da más­ca­ra

- Vic­tó­ria Quin­tas | Hu­am­bo Health · Medicine · Angola

A más­ca­ra é tam­bém um meio de con­tá­gio e de trans­por­te do ví­rus da Co­vid-19, quan­do mal usa­da, aler­tou on­tem, no Hu­am­bo, o mé­di­co clí­ni­co ge­ral An­tó­nio Chi­loia.

Em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, An­tó­nio Chi­loia ape­la à po­pu­la­ção a usar cor­rec­ta­men­te a más­ca­ra, co­mo uma das me­di­das de pro­tec­ção con­tra o no­vo Co­ro­na­ví­rus, e não co­mo fi­gu­ra de exi­bi­ção pú­bli­ca, lem­bran­do que a mes­ma é in­di­vi­du­al e não de­ve se ser com­par­ti­lha­da.

A más­ca­ra, ano­tou, po­de ser­vir co­mo meio de con­tá­gio ou de trans­por­te do ví­rus quan­do mal uti­li­za­da no quei­xo, so­bre­tu­do nes­ta fa­se de circulação co­mu­ni­tá­ria da do­en­ça, em que, dis­se, “to­dos so­mos sus­pei­tos e po­ten­ci­ais trans­mis­so­res da Co­vid-19”.

“As pes­so­as de­vem evi­tar o uso da más­ca­ra de for­ma in­ver­ti­da, por ser, tam­bém, uma ma­nei­ra fá­cil de in­fec­ção”, fri­sou o mé­di­co, sa­li­en­tan­do que os cui­da­dos tam­bém de­vem ser re­do­bra­dos, por não se sa­ber, ao cer­to, o vín­cu­lo epi­de­mi­o­ló­gi­co dos pri­mei­ros ca­sos re­gis­ta­do, na pro­vín­cia do Hu­am­bo.

“Nun­ca pen­sar que pe­la apa­rên­cia, ní­vel de con­fi­an­ça e afi­ni­da­de que se tem com a pes­soa, de­ve­mos des­cui­dar-nos. É pre­ci­so pre­ve­nir­sem­pre que as cir­cuns­tân­ci­as exi­gi­rem, co­mo na via pú­bli­ca, trans­por­tes co­lec­ti­vos, ins­ti­tui­ções e mer­ca­dos”, su­bli­nhou.

O mé­di­co de clí­ni­ca ge­ral co­lo­ca­do no Hos­pi­tal Cen­tral do Hu­am­bo es­cla­re­ceu que é fun­da­men­tal es­co­lher más­ca­ras ade­qua­das, pa­ra evi­tar que as di­fi­cul­da­des res­pi­ra­tó­ri­as pos­sam pro­vo­car ou­tros trans­tor­nos fi­si­o­ló­gi­cos, co­mo disp­nei­as, des­mai­os, sín­co­pes, con­vul­sões, ton­tu­ras, ver­ti­gens e áci­dos e res­pi­ra­tó­ria.

“O te­ci­do da más­ca­ra de­ve ser le­ve, de al­go­dão, com pe­lo me­nos três ca­ma­das, com ta­ma­nho su­fi­ci­en­te e con­for­tá­vel, pa­ra co­brir a bo­ca, o na­riz e par­te in­fe­ri­or do quei­xo, de­ven­do o ta­ma­nho ser ade­qua­do de acor­do com o bió­ti­po fa­ci­al do usuá­rio, pa­ra que se­ja con­for­tá­vel e se­gu­ro, sen­do que o elás­ti­co de­ve ser fle­xí­vel pa­ra evi­tar trau­mas ou le­sões na ore­lha, con­ten­do um fio me­tá­li­co, na par­te su­pe­ri­or, pa­ra po­der fi­xar-se ao dor­so e raiz do na­riz”, ex­pli­cou.

Em re­la­ção ao dis­tan­ci­a­men­to fí­si­co, An­tó­nio Chi­loia, que tam­bém é mes­tre em Edu­ca­ção Am­bi­en­tal pa­ra a Saú­de, afir­mou ser uma das prin­ci­pais me­di­das de pre­ven­ção, que de­ve ser de pe­lo me­nos um me­tro e meio, pa­ra que não se es­te­ja su­jei­to ao con­tac­to com as go­tí­cu­las de sa­li­va ou es­pir­ros de ou­tra pes­soa. “São as par­tí­cu­las in­vec­ti­vas, fac­to que po­de ser mi­ni­mi­za­do pe­lo uso da más­ca­ra e hi­gi­e­ni­za­ção das mãos”, pon­tu­a­li­zou.

Con­sul­tas de ro­ti­na

As des­lo­ca­ções aos hos­pi­tais, aler­tou, só de­vem se efec­tu­ar em ca­sos de ex­tre­ma ne­ces­si­da­de, em que “de­ve­mos ser ava­li­a­dos pe­lo mé­di­co”, pe­lo que se de­ve evi­tar as con­sul­tas de ro­ti­na. “Nun­ca de­ve­mos dei­xar al­guém do­en­te em casa. Mas quan­do se for ao hos­pi­tal, de­ve-se ir com o mí­ni­mo de acom­pa­nhan­tes”, exor­tou, acres­cen­tan­do que, pa­ra além da Co­vid-19, ou­tras do­en­ças con­ti­nu­am a afec­tar a po­pu­la­ção, co­mo a ma­lá­ria, hi­per­ten­são ar­te­ri­al e di­a­be­tes.

Os pa­ci­en­tes com do­en­ças cró­ni­cas, co­mo di­a­be­tes, hi­per­ten­são ar­te­ri­al, in­su­fi­ci­ên­cia re­nal de­vem, nes­te pe­río­do, re­do­brar os cui­da­dos e fa­zer a me­di­ca­ção de for­ma re­gu­lar, apon­tan­do que “sem­pre que des­com­pen­sar”, a so­lu­ção é des­lo­car-se, de ime­di­a­to, ao hos­pi­tal mais pró­xi­mo ou con­sul­tar o mé­di­co de fa­mí­lia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola