Fa­mí­lia diz que fi­lho de ca­sal mor­to em Pla­ca­ford é ino­cen­te

Correio da Bahia - - Bahia - BRU­NO WENDEL

VI­O­LÊN­CIA Pa­ren­tes do es­tu­dan­te de En­ge­nha­ria Me­câ­ni­ca Bru­ce Ha­bib, 25, fi­lho do ca­sal mor­to em um lo­te­a­men­to de clas­se mé­dia al­ta, no Jar­dim Pla­ca­ford, no úl­ti­mo domingo, acre­di­tam na ino­cên­cia do jo­vem. Úni­co so­bre­vi­ven­te do cri­me, ele tam­bém foi amar­ra­do co­mo os pais, mas con­se­guiu es­ca­par dos cri­mi­no­sos, que ain­da não fo­ram pre­sos. So­bri­nhos, fi­lha e a ir­mã de uma das ví­ti­mas fo­ram ou­vi­dos on­tem no De­par­ta­men­to de Ho­mi­cí­di­os e Pro­te­ção à Pes­soa (DHPP), que in­ves­ti­ga o ca­so, mas o con­teú­do dos de­poi­men­tos não foi di­vul­ga­do. Os cor­pos do pro­je­tis­ta in­dus­tri­al Re­na­to Gif­fo­ni Ha­bib, 58 anos, e da do­na de ca­sa Né­li­da Cris­ti­na Oli­vei­ra Ha­bib, 55, en­con­tra­dos amar­ra­dos e amor­da­ça­dos na ca­sa on­de mo­ra­vam há 22 anos, fo­ram en­ter­ra­dos, na ma­nhã de on­tem, no ce­mi­té­rio Cam­po San­to, na Fe­de­ra­ção. “A fa­mí­lia achou me­lhor que ele (Bru­ce) não vi­es­se (ao en­ter­ro) pa­ra evi­tar o as­sé­dio da im­pren­sa. Ele pas­sou o domingo e a se­gun­da pres­tan­do de­poi­men­to à po­lí­cia. Pa­ra nós, que li­da­mos com o Di­rei­to, é co­mum ter co­mo prin­ci­pal sus­pei­to uma tes­te­mu­nha no ca­so em que não há mais nin­guém na ce­na de um cri­me. Só a in­ves­ti­ga­ção pa­ra di­zer. Mas a fa­mí­lia não acre­di­ta no en­vol­vi­men­to de­le nas mor­tes”, de­cla­rou um pri­mo, que é ad­vo­ga­do. A de­le­ga­da An­drea Ri­bei­ro, co­or­de­na­do­ra da 1ª De­le­ga­cia de Ho­mi­cí­di­os (DH/ Atlân­ti­co), dis­se an­te­on­tem, em uma co­le­ti­va no DHPP, que a po­lí­cia tra­ba­lha com li­nhas de in­ves­ti­ga­ção e que o en­vol­vi­men­to do fi­lho po­de ser uma de­las. On­tem, ela não deu no­vas en­tre­vis­tas. “Ele os ama­va. No Fa­ce­bo­ok de Bru­ce tem vá­ri­as de­cla­ra­ções de amor à mãe. Ele e o pai eram mui­to ami­gos”, de­cla­rou o pri­mo, que pre­fe­riu não se iden­ti­fi­car. Além de amar­ra­do e amor­da­ça­do, o ca­sal foi en­con­tra­do com mar­cas de ti­ros na ca­be­ça. O cri­me dei­xou os mo­ra­do­res do lo­te­a­men­to, que pos­sui uma rua com três saí­das, gua­ri­ta e 126 ca­sas, cho­ca­dos. À po­lí­cia, Bru­ce con­tou que foi se­pa­ra­do dos pais, na ho­ra do ata­que. En­quan­to os pais eram man­ti­dos re­féns no an­dar tér­reo, ele es­ta­va amor­da­ça­do e amar­ra­do no ane­xo da ca­sa. O pri­mo ou­vi­do pe­lo CORREIO no en­ter­ro acre­di­ta na pos­si­bi­li­da­de de as mor­tes te­rem si­do re­sul­ta­do de uma ten­ta­ti­va de as­sal­to. “A ca­sa es­ta­va à ven­da (uma pla­ca po­de ser vis­ta na fren­te do imó­vel). O que po­de ter acon­te­ci­do é que al­guém po­de ter se pas­sa­do por com­pra­dor, o que fa­ci­li­tou a en­tra­da dos cri­mi­no­sos à ca­sa”, dis­se ele. Um re­vól­ver ca­li­bre 38, que Re­na­to Gif­fo­ni guar­da­va den­tro de ca­sa, de­sa­pa­re­ceu no dia do cri­me. “Acre­di­to que na ho­ra que os ban­di­dos fa­zi­am uma bus­ca por di­nhei­ro, po­dem ter en­con­tra­do a ar­ma e acha­ram que ele era po­li­ci­al e os ma­ta­ram”, afir­mou.

Fa­mi­li­a­res de Re­na­to e Né­li­da se emo­ci­o­nam du­ran­te en­ter­ro do ca­sal no Ce­mi­té­rio do Cam­po San­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.