Jornal de Angola

Ban­cos cor­tam os lu­cros da cor­rec­ção mo­ne­tá­ria

- Vic­to­ri­no Jo­a­quim Business · Banking · Foreign Exchange Market · Currencies · Finance · Financial Markets · Angola · León

Os ban­cos cor­tam par­ci­al­men­te as ex­pec­ta­ti­vas de lu­cro com a apli­ca­ção do Ins­tru­ti­vo 15/2020 que, na quar­ta-fei­ra, or­de­nou a con­ver­são em Kwan­za do cré­di­to à ha­bi­ta­ção con­ce­di­do a cli­en­tes par­ti­cu­la­res em mo­e­da ex­ter­na, coin­ci­di­ram, em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, os eco­no­mis­tas Leão Pe­res e João Jun­go.

A me­di­da, afir­mou Leão Pe­res, um eco­no­mis­ta du­ran­te dé­ca­das li­ga­do à ges­tão de ban­cos pú­bli­cos, vai “ape­nas re­por a re­a­li­da­de ac­tu­al, uma vez que, até 2012, era per­mi­ti­da a con­ces­são de cré­di­to em mo­e­da es­tran­gei­ra, o que veio cri­ar es­ta si­tu­a­ção que se tor­nou em­ba­ra­ço­sa pa­ra as fa­mí­li­as e em­pre­sas, mas ge­rou um cer­to apro­vei­ta­men­to por par­te de al­guns ban­cos que ob­ti­ve­ram ga­nhos subs­tan­ci­ais com as cons­tan­tes ac­tu­a­li­za­ções das pres­ta­ções de­vi­das pe­los mu­tuá­ri­os”.

Is­so mes­mo é de­cla­ra­do por João Jun­go, que con­si­de­ra que os ban­cos co­mer­ci­ais vêem as ex­pec­ta­ti­vas de lu­cros re­du­zi­das por não po­de­rem con­ti­nu­ar a be­ne­fi­ci­ar dos mon­tan­tes re­la­ti­vos às cor­rec­ções mo­ne­tá­ri­as.

O eco­no­mis­ta apre­sen­ta, en­tre­tan­to, uma res­sal­va, pre­ven­do que “os ban­cos aca­bam por ob­ter be­ne­fí­ci­os” da de­ci­são, pe­lo fac­to dos cli­en­tes fi­ca­rem mais ha­bi­li­ta­dos pa­ra cum­prir as obri­ga­ções de pa­ga­men­to do cré­di­to.

Os dois tam­bém con­cor­dam em que o Ins­tru­ti­vo re­pre­sen­ta um alí­vio pa­ra fa­mí­li­as que se vi­am nu­ma “es­pi­ral su­fo­can­te de en­car­gos fi­nan­cei­ros que pa­re­ci­am não ter fim, uma vez que sem­pre que ocor­res­se uma de­pre­ci­a­ção da mo­e­da na­ci­o­nal fa­ce à mo­e­da es­tran­gei­ra, o ser­vi­ço da dí­vi­da (ca­pi­tal e ju­ros) era ac­tu­a­li­za­do em fun­ção da no­va ta­xa de câm­bio”, co­mo dis­se Leão Pe­res.

Se­gun­do Leão Pe­res, as fa­mí­li­as e em­pre­sas ob­têm van­ta­gens, uma vez que ob­ti­nham cré­di­to em dó­la­res, quan­do os ren­di­men­tos são ob­ti­dos em mo­e­da na­ci­o­nal, sem qual­quer “cor­rec­ção mo­ne­tá­ria”, ao pas­so que os em­prés­ti­mos eram pa­gos com “cor­rec­ção mo­ne­tá­ria”.

João Jun­go pre­vê que a me­di­da vai fa­vo­re­cer o sis­te­ma fi­nan­cei­ro an­go­la­no, su­bli­nhan­do que a con­ver­são dos em­prés­ti­mos em mo­e­da es­tran­gei­ra pa­ra mo­e­da na­ci­o­nal per­mi­ti­rá a anu­la­ção do efei­to das va­ri­a­ções cam­bi­ais so­bre os mon­tan­tes da amor­ti­za­ção da dí­vi­da, per­mi­tin­do o pa­ga­men­to ape­nas do va­lor das pres­ta­ções em mo­e­das na­ci­o­nais pre­vi­a­men­te es­ta­be­le­ci­dos.

 ?? VIGAS DA PURIFICAÇíO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO ?? Leão Pe­res pre­vê per­das pa­ra a ban­ca e ga­nhos pa­ra o pú­bli­co
VIGAS DA PURIFICAÇíO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Leão Pe­res pre­vê per­das pa­ra a ban­ca e ga­nhos pa­ra o pú­bli­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola