Pa­ra tra­ba­lhar e mo­rar

Correio da Bahia - - Mais - Pris­ci­la Na­ti­vi­da­de pris­ci­la.oli­vei­ra@re­de­bahia.com.br

Ele nem ha­via com­ple­ta­do ain­da 20 anos de ida­de, quan­do ou­viu fa­lar que em Camaçari era fá­cil con­se­guir di­nhei­ro e ga­nhar bem por­que te­ria mui­ta fá­bri­ca por lá. O ho­je apo­sen­ta­do Ge­ral­do Batista, 75 anos, saiu de Ser­gi­pe com des­ti­no àque­la que se­ria a sua ter­ra das opor­tu­ni­da­des. “Vim aqui e não fi­quei um dia se­quer sem tra­ba­lhar. Me apo­sen­tei na an­ti­ga Co­pe­ne co­mo se­gu­ran­ça do tra­ba­lho”, con­ta.

Em Camaçari, on­de mo­ra há 56 anos, o apo­sen­ta­do vê sua his­tó­ria de vi­da se mis­tu­rar à trans­for­ma­ção do mu­ni­cí­pio, que co­me­mo­ra ho­je 258 anos de fun­da­ção. “Te­nho 9 fi­lhos e to­dos eles nas­ce­ram aqui. São mais 23 ne­tos e seis bis­ne­tos. Te­nho fi­lha mé­di­ca, fi­lho en­ge­nhei­ro dis­so, ou­tro fi­lho en­ge­nhei­ro da­qui­lo. Vi es­sa ci­da­de mu­dan­do es­se tem­po to­do com a che­ga­da de mui­ta gen­te que es­ta­va em bus­ca de em­pre­go”, lem­bra ele.

Lo­ca­li­za­da a 40 km da ca­pi­tal, Camaçari dei­xou de ser o lu­gar de on­de as pes­so­as voltavam pa­ra Salvador ao fi­nal do ex­pe­di­en­te. Ho­je, elas per­ma­ne­cem, co­mo afir­ma o pre­fei­to, Ade­mar Del­ga­do. “Des­de a cri­a­ção do Po­lo (1978), Camaçari pas­sou a atrair mui­ta gen­te. A fi­xa­ção des­tes tra­ba­lha­do­res au­men­tou a di­ver­si­da­de econô­mi­ca do mu­ni­cí­pio e a de­man­da por ser­vi­ços e in­fra­es­tru­tu­ra, o que tem si­do um gran­de de­sa­fio pa­ra ad­mi­nis­tra­ção”, des­ta­ca.

Atu­al­men­te, Camaçari res­pon­de por 20% do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) bai­a­no e re­pre­sen­ta 30% das ex­por­ta­ções do es­ta­do. Gran­de par­te des­te de­sem­pe­nho é pu­xa­da pe­las 100 ope­ra­ções no Po­lo In­dus­tri­al, que al­can­çam jun­tas um fa­tu­ra­men­to anu­al de, apro­xi­ma­da­men­te, US$ 15 bi­lhões e che­gam a ge­rar 45 mil em­pre­gos

Camaçari faz 258 anos e mo­ra­do­res ga­nham mais opor­tu­ni­da­des

di­re­tos e in­di­re­tos.

A apo­sen­ta­da Maria So­lan­ge dos San­tos, 59 anos, é do tem­po em que as pes­so­as iam tra­ba­lhar no Po­lo na bo­leia do ca­mi­nhão. “Me apo­sen­tei há 2 anos, tra­ba­lhan­do co­mo au­xi­li­ar de ser­vi­ços ge­rais e lo­go quan­do o Po­lo co­me­çou a ope­rar, a gen­te ia pa­ra a em­pre­sa no pau de ara­ra, fi­zes­se chu­va ou sol. Cri­ei meus qu­a­tro fi­lhos, fiz a mi­nha ca­si­nha com es­se su­or do Po­lo”, afir­ma.

So­lan­ge não ima­gi­na­va que a ci­da­de fos­se se de­sen­vol­ver tan­to e em tão pou­co tem­po. “Ho­je, o ôni­bus che­ga per­to de ca­sa, da fei­ra, do su­per­mer­ca­do. Há mé­di­co e cur­so téc­ni­co pa­ra os ne­tos. Dá mui­ta opor­tu­ni­da­de pa­ra cres­cer”.

BONS NE­GÓ­CI­OS

Camaçari ex­pan­diu a sua vo­ca­ção até en­tão pe­troquí­mi­ca pa­ra ou­tros ra­mos de ati­vi­da­de

Ima­gem aé­rea mos­tra plan­tas in­dus­tri­ais que mu­da­ram his­tó­ria de Camaçari e o per­fil econô­mi­co da Bahia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.