Com 161 lei­tos, no­vo pré­dio do HGE co­me­ça aten­di­men­tos ho­je

Correio da Bahia - - Bahia - ALEXANDRO MO­TA

SAÚ­DE De­pois de três anos em cons­tru­ção, a no­va uni­da­de do Hos­pi­tal Ge­ral do Es­ta­do (HGE), ba­ti­za­da de HGE 2, em Bro­tas, co­me­ça a re­ce­ber os pri­mei­ros pa­ci­en­tes ho­je. São 11 sa­las ci­rúr­gi­cas e 161 no­vos lei­tos, sen­do 52 de Uni­da­de de Te­ra­pia In­ten­si­va (UTI) e 34 de cui­da­dos in­ter­me­diá­ri­os. A ex­pec­ta­ti­va da di­re­ção da uni­da­de é que a fi­la dos pa­ci­en­tes que aguar­dam o cha­ma­do se­gun­do tem­po ci­rúr­gi­co se­ja ex­tin­ta em até dois me­ses. Atu­al­men­te, en­tre 30 e 40 pes­so­as es­pe­ram por uma no­va ci­rur­gia de­pois da re­a­li­za­ção da pri­mei­ra. “Ho­je, a gen­te tem um cen­tro ci­rúr­gi­co que não com­por­ta ape­nas a ci­rur­gia de ur­gên­cia e a gen­te pre­ci­sa­va de um equi­pa­men­to pa­ra dar va­zão aos pro­ce­di­men­tos de­pois da ci­rur­gia do pri­mei­ro tem­po. Por ve­zes, sus­pen­de­mos se­te, oi­to ve­zes a ci­rur­gia por­que na emergência não pa­ra de che­gar (pa­ci­en­te)”, afir­mou Jor­ge Matheus. O HGE 2 foi inau­gu­ra­do on­tem pe­lo go­ver­na­dor Rui Cos­ta, que anun­ci­ou ain­da a re­for­ma do HGE 1. “Va­mos pro­mo­ver uma mo­der­ni­za­ção das uni­da­des, pro­gres­si­va­men­te, a par­tir do cen­tro de quei­ma­dos, e va­mos co­lo­car o HGE 1 no mes­mo pa­drão des­se aqui (o 2). Nós não va­mos fe­char lei­tos. Vai ser ala por ala”, dis­se Rui. A no­va es­tru­tu­ra con­ta com oi­to pa­vi­men­tos e 14 mil me­tros qua­dra­dos de área cons­truí­da. Fo­ram in­ves­ti­dos R$ 86 mi­lhões em obras, equi­pa­men­tos e apa­re­lha­gem. Se­gun­do o go­ver­no es­ta­du­al, fo­ram con­tra­ta­dos 1.200 pro­fis­si­o­nais pa­ra atu­ar no HGE 2 que se so­mam aos 3 mil tra­ba­lha­do­res do HGE 1. Se­gun­do o se­cre­tá­rio es­ta­du­al da Saú­de, Fá­bio Vi­las-Bo­as, a obra do HGE 2 era pa­ra ser en­tre­gue em de­zem­bro de 2015, o que sig­ni­fi­ca um atra­so de no­ve me­ses. O se­cre­tá­rio ex­pli­cou que a de­mo­ra na en­tre­ga do no­vo pré­dio foi de­vi­do à “len­ti­dão dos pro­ces­sos de li­ci­ta­ção” e a “pe­que­nos er­ros de pro­je­to, que pre­ci­sa­ram ser adap­ta­dos”. Atu­al­men­te, o hos­pi­tal faz 300 aten­di­men­tos por dia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.