Jornal de Angola

Par­ti­dos apon­tam si­nais po­si­ti­vos da go­ver­na­ção

- Ade­li­na Iná­cio Corruption · Politics · Crime · South American Community of Nations · MPLA · Angola · Como · National Liberation Front of Angola · Plano

De­pu­ta­dos da CASA-CE, PRS e FNLA con­si­de­ram o com­ba­te à cor­rup­ção, o anún­cio pa­ra a re­a­li­za­ção das elei­ções au­tár­qui­cas e a trans­mis­são em di­rec­to dos de­ba­tes na As­sem­bleia Na­ci­o­nal si­nais po­si­ti­vos da go­ver­na­ção de João Lou­ren­ço, que com­ple­ta, ho­je, três anos des­de que as­su­miu a Pre­si­dên­cia. Mas tam­bém apon­tam o que ta­xam co­mo “er­ros na go­ver­na­ção” ou o que po­dia ser fei­to da me­lhor ma­nei­ra

O pre­si­den­te do gru­po par­la­men­tar da CASA-CE, Ale­xan­dre Se­bas­tião An­dré, in­di­cou, co­mo po­si­ti­vo, na go­ver­na­ção de João Lou­ren­ço, a trans­mis­são em di­rec­to dos de­ba­tes na As­sem­bleia Na­ci­o­nal , o com­ba­te à cor­rup­ção e a iden­ti­fi­ca­ção de al­guns “ma­rim­bon­dos”. Ale­xan­dre An­dré en­co­ra­jou o Che­fe de Es­ta­do a ser mais ac­ti­vo na sua po­lí­ti­ca de com­ba­te à cor­rup­ção.

“O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de­ve ser mais ac­ti­vo, co­mo es­te­ve no pri­mei­ro ano de go­ver­na­ção. Propôs a Lei de Re­pa­tri­a­men­to Vo­lun­tá­rio e, de­pois, sur­giu a Lei de Re­pa­tri­a­men­to Co­er­ci­vo”, lem­brou. O de­pu­ta­do en­co­ra­jou João Lou­ren­ço a ter for­ça pa­ra pros­se­guir com o com­ba­te à cor­rup­ção.

“Sa­be­mos que o Pre­si­den­te es­tá em­bru­lha­do, por­que es­ta si­tu­a­ção to­da tem co­mo epi­cen­tro o pró­prio MPLA, par­ti­do que ele di­ri­ge, e, por is­so, tem mui­tas di­fi­cul­da­des pa­ra le­var o bar­co a bom por­to”, re­co­nhe­ceu.

No en­ten­der de Ale­xan­dre An­dré, os três anos de go­ver­na­ção de João Lou­ren­ço fo­ram di­vi­di­dos em dois mo­men­tos. No pri­mei­ro, cri­ou uma gran­de ex­pec­ta­ti­va po­si­ti­va aos an­go­la­nos, pe­la for­te di­nâ­mi­ca que im­ple­men­tou com vis­ta a ti­rar An­go­la do ma­ras­mo em que se en­con­tra­va.

“Vi­mos um Pre­si­den­te João Lou­ren­ço que fa­zia tra­ba­lho da pró­pria opo­si­ção. A opo­si­ção qua­se que es­ta­va des­trun­fa­da, por­que tu­do o que exi­gia e pres­si­o­na­va o Pre­si­den­te João Lou­ren­ço ti­nha aqui­lo co­mo ca­va­lo de ba­ta­lha e foi im­ple­men­tan­do”, ad­mi­tiu.

O se­gun­do mo­men­to, acres­cen­tou, ve­ri­fi­cou-se de­pois de o Che­fe de Es­ta­do ter con­quis­ta­do a sim­pa­tia na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal.

“No­tá­mos o Pre­si­den­te João Lou­ren­ço a abran­dar a sua ac­ti­vi­da­de. O com­ba­te à cor­rup­ção, que ini­ci­ou com mui­ta for­ça, co­me­çou a des­fa­le­cer. Mes­mo com­ba­ten­do a cor­rup­ção, no as­pec­to eco­nó­mi­co, foi-se no­tan­do um gran­de des­li­ze eco­nó­mi­co e so­ci­al e, com is­so, a po­bre­za ex­tre­ma que o po­vo en­fren­ta até aos di­as de ho­je”, dis­se.

Pa­ra sus­ten­tar a sua te­se, o de­pu­ta­do re­fe­riu que, nos úl­ti­mos dois anos, “An­go­la con­ti­nua a fa­zer par­te da lis­ta dos 10 paí­ses que es­tão co­no­ta­dos co­mo sem fu­tu­ro, e on­de é di­fí­cil vi­ver e com a mai­or ta­xa de mor­ta­li­da­de cau­sa­da por do­en­ças evi­tá­veis, co­mo a ma­lá­ria e a tu­ber­cu­lo­se”.

Pa­ra Ale­xan­dre An­dré, há um re­tro­ces­so nas li­ber­da­des de im­pren­sa e na li­vre ma­ni­fes­ta­ção. Ne­nhum pas­so foi da­do com vis­ta à des­cen­tra­li­za­ção do po­der po­lí­ti­co e não há im­ple­men­ta­ção das au­tar­qui­as. “O po­der es­tá ca­da vez mais cen­tra­li­za­do”, la­men­tou.

Pa­ra agra­var a si­tu­a­ção, acres­cen­tou, há, ain­da, a in­ten­ção de se res­trin­gi­rem as ac­ti­vi­da­des par­la­men­ta­res. “A As­sem­bleia Na­ci­o­nal não tem a pos­si­bi­li­da­de de, em no­me do po­vo, fa­zer o seu tra­ba­lho de fis­ca­li­za­ção dos ac­tos do Exe­cu­ti­vo”, dis­se.

Ale­xan­dre Se­bas­tião An­dré dis­se, ain­da, que exis­te fal­ta de trans­pa­rên­cia no com­ba­te à cor­rup­ção e na exe­cu­ção de in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos or­ça­men­ta­dos. O de­pu­ta­do re­fe­riu-se ao Pla­no In­te­gra­do de In­ter­ven­ção nos Mu­ni­cí­pi­os (PIIM) e ou­tros pro­gra­mas do Exe­cu­ti­vo.

“Con­ti­nua a ha­ver so­bre­fac­tu­ra­ção nas obras. Sa­be­mos que o Pre­si­den­te es­tá agas­ta­do, mas de tu­do o que de er­ra­do fi­ze­rem os seus au­xi­li­a­res, na­tu­ral­men­te, o pe­so re­cai so­bre ele, por­que ele é o Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo.

O po­lí­ti­co re­co­nhe­ceu o em­pe­nho do Exe­cu­ti­vo no re­pa­tri­a­men­to do di­nhei­ro que se en­con­tra fo­ra do país, mas la­men­tou o fac­to de mui­tos ges­to­res não es­ta­rem, ain­da, a res­pon­der na Jus­ti­ça. “Sa­be­mos que o di­nhei­ro es­tá fo­ra, há um exer­cí­cio pa­ra o seu re­pa­tri­a­men­to, mas aque­les que ele cha­mou ‘ma­rim­bon­dos’ con­ti­nu­am in­tac­tos”, dis­se.

Pa­ra o lí­der da ban­ca­da da CASA-CE, não exis­te, no país, uma clas­se mé­dia al­ta, por­que há uma des­va­lo­ri­za­ção da mo­e­da e, com is­so, a des­va­lo­ri­za­ção dos sa­lá­ri­os. Co­mo se não bas­tas­se, acres­cen­tou, há a co­bran­ça de im­pos­tos pa­ra re­du­zir, ain­da mais, o po­der de com­pra dos ci­da­dãos.

Ale­xan­dre Se­bas­tião An­dré acres­cen­tou que o Par­la­men­to apro­va mui­tas leis que pre­ju­di­cam o ci­da­dão.

 ??  ??
 ??  ?? Ale­xan­dre
An­dré
Ale­xan­dre An­dré

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola