Jornal de Angola

Pre­si­den­te da APF da Huí­la quer ra­pi­dez na re­cu­pe­ra­ção

In­fra-es­tru­tu­ra aco­lheu os jo­gos do Gru­po C da fa­se fi­nal da Ta­ça de Áfri­ca das Na­ções de 2010 or­ga­ni­za­do pe­lo país

- Gaudêncio Ha­me­lay | Lu­ban­go Angola · Confederation of African Football · Luanda · Augustus · Girabola

Pe­pé An­tó­nio, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Pro­vin­ci­al de Fu­te­bol da Huí­la (APFH), pe­de mai­or ra­pi­dez no tra­ba­lho de re­cu­pe­ra­ção do Es­tá­dio Na­ci­o­nal Tundavala, cu­jas obras ini­ci­a­ram em Ju­nho.

O res­pon­sá­vel do ór­gão que su­pe­rin­ten­de a mo­da­li­da­de-rai­nha na Huí­la ad­mi­te que se fo­rem cum­pri­dos os pra­zos es­ti­pu­la­dos, a rel­va do es­tá­dio po­de ser uti­li­za­da em No­vem­bro des­te ano.

In­for­mou que. de­pois de os mem­bros do seu pe­lou­ro te­rem vi­si­ta­do os es­tá­di­os de fu­te­bol da pro­vín­cia, apu­rou­se es­ta­rem qua­se ao mes­mo ní­vel de con­ser­va­ção.

“Mas, o Es­tá­dio Tundavala ain­da ca­re­ce de al­gum cui­da­do, pe­lo que ur­ge in­ten­si­fi­car o tra­ba­lho. Em No­vem­bro pró­xi­mo po­de­mos ter o es­tá­dio e com rel­va bem cui­da­da, se fo­rem cum­pri­dos os pra­zos da re­cu­pe­ra­ção”, pers­pec­ti­vou.

Pe­pé An­tó­nio apon­tou que, ape­sar da mo­ro­si­da­de que se ve­ri­fi­ca na exe­cu­ção dos tra­ba­lhos, pa­ra o cum­pri­men­to dos pra­zos é im­por­tan­te a en­tre­ga de to­dos. Acres­cen­tou que o es­for­ço não de­ve ser ape­nas dos tra­ba­lha­do­res en­vol­vi­dos na re­cu­pe­ra­ção da­que­la im­po­nen­te in­fra­es­tru­tu­ra, mas tam­bém das en­ti­da­des ad­mi­nis­tra­ti­vas mu­ni­ci­pais, pro­vin­ci­ais e dos ho­mens li­ga­dos ao fu­te­bol.

De­fen­deu que quer en­ti­da­des sin­gu­la­res quer co­lec­ti­vas de­vem dar a “mão­zi­nha” na­qui­lo que for pos­sí­vel, pa­ra ver re­cu­pe­ra­da a rel­va do es­tá­dio cons­truí­do no âm­bi­to do

Re­cin­to vai aco­lher jo­gos do Gi­ra­bo­la de­pois de res­tau­ra­do

Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções (CAN) de 2010, or­ga­ni­za­do pe­lo país.

Pas­sa­dos cer­ca de três me­ses, cons­ta­tou-se que de­pois da quei­ma do ca­pim da­ni­nho com o pro­du­to her­bi­ci­da, foi lan­ça­da a areia pa­ra se fa­zer a com­pac­ta­ção do so­lo e só a pos­te­ri­or se­rá ati­ra­da a se­men­te da rel­va.

Em de­cla­ra­ção ao Jor­nal de An­go­la, no Lu­ban­go, Pe­pé An­tó­nio re­co­nhe­ceu que quan­do for lan­ça­da a se­men­te, num pra­zo de 45 di­as, a rel­va vai ger­mi­nar. “A fa­se de ma­tu­ra­ção não vai le­var mui­to tempo”, ad­mi­tiu.

De­pois, os téc­ni­cos te­rão de fa­zer ou­tros tra­ba­lhos pre­li­mi­na­res, de­sig­na­da­men­te a pas­sa­gem do ci­lin­dro pa­ra com­pac­ta­ção do so­lo, re­pa­ra­ção par­ci­al da rel­va que, even­tu­al­men­te, não te­nha cres­ci­do num ou ou­tro lu­gar.

Pe­pé An­tó­nio acre­di­ta que a re­cu­pe­ra­ção da rel­va do Es­tá­dio Na­ci­o­nal Tundavala é um fac­to. Por is­so, es­pe­ra que o pro­ces­so se­ja efi­ci­en­te, uma vez que a água co­mo fac­tor fun­da­men­tal e ou­tros fer­ti­li­zan­tes já exis­tem. “Aguar­da­mos, por is­so, pa­ra que em No­vem­bro pos­sa­mos aco­lher jo­gos de fu­te­bol, e qui­çá dos Pa­lan­cas Ne­gras, sob égi­de da Con­fe­de­ra­ção Afri­ca­na de Fu­te­bol (CAF)”, ga­ran­tiu.

Quin­ze fun­ci­o­ná­ri­os, en­tre eles dez jo­vens que tra­ba­lha­ram no es­tá­dio em 2010, for­ma­dos pe­la em­pre­sa SIS, têm a res­pon­sa­bi­li­da­de de de­vol­ver a ver­da­dei­ra ima­gem da rel­va do Es­tá­dio Tundavala, uma in­fra-es­tru­tu­ra que aco­lheu o gru­po C da fa­se fi­nal do CAN, que An­go­la or­ga­ni­zou, res­pec­ti­va­men­te nas ci­da­des do Lu­ban­go, Luanda, Ca­bin­da e Ben­gue­la. Com ca­pa­ci­da­de pa­ra 20 mil es­pec­ta­do­res, a ma­que­ta do im­po­nen­te em­pre­en­di­men­to, cus­tou aos co­fres do Es­ta­do 69 mi­lhões de dó­la­res.

Ga­ran­tiu que, an­tes da ins­pec­ção, o clu­be vai tra­ba­lhar com um ins­pec­tor da FAF, pa­ra ve­ri­fi­car se o es­tá­dio es­tá ou não em con­di­ções pa­ra aco­lher os jo­gos.

So­bre o plan­tel, Au­gus­to Qui­ta­di­ca “Do­cas” adi­an­tou que es­tá a 85 por cen­to e con­ta com re­for­ços. “Não con­se­gui­mos ir bus­car re­for­ços no es­tran­gei­ro de­vi­do à Co­vid- 19, mas te­mos con­tac­tos com al­guns jo­ga­do­res fo­ra do país. Só não te­mos uma boa res­pos­ta de­vi­do a pan­de­mia, mas ape­sar dis­so te­mos um plan­tel me­lhor do que o do ano pas­sa­do, ca­paz de re­pre­sen­tar bem o país na com­pe­ti­ção afri­ca­na e na in­ter­na”.

Nes­te mo­men­to, re­ve­lou o pre­si­den­te ma­qui­sar­de, a equi­pa já es­tá a trei­nar em Luanda e vai re­a­li­zar jo­gos de con­tro­lo com al­gu­mas equi­pas de Luanda que mi­li­tam no Gi­ra­bo­la.

 ?? GAUDÊNCIO HA­ME­LAY| EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO-HUÍ­LA ??
GAUDÊNCIO HA­ME­LAY| EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO-HUÍ­LA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola