Jornal de Angola

Re­tor­no das igre­jas

- Religion · Luanda · Angola · Como

Sou ma­li­a­no re­si­den­te le­gal em Luanda, mu­çul­ma­no de con­fis­são re­li­gi­o­sa e es­cre­vo pa­ra o Jor­nal de An­go­la pa­ra fe­li­ci­tar a ini­ci­a­ti­va das au­to­ri­da­des ao au­to­ri­za­rem a re­a­ber­tu­ra, nu­ma pri­mei­ra fa­se, das igre­jas pa­ra os sá­ba­dos e do­min­gos. Foi uma me­di­da co­ra­jo­sa por­que o ho­mem de­ve vi­ver do pão e da pa­la­vra de Deus, ra­zão pe­la qual o lon­go tempo de in­ter­reg­no es­ta­va a cau­sar mui­ta pre­o­cu­pa­ção no seio da co­mu­ni­da­de re­li­gi­o­sa. Co­mo mu­çul­ma­no, es­tou con­ten­te pe­la for­ma co­mo a mi­nha re­li­gião se en­qua­dra e se in­se­re no te­ci­do so­ci­al an­go­la­no.

Co­mo dis­se há di­as um re­pre­sen­tan­te da re­li­gião mu­çul­ma­na em An­go­la, nós mu­çul­ma­nos va­mos con­ti­nu­ar a obe­de­cer as ori­en­ta­ções das au­to­ri­da­des no sen­ti­do de man­ter os por­tões das nos­sas mes­qui­tas en­cer­ra­das até no­vas or­dens. Or­dens são or­dens e nós es­ta­mos aqui em An­go­la pa­ra cum­prir com o que as au­to­ri­da­des de­ter­mi­nam, fac­to que per­mi­te as re­la­ções cor­di­ais.

Co­mo um Es­ta­do que res­pei­ta a li­ber­da­de de cul­to, acre­di­to que, e es­ta é mi­nha opi­nião pes­so­al, as au­to­ri­da­des an­go­la­nos vão pro­cu­rar for­mas de aco­lher as ne­ces­si­da­des es­pi­ri­tu­ais dos ou­tros gru­pos que se vi­ram fo­ra da ori­en­ta­ção de re­a­ber­tu­ra aos sá­ba­dos e do­min­gos. Va­mos con­ti­nu­ar a aguar­dar pe­los pró­xi­mos tem­pos, na cer­te­za de que os es­for­ços con­tra a Co­vid-19 sur­tam os efei­tos de­se­ja­dos pa­ra um re­gres­so bre­ve ou tão lo­go quan­to pos­sí­vel à nor­ma­li­da­de.

MOHAMMED FOFANA Már­ti­res do Ki­fan­gon­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola