Des­mon­te anun­ci­a­do

Correio da Bahia - - Mundo - Ale­xan­dre Ly­rio e Ju­li­a­na Mon­ta­nha mais@cor­rei­o24ho­ras.com.br

O Cen­tro de Con­ven­ções da Bahia (CCB) é uma es­pé­cie de que­bra-ca­be­ças de con­cre­to e me­tal. Em uma ope­ra­ção de des­mon­te e de­mo­li­ção, to­do es­se gi­gan­te uni­do por pe­ças enor­mes vai ser co­lo­ca­do abai­xo. Foi o que anun­ci­ou on­tem o go­ver­no es­ta­du­al, res­pon­sá­vel pe­lo equi­pa­men­to, após de­sa­ba­men­to de par­te do pri­mei­ro e se­gun­do an­da­res em ple­na re­for­ma da es­tru­tu­ra, na sex­ta-fei­ra.

A de­ci­são foi con­fir­ma­da pe­lo se­cre­tá­rio-che­fe da Ca­sa Ci­vil, Bru­no Daus­ter, após de­ter­mi­na­ção do go­ver­na­dor Rui Cos­ta. Se­gun­do Daus­ter, não é mais pos­sí­vel a re­cu­pe­ra­ção do pré­dio. “A de­ci­são es­tá em­ba­sa­da em ori­en­ta­ções téc­ni­cas, pois o si­nis­tro aba­lou al­gu­mas es­tru­tu­ras fun­da­men­tais da­que­le equi­pa­men­to que im­pe­dem a con­ti­nui­da­de das obras de re­cu­pe­ra­ção”, jus­ti­fi­cou.

Ele ga­ran­tiu que o go­ver­no es­tá de­sen­vol­ven­do es­tu­dos que vão de­fi­nir o lo­cal on­de se­rá cons­truí­do um no­vo cen­tro e dis­se que ain­da não há pra­zo pa­ra a ope­ra­ção. “Pri­mei­ro va­mos fa­zer o que tem de emer­gen­ci­al. De­pois, fa­zer o des­mon­te da es­tru­tu­ra”, dis­se Daus­ter, sem dar pra­zos ou ex­pli­car o pro­ces­so e os cus­tos do des­mon­te.

O anún­cio foi fei­to após ins­pe­ção re­a­li­za­da on­tem pe­la ma­nhã. Mas a de­ci­são di­vi­de opi­niões. “A prin­cí­pio, acho pre­ci­pi­ta­da an­tes de fa­zer uma ava­li­a­ção mais de­ta­lha­da”, dis­se o co­or­de­na­dor de En­ge­nha­ria Ci­vil dos Con­se­lho Re­gi­o­nal de En­ge­nha­ria (Crea), pro­fes­sor Luiz Ed­mun­do Cam­pos.

Quan­do par­te do pré­dio de­sa­bou, a re­for­ma es­ta­va na se­gun­da eta­pa. No to­tal, a obra já ha­via con­su­mi­do R$ 9 mi­lhões dos co­fres pú­bli­cos. Na pri­mei­ra in­ter­ven­ção, que cus­tou R$ 8 mi­lhões, fo­ram re­cu­pe­ra­das vigas e te­lhas do Te­a­tro Ie­man­já e do Es­pa­ço Or­lan­do. Pou­co mais de R$ 1 mi­lhão já ha­via si­do des­ti­na­do pa­ra a se­gun­da eta­pa.

O en­ge­nhei­ro ci­vil Car­los Emí­lio Strau­ch, au­tor do pro­je­to es­tru­tu­ral do equi­pa­men­to, inau­gu­ra­do em 1979, ele es­te­ve pre­sen­te na ins­pe­ção. So­bre a fal­ta de ma­nu­ten­ção do pré­dio, Strau­ch con­fir­mou que há ‘mui­to tem­po’ não eram fei­tas obras. “Já ti­nha um bom tem­po que não me cha­ma­vam”, con­tou. Ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (MP-BA), o pró­prio en­ge­nhei­ro con­tou que, de­pois de mui­to tem­po, foi cha­ma­do pe­lo go­ver­no pa­ra apon­tar as in­ter­ven­ções ne­ces­sá­ri­as à re­a­ber­tu­ra do pré­dio.

Strau­ch dis­se à pro­mo­to­ria que há mais de 13 anos não eram fei­tos ser­vi­ços de ma­nu­ten­ção. “Ele ain­da des­ta­cou que obras que es­ta­vam sen­do re­a­li­za­das na­que­le mo­men­to não se­ri­am su­fi­ci­en­tes pa­ra a re­a­ber­tu­ra”, des­ta­cou a pro­mo­to­ra Ri­ta Tou­ri­nho, que acom­pa­nha o ca­so.

Me­ses an­tes, no iní­cio de 2015, um inqué­ri­to ci­vil foi ins­tau­ra­do pa­ra apu­rar a omis­são do es­ta­do na ma­nu­ten­ção do es­pa­ço. “Até mes­mo pa­ra evi­tar que se re­pe­tis­se a tra­gé­dia anun­ci­a­da da Fon­te No­va”, lem­brou a pro­mo­to­ra. Re­co­men­da­da pe­lo MP-BA, a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Urbanismo (Su­com) pe­diu a in­ter­di­ção do pré­dio, que des­de maio de 2015 es­tá fe­cha­do.

Na épo­ca, até o Tri­bu­nal de Con­tas do Es­ta­do (TCE) de­ter­mi­nou às au­to­ri­da­des res­pon­sá­veis que fos­sem ado­ta­das, com ur­gên­cia, pro­vi­dên­ci­as pa­ra sa­ne­ar ir­re­gu­la­ri­da­des iden­ti­fi­ca­das na es­tru­tu­ra fí­si­ca. “Au­di­to­res ha­vi­am cons­ta­ta­do a exis­tên­cia de cor­ro­são acen­tu­a­da nas es­tru­tu­ras me­tá­li­cas, ala­ga­men­tos, in­fil­tra­ções, fi­a­ção ex­pos­ta, além da fal­ta de um Pla­no de Se­gu­ran­ça”.

De­sa­ba­men­to faz go­ver­no de­ci­dir dar fim a es­pa­ço cri­a­do há 37 anos

AL­VA­RÁ

Na se­gun­da-fei­ra, a Su­com qua­li­fi­cou a obra de re­for­ma do lo­cal co­mo ir­re­gu­lar. O se­cre­tá­rio Sér­gio Gu­a­na­ba­ra dis­se que a pre­fei­tu­ra se­quer foi pro­cu­ra­da pe­lo es­ta­do ou pe­la em­pre­sa res­pon­sá­vel pe­la obra pa­ra ob­ter o al­va­rá. “So­mos o ór­gão li­cen­ci­a­dor. Qual­quer obra pre­ci­sa de li­cen­ça”, co­men­tou.

On­tem, o che­fe da Ca­sa Ci­vil dis­cor­dou. “Uma obra de re­for­ma co­mo aque­la não de­pen­de da apre­sen­ta­ção de um pro­je­to pa­ra que o al­va­rá se­ja li­be­ra­do. Es­ta­va re­gu­lar e to­das as ta­xas pa­ra emis­são do do­cu­men­to tam­bém ti­nham si­do pa­gas, o que chan­ce­lou as in­ter­ven­ções no lo­cal”, de­cla­rou.

Na noi­te da úl­ti­ma sex­ta-fei­ra, o se­gun­do pa­vi­men­to do Cen­tro de Con­ven­ções de­sa­bou so­bre o pri­mei­ro

Fe­cha­do des­de o pri­mei­ro se­mes­tre do ano pas­sa­do, equi­pa­men­to es­ta­va sen­do re­for­ma­do há um ano

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.