Pa­ra co­me­çar: 65 anos

Correio da Bahia - - Mais - Agên­ci­as mais@cor­rei­o24ho­ras.com.br

Pro­pos­ta pre­vê au­men­to da ida­de mí­ni­ma pa­ra a apo­sen­ta­do­ria

No­vas me­di­das re­la­ci­o­na­das à pro­pos­ta de re­for­ma da Pre­vi­dên­cia va­za­ram on­tem. Uma de­las pre­vê a cri­a­ção de um ga­ti­lho pa­ra au­men­tar a ida­de mí­ni­ma de apo­sen­ta­do­ria quan­do tam­bém su­bir a ex­pec­ta­ti­va de vi­da dos bra­si­lei­ros. Com is­so, a ida­de mí­ni­ma pa­ra se apo­sen­tar, já con­sen­su­a­da em 65 anos, vai au­men­tar pe­ri­o­di­ca­men­te.

Se­gun­do re­por­ta­gem do jor­nal O Es­ta­do de São Pau­lo, a me­di­da é de­fen­di­da pe­lo se­tor téc­ni­co do go­ver­no, que en­xer­ga no me­ca­nis­mo uma for­ma pa­ra que os efei­tos da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia se­jam de lon­go pra­zo. Ou­tro pon­to é que a re­for­ma tem al­to cus­to po­lí­ti­co e o ga­ti­lho evi­ta­ria que o te­ma fos­se pa­ra dis­cus­são no Con­gres­so e na so­ci­e­da­de pe­ri­o­di­ca­men­te. O jor­nal não ci­tou a fon­te das in­for­ma­ções.

Ou­tro pon­to em aná­li­se pe­lo go­ver­no é a des­vin­cu­la­ção de be­ne­fí­ci­os co­mo pen­são por mor­te e o Be­ne­fí­cio de Pres­ta­ção Con­ti­nu­a­da (BPC) do sa­lá­rio mí­ni­mo. Es­ta me­di­da per­mi­ti­ria que o go­ver­no pa­gas­se pa­ra es­tes be­ne­fí­ci­os va­lo­res in­fe­ri­o­res ao pi­so na­ci­o­nal pa­go aos tra­ba­lha­do­res da ati­va.

Ou­tra in­for­ma­ção re­la­ci­o­na­da ao te­ma di­vul­ga­da on­tem, é que o tex­to da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia só se­rá en­vi­a­do ao Con­gres­so Na­ci­o­nal após as elei­ções mu­ni­ci­pais. O pri­mei­ro tur­no ocor­re nes­se do­min­go (2/10), e o se­gun­do três se­ma­nas de­pois (30/10).

As du­as úl­ti­mas in­for­ma­ções fo­ram con­fir­ma­das pe­lo mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil, Eli­seu Pa­di­lha. Se­gun­do ele, to­das as pro­pos­tas en­vol­vi­das na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia es­tão em aná­li­se e ain­da vão pas­sar por um “pen­te-fi­no” do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer.

“O pre­si­den­te vai pas­sar um pen­te-fi­no (na pro­pos­ta), ele foi re­la­tor da Pre­vi­dên­cia lá atrás, eu até fui au­xi­li­ar de­le em 1996/1997, e ele faz ques­tão de pas­sar olho clí­ni­co em to­da a re­for­ma, por­tan­to, es­se olho clí­ni­co ain­da não foi pas­sa­do”, com­ple­tou ele.

DE­BA­TE COM CEN­TRAIS

O mi­nis­tro rei­te­rou que o go­ver­no quer de­ba­ter com as cen­trais e com as con­fe­de­ra­ções o tex­to e que de­pois dis­so de­ve­rá ser re­a­li­za­da uma no­va reu­nião com a ba­se ali­a­da - a exem­plo da que acon­te­ceu on­tem no Pa­lá­cio da Al­vo­ra­da. “As li­de­ran­ças co­nhe­cen­do o que é o in­tei­ro te­or do pro­je­to, ele che­ga na Câ­ma­ra com 50% do ca­mi­nho per­cor­ri­do”.

Se­gun­do Pa­di­lha, “por en­quan­to se­ria pre­ma­tu­ro fa­lar em al­te­ra­ções” nos be­ne­fí­ci­os. “En­quan­to se dis­cu­te, tu­do po­de ser mu­da­do”, dis­se, res­sal­tan­do que to­dos os pon­tos são sen­sí­veis. O mi­nis­tro re­for­çou que a úni­ca coi­sa já de­fi­ni­da e acei­ta por to­dos os se­to­res do go­ver­no é que a ida­de mí­ni­ma pa­ra a apo­sen­ta­do­ria é de 65 anos. Ape­sar dis­to, es­te pi­so po­de mu­dar com o pas­sar dos anos ca­so o ga­ti­lho se­ja acei­to por Te­mer.

O me­ca­nis­mo per­mi­tir o au­men­to da ida­de mí­ni­ma à me­di­da em que su­bir o tem­po mé­dio de so­bre­vi­da, que é a qu­an­ti­da­de de anos de vi­da após a apo­sen­ta­do­ria. Ho­je, es­te tem­po é de 18 anos pa­ra quem tem 65. De um ano pa­ra o ou­tro, es­se nú­me­ro che­ga a au­men­tar dois me­ses e meio.

Pa­ra a de­fe­sa des­sa fór­mu­la, os téc­ni­cos di­zem que paí­ses da Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Co­o­pe­ra­ção e o De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co (OCDE) já ado­ta­ram ou es­ti­pu­la­ram pa­ra os pró­xi­mos anos ida­des mí­ni­mas pró­xi­mas a 70 anos pa­ra o tra­ba­lha­dor re­ce­ber apo­sen­ta­do­ria in­te­gral. Na Is­lân­dia, Is­ra­el e No­ru­e­ga, por exem­plo, ho­mens ó po­dem se apo­sen­tar aos 67 anos de ida­de.

No Bra­sil, se­gun­do as re­gras atu­ais, é pos­sí­vel se apo­sen­tar por ida­de ou por tem­po de con­tri­bui­ção ao INSS. Tra­ba­lha­do­res mais po­bres e com pi­or in­ser­ção no mer­ca­do de tra­ba­lho, na prá­ti­ca, se apo­sen­tam por ida­de. A re­gra diz que é pos­sí­vel pa­rar de tra­ba­lhar com 65/60 anos (ho­mens/mu­lhe­res) se o tra­ba­lha­dor ti­ver pe­lo me­nos 15 anos de con­tri­bui­ção.

Na apo­sen­ta­do­ria por tem­po de con­tri­bui­ção não há fi­xa­ção de ida­de mí­ni­ma, al­go ra­ro no mun­do. A re­gra diz que é pre­ci­so ter 35/30 anos (ho­mens/mu­lhe­res) de con­tri­bui­ção. As ida­des mé­di­as de apo­sen­ta­do­ria, nes­te ca­so, es­tão em 55/52 anos.

O mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil dis­se que tex­to irá ao Con­gres­so após elei­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.