Obra no Cen­tro de Con­ven­ções não ti­nha al­va­rá da Su­com

Correio da Bahia - - Bahia -

DESMORONAMENTO A obra que era re­a­li­za­da no lo­cal em que ocor­reu o de­sa­ba­men­to de par­te da es­tru­tu­ra do Cen­tro de Con­ven­ções, na sex­ta-fei­ra, era ir­re­gu­lar. A re­for­ma do pri­mei­ro e se­gun­do an­da­res, com ins­ta­la­ção de ti­ran­tes de sus­ten­ta­ção en­tre os pa­vi­men­tos, não ti­nha au­to­ri­za­ção da Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Ur­ba­nis­mo (Su­com). “Es­sas re­for­mas não fo­ram ob­je­to de li­cen­ci­a­men­to da Su­com. Qual­quer obra tem que ter nos­sa au­to­ri­za­ção. Nem o es­ta­do, nem a em­pre­sa res­pon­sá­vel nos so­li­ci­tou al­va­rá”, apon­tou Sér­gio Gu­a­na­ba­ra, se­cre­tá­rio da Su­com. “Is­so é mui­to gra­ve. Uma obra pú­bli­ca des­se por­te es­ta­va ir­re­gu­lar. Deu no que deu”, re­for­çou. A Su­com in­for­mou ain­da que, des­de me­a­dos de 2015, o Cen­tro de Con­ven­ções es­tá in­ter­di­ta­do pe­lo ór­gão, que de­ter­mi­nou a eva­cu­a­ção do pré­dio, o que foi ob­je­to de re­co­men­da­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co na épo­ca. So­bre a fal­ta de al­va­rá, a Se­cre­ta­ria es­ta­du­al da Co­mu­ni­ca­ção (Se­com) não en­vi­ou ex­pli­ca­ções até o fe­cha­men­to da edi­ção. On­tem, o au­tor do pro­je­to es­tru­tu­ral do Cen­tro de Con­ven­ções, na dé­ca­da de 1970, o en­ge­nhei­ro ci­vil Car­los Emí­lio Me­ne­ses Strau­ch, dis­se que hou­ve de­mo­ra no iní­cio das obras da­que­la eta­pa da re­for­ma. Ele con­fir­mou que o pro­je­to de re­for­ço da es­tru­tu­ra, tam­bém de sua au­to­ria, es­ta­va pron­to des­de o ano pas­sa­do. “Em no­vem­bro, fe­cha­mos o or­ça­men­to da obra. Mas até an­tes dis­so apre­sen­ta­mos o pro­je­to ao es­ta­do e re­co­men­da­mos que fos­se exe­cu­ta­do de for­ma emer­gen­ci­al”, con­tou. Acon­te­ce que, mes­mo com a re­co­men­da­ção de emergência do ano pas­sa­do, a or­dem de ser­vi­ço des­ta eta­pa da re­for­ma só foi emi­ti­da no úl­ti­mo dia 8. A Se­cre­ta­ria es­ta­du­al do Tu­ris­mo in­for­mou que a re­for­ma foi con­du­zi­da de fo­ram emer­gen­ci­al e cum­priu to­das as exi­gên­ci­as le­gais. Ti­tu­lar da Se­tur na épo­ca em que o pro­je­to de re­for­ma foi fei­to, Nel­son Pe­le­gri­no dis­se que “en­tra­ves bu­ro­crá­ti­cos” atra­sa­ram a obra. “Con­tra­ta­mos uma con­sul­ta­ria que deu um pa­re­cer. Es­ta­va tu­do sen­do fei­to den­tro do cro­no­gra­ma. Ago­ra, te­mos en­tra­ves bu­ro­crá­ti­cos no país em re­la­ção a li­ci­ta­ções e que, de cer­ta for­ma, atra­sa­ram eta­pas. Mas se­gui à ris­ca o ro­tei­ro da con­sul­to­ria. Dei­xei tu­do li­ci­ta­do”. Se­gun­do o go­ver­na­dor

Rui Cos­ta, fo­ram con­tra­ta­das em­pre­sas es­pe­ci­a­li­za­das e “o equi­pa­men­to es­ta­va em obras de re­for­ço es­tru­tu­ral”. “O pre­juí­zo ma­te­ri­al foi me­nor do que a per­da de vi­das”, co­men­tou. O ser­vi­ço con­sis­tia em subs­ti­tuir 21 ti­ran­tes em adi­an­ta­do es­ta­do de cor­ro­são e com­pro­me­ti­am a es­ta­bi­li­da­de do tre­cho es­tru­tu­ral da­que­le ní­vel do pré­dio. A oxi­da­ção das pe­ças de li­ga­ção dos ti­ran­tes com as vi­gas do pi­so pro­va­vel­men­te cau­sou o desmoronamento. “Es­sas li­ga­ções es­ta­vam bem oxi­da­das”, ex­pli­cou o en­ge­nhei­ro. O co­or­de­na­dor da Câ­ma­ra de En­ge­nha­ria Ci­vil do Con­se­lho Re­gi­o­nal de En­ge­nha­ria e Agro­no­mia da Bahia (Crea-BA), Luiz Ed­mun­do Cam­pos, dis­se que 20 dos 21 no­vos ti­ran­tes che­ga­ram a ser po­si­ci­o­na­dos pa­ra subs­ti­tui­ção. Res­ta­va ape­nas a sol­da­gem das pe­ças nas vi­gas. “A sol­da­gem es­ta­va em fa­se de tes­tes quan­do a es­tru­tu­ra não aguen­tou”, re­ve­lou. A em­pre­sa Metro En­ge­nha­ria e Con­sul­to­ria, exe­cu­to­ra dos ser­vi­ços de re­cu­pe­ra­ção e subs­ti­tui­ção de vi­gas e pi­la­res me­tá­li­cos, apre­sen­tou re­la­tó­rio do pró­prio en­ge­nhei­ro res­pon­sá­vel, on­de ele exi­me a em­pre­sa de res­pon­sa­bi­li­da­de. “A Metro não te­ve ne­nhu­ma res­pon­sa­bi­li­da­de no ocor­ri­do e is­to só ocor­reu de­vi­do ao adi­an­ta­do grau de oxi­da­ção das li­ga­ções dos ti­ran­tes ori­gi­nais com as vi­gas do ní­vel 33”. On­tem à noi­te ter­mi­nou o pra­zo de 72 ho­ras da­do pe­lo go­ver­no pa­ra que a es­tru­tu­ra do pré­dio se es­ta­bi­li­zas­se e fos­se ini­ci­a­da a pe­rí­cia. O De­par­ta­men­to de Po­lí­cia Téc­ni­ca in­for­mou que pe­ri­tos vi­si­ta­rão o lo­cal ho­je pa­ra acom­pa­nhar no­va aná­li­se do Cor­po de Bom­bei­ros na área que ce­deu. Se for ates­ta­do que o lo­cal não ofe­re­ce ris­cos, a pe­rí­cia se­rá ini­ci­a­da.

Par­te da ro­ta­tó­ria do Cen­tro es­tá in­ter­di­ta­da; car­ros di­vi­dem úni­ca via

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.