Se­gre­dos de cam­peã

A Aca­dê­mi­cos do Ta­tu­a­pé ino­va com aná­li­se de no­tas dos ju­ra­dos e ‘sam­bis­ta de car­tei­ri­nha’

Agora - - Primeira Página -

Quem vê fan­ta­sia, mui­tas ve­zes, não vê ad­mi­nis­tra­ção. Pois por trás de to­da a be­le­za que le­vou a Aca­dê­mi­cos do Ta­tu­a­pé ao bi­cam­pe­o­na­to do Car­na­val em 2018 es­tá um es­ti­lo de ges­tão em­pre­sa­ri­al, que con­ta com aná­li­se de­ta­lha­da so­bre no­tas da­das por ju­ra­dos em anos an­te­ri­o­res e até “sam­bis­tas de car­tei­ri­nha”, com um pro­gra­ma de as­so­ci­a­dos que dá fan­ta­sia pa­ra quem pa­ga R$ 80 anu­ais e se de­di­ca a en­sai­os.

Fun­da­da em 1952, a Ta­tu­a­pé che­gou a fi­car qua­tro anos sem des­fi­lar nos anos 80. Es­ta­va fo­ra do Car­na­val.

O mo­de­lo foi im­plan­ta­do pe­lo pre­si­den­te Edu­ar­do dos San­tos, em parceria com seus di­re­to­res, e deu re­sul­ta­do. Des­de que vol­tou ao Gru­po Es­pe­ci­al em 2013, con­se­guiu um vi­ce, além do bi.

A es­co­la for­ne­ce as fan­ta- si­as pa­ra os as­so­ci­a­dos, mas co­bra a de­vo­lu­ção após a fo­lia. Elas são re­a­pro­vei­ta­das. “Fa­ze­mos to­da a se­pa­ra­ção. Pri­mei­ro, da plu­ma­gem. De­pois pe­dra­ri­as, te­ci­dos e ara­mes. Mon­ta­mos um ca­tá­lo­go com tu­do o que a gen­te tem. Nes­te ano, eco­no­mi­za­mos en­tre R$ 600 mil e R$ 700 mil com is­so”, diz. “Nun­ca ti­ve­mos um gran­de pa­tro­ci­na­dor, en­tão ten­ta­mos di­mi­nuir as des­pe­sas”, con­ta.

San­tos é um es­tu­di­o­so do Car­na­val des­de a ado­les­cên­cia, daí a von­ta­de de ana­li­sar as no­tas com sua equi­pe. “É pre­ci­so en­ten­der o que é pe­na­li­za­do e se pre­pa­rar pa­ra não re­ce­ber es­sas pu­ni­ções.”

A Ta­tu­a­pé tam­bém con­ta com pes­so­as que, do al­to das ar­qui­ban­ca­das do Anhem­bi, mo­ni­to­ram tan­to en­sai­os quan­to o des­fi­le. É uma for­ma de ter o pon­to de vis­ta dos ju­ra­dos.

San­tos diz que tan­to mé­to­do é pa­ra que tu­do flua na­tu­ral­men­te. “A gen­te não quer le­var uma procissão bu­ro­crá­ti­ca, de pes­so­as ro­bo­ti­za­das. So­mos a fa­vor da li­ber­da­de, mas qu­e­re­mos que is­so acon­te­ça de for­ma que não nos pe­na­li­ze”, afir­ma.

Rob­son Ven­tu­ra/Fo­lha­press

In­te­gran­tes da ala das bai­a­nas exi­bem as car­tei­ri­nhas na qua­dra da es­co­la de sam­ba Aca­dê­mi­cos do Ta­tu­a­pé (zo­na les­te); es­co­la faz aná­li­se dos ju­ra­dos e in­sis­te na fi­de­li­da­de dos fre­quen­ta­do­res pa­ra ven­cer

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.