INSS não po­de exi­gir que apo­sen­ta­do de­vol­va gra­na

Pa­ra o jui­za­do, o se­gu­ra­do não po­de ser obri­ga­do a de­vol­ver gra­na se o er­ro foi do INSS

Agora - - Grana - (La­ris­sa Quin­ti­no)

Uma de­ci­são da Jus­ti­ça po­de aju­dar se­gu­ra­dos que es­tão sen­do co­bra­dos pe­lo INSS (Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Seguro So­ci­al) a não pre­ci­sa­rem de­vol­ver a gra­na dos be­ne­fí­ci­os pa­gos a mais por er­ro co­me­ti­do pe­lo pró­prio ins­ti­tu­to.

Um apo­sen­ta­do do Ce­a­rá que foi co­bra­do pe­lo au­xí­li­o­a­ci­den­te con­se­guiu a vi­tó­ria na TNU (Tur­ma Na­ci­o­nal de Uni­for­mi­za­ção dos Jui­za­dos Es­pe­ci­ais Fe­de­rais). O ho­mem de 75 anos re­ce­bia o be­ne­fí­cio in­de­ni­za­tó­rio des­de 1997 e se apo­sen­tou em 2003.

Por lei, o au­xí­lio-aci­den­te é cor­ta­do quan­do a apo­sen­ta­do­ria é con­ce­di­da. No ca­so des­se se­gu­ra­do, o ins­ti­tu­to pa­gou o be­ne­fí­cio até 2013, mas de­pois co­brou os va­lo­res pa­gos pe­lo er­ro.

O apo­sen­ta­do en­trou com ação pe­din­do uma cer­ti­dão de que não de­via na­da ao INSS, por não sa­ber que re­ce­bia mais do que te­ria di­rei­to.

De acor­do com a de­ci­são, co­mo o se­gu­ra­do re­ce­beu a ver­ba ali­men­tar de boa-fé, pa­ga por er­ro de in­ter­pre­ta­ção da ad­mi­nis­tra­ção, não é pre­ci­so de­vol­ver a gra­na.

Na sen­ten­ça, o re­la­tor do ca­so, juiz fe­de­ral Ata­nair Nas­ser Ri­bei­ro Lo­pes, des­ta­ca que es­se ti­po de si­tu­a­ção é di­fe­ren­te da­que­las em que o se­gu­ra­do vai à Jus­ti­ça e con­se­gue um be­ne­fí­cio por tu­te­la an­te­ci­pa­da, que de­pois po­de ser can­ce­la­da.

O ad­vo­ga­do Rô­mu­lo Sa­rai­va ex­pli­ca que a de­ci­são da TNU fi­xa um en­ten­di­men­to pa­ra as ações dos JEFs (Jui­za­dos Es­pe­ci­ais Fe­de­rais) e fa­ci­li­ta que os se­gu­ra­dos bar­rem des­con­tos por er­ros do INSS, co­mo re­vi­sões nun­ca so­li­ci­ta­das que são con­ce­di­das e de­pois der­ru­ba­das.

Po­de mu­dar

A de­ci­são, no en­tan­to, não é de­fi­ni­ti­va, já que o STJ (Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça) irá jul­gar um re­cur­so pa­ra que um mes­mo en­ten­di­men­to se­ja apli­ca­do em to­das as ins­tân­ci­as. No re­cur­so, se­rá ava­li­a­da se a de­vo­lu­ção é apli­cá­vel pa­ra to­dos os ti­pos de pagamento in­de­vi­do, tan­to os de boa-fé, quan­to nos que o se­gu­ra­do pro­cu­rou le­var van­ta­gem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.