Ce­lu­lar da Mo­to­ro­la tem fa­lhas, diz cli­en­te

Lei­to­ra afir­ma que não con­se­gue gra­var áu­di­os nem re­ce­ber ou fa­zer qual­quer cha­ma­da te­lefô­ni­ca

Agora - - Trabalho -

A do­na de casa Da­ni­e­la Apa­re­ci­da da Silva, 33 anos, do Jar­dim Bra­sil (zo­na nor­te), con­ta que, no dia 26 de ju­nho, com­prou um ce­lu­lar Mo­to­ro­la G5, por R$ 999, que apre­sen­tou de­fei­to com uma se­ma­na de uso. “Não con­si­go gra­var áu­di­os no What­sApp, além de não fa­zer nem re­ce­ber cha­ma­das te­lefô­ni­cas. Ou se­ja, o apa­re­lho não fun­ci­o­na”, quei­xa-se.

A lei­to­ra diz que re­tor­nou à lo­ja on­de com­prou o ce­lu­lar.

“Ao ana­li­sá-lo, o aten­den­te no­tou que a ba­te­ria es­ta­va es­tu­fa­da, o que cau­sou mar­cas na capa traseira. Fui ori­en­ta­da a pro­cu­rar a as­sis­tên­cia, di­zen­do que se­ria pa­ra tro­car o pro­du­to.”

Da­ni­e­la afir­ma que le­vou o ce­lu­lar na au­to­ri­za­da.

“Dis­se­ram que a ba­te­ria es­ta­va nor­mal. Dei­xei-o pa­ra aná­li­se e, pa­ra mi­nha sur­pre­sa, ao re­ti­rá-lo, o lau­do re­la­ta que a ba­te­ria es­tá es­tu­fa­da, que o pro­du­to apre­sen­ta em­pe­na­men­to, mas que eu de­ve­ria pa­gar por es­se re­pa­ro. Ou se­ja, nem se- quer me­xe­ram no ce­lu­lar”, quei­xa-se ao Ago­ra.

“Que­ro que fa­çam a tro­ca ou ao me­nos o con­ser­to do apa­re­lho den­tro da ga­ran­tia, pois é ab­sur­do ale­ga­rem que hou­ve mau uso de mi­nha parte. Con­si­de­ro um des­res­pei­to com o ci­da­dão”, diz. Mo­to­ro­la Tel.: (11) 4002-1244

Fa­bio Men­des/Folhapress

Da­ni­e­la Apa­re­ci­da da Silva con­ta que le­vou o apa­re­lho na as­sis­tên­cia téc­ni­ca, mas re­cla­ma que a Mo­to­ro­la quer co­brar pa­ra re­a­li­zar o con­ser­to de seu ce­lu­lar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.