Pre­fei­tu­ra diz que fez re­a­de­qua­ção de cro­no­gra­ma

Agora - - Primeira Página - (RS)

A Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal da Saú­de, da ges­tão João Do­ria (PSDB), dis­se que as obras nas qua­tro UPAs fo­ram pror­ro­ga­das pa­ra “re­a­de­qua­ção do cro­no­gra­ma”, mas não es­tão pa­ra­das. Na UPA Ti­to Lopes, que não ti­nha ne­nhum ope­rá­rio tra­ba­lhan­do on­tem, a se­cre­ta­ria dis­se que o rit­mo da obra se­rá in­ten­si­fi­ca­do a “par­tir da li­be­ra­ção de re­cur­sos” e de­ve fi­car pron­ta até ju­nho. Atu­al­men­te es­tá com 60% da obra pron­ta. So­bre o ma­to, dis­se que a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal das Pre­fei­tu­ras Re­gi­o­nais pro­vi­den­ci­a­rá a lim­pe­za.

A UPA Pe­rus, que es­tá com 45% da obra con­cluí­da, de­ve fi­car pron­ta até de­zem­bro, afir­ma. As UPAs Ju­lio Tupy e Pi­ri­tu­ba, que es­tão com 60% da obra con­cluí­da, de­vem ser en­tre­gues em ju­nho, diz a se­cre­ta­ria.

O Mi­nis­té­rio da Saú­de dis­se que ca­da uma das qua­tro UPAs te­ve in­ves­ti­men­to de R$ 4 mi­lhões do go­ver­no fe­de­ral, sen­do que já fo­ram re­pas­sa­dos um to­tal de R$ 3,6 mi­lhões, re­fe­ren­te à pri­mei­ra e à se­gun­da par­ce­las.

Se­gun­do o mi­nis­té­rio, o res­tan­te da gra­na se­rá en­vi­a­do de­pois que a Pre­fei­tu­ra de São Pau­lo apre­sen­tar ates­ta­do de con­clu­são no Sis­te­ma de Mo­ni­to­ra­men­to de Obras.

A ges­tão João Do­ria (PSDB) vol­tou a pror­ro­gar as obras pa­ra construção de qua­tro UPAs (Uni­da­des de Pron­to Aten­di­men­to) nas zo­nas les­te e nor­te da ca­pi­tal. As obras já ti­nham si­do pror­ro­ga­das em mar­ço do ano pas­sa­do.

Se­gun­do des­pa­cho pu­bli­ca­do no úl­ti­mo dia 7 no “Diário Ofi­ci­al” da ci­da­de, o con­tra­to pa­ra construção das UPAs Pe­rus e Pi­ri­tu­ba, na zo­na nor­te, e as UPAs Jú­lio Tupy, em La­je­a­do, e Ti­to Lopes, em São Mi­guel Pau­lis­ta, am­bas na zo­na les­te, foi pror­ro­ga­do por até 180 di­as cor­ri­dos (ve­ja mais de­ta­lhes no qua­dro ao la­do).

Em mar­ço do ano pas­sa­do, as obras ha­vi­am si­do sus­pen­sas por fal­ta de gra­na e pror­ro­ga­das por mais 300 di­as. Fo­ram re­to­ma­das em ju­lho da­que­le ano.

A construção des­sas qua­tro uni­da­des es­tá no mes­mo con­tra­to, com a cons­tru­to­ra Pro­gre­di­or Lt­da., que foi as­si­na­do du­ran­te ges­tão do ex-pre­fei­to Fer­nan­do Had- dad (PT), com par­te dos re­cur­sos vin­da do Mi­nis­té­rio da Saú­de. As obras co­me­ça­ram em 2015 e de­ve­ri­am ter­mi­nar até de­zem­bro de 2016. An­tes da pror­ro­ga­ção da se­ma­na pas­sa­da, a pre­vi­são era que as uni­da­des fi­cas­sem pron­tas até ju­lho des­te ano. Ago­ra, de­vem ser con­cluí­das até de­zem­bro des­te ano.

Cons­tru­to­ra

A Pro­gre­di­or dis­se em nota que no ano pas­sa­do a ges­tão Do­ria re­pas­sou par­te da gra­na pa­ra con­ti­nu­ar as obras. Po­rém, não dis­se qual o va­lor. O cus­to pa­ra cons­truir ca­da uni­da­de é de R$ 6 mi­lhões, apro­xi­ma­da­men­te.

Por en­quan­to, a cons­tru­to­ra dis­se que aguar­da re­tor­no da Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal da Saú­de pa­ra sa­ber se te­rá re­pas­se de ver­ba nes­te ano pa­ra con­cluir as obras.

Se­gun­do a Pro­gre­di­or, as pror­ro­ga­ções do con­tra­to tra­zem pre­juí­zo pa­ra a em­pre­sa, que tem que man­ter um vi­gi­lan­te em ca­da obra, além de equi­pes pa­ra aten­der a pre­fei­tu­ra.

A cons­tru­to­ra dis­se ain­da que, du­ran­te a sus­pen­são da obra, tem que pa­gar as con­tas de con­su­mo dos pré­di­os, co­mo água e luz. Es­ses cus­tos, diz a Pro­gre­di­or, fo­ram pre­vis­tos pa­ra 12 me­ses de obra, o que não ocor­reu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.