Quan­do che­ga­rá a ho­ra?

Correio da Bahia - - Esporte - Her­bem Gra­ma­cho

O pre­si­den­te Rai­mun­do Vi­a­na fa­lou on­tem, em en­tre­vis­ta ao COR­REIO, que é pre­ci­so que os ru­bro-ne­gros se con­cen­trem no Bra­si­lei­rão por en­quan­to, pois qual­quer tur­bu­lên­cia fo­ra de cam­po re­fle­te no ti­me, que bri­ga avi­da­men­te pa­ra evi­tar o re­bai­xa­men­to. Su­ge­re que es­tes mes­mos ru­bro-ne­gros, após o cam­pe­o­na­to, fi­quem à von­ta­de pa­ra se de­di­car à po­lí­ti­ca do clu­be, di­re­ci­o­na­dos pa­ra as elei­ções em de­zem­bro.

É uma po­si­ção de con­ve­ni­ên­cia e, prin­ci­pal­men­te, es­per­te­za. Vi­a­na uti­li­za o ca­ris­ma que lhe é ine­ren­te e age co­mo uma ra­po­sa que, de uma só vez, con­cla­ma to­dos os tor­ce­do­res – de si­tu­a­ção, opo­si­ção e sem po­si­ção - a se unir em tor­no do ti­me. Man­tém o ar re­pu­bli­ca­no de sua con­du­ta e, de que­bra, su­ge­re que bri­gar por re­for­mu­la­ção do es­ta­tu­to ago­ra é al­go fo­ra de ho­ra por­que po­de in­ter­fe­rir no ren­di­men­to dos jo­ga­do­res, coi­ta­di­nhos.

Co­mo mui­to tor­ce­dor de­ve es­tar mes­mo can­sa­do des­sa len­ga-len­ga em tor­no da mu­dan­ça do es­ta­tu­to e co­mo a dis­pu­ta pa­ra evi­tar o re­bai­xa­men­to con­so­me de­ma­si­a­da ener­gia do ci­da­dão, tal­vez o dis­cur­so de Rai­mun­do Vi­a­na se­ja bem re­ce­bi­do por mui­tos co­ra­ções ru­bro-ne­gros. Se o ti­me con­ti­nu­ar dan­do si­nais de re­a­ção, me­lhor ain­da.

O dis­cur­so do pre­si­den­te mos­tra tam­bém co­mo a cú­pu­la do Vi­tó­ria tem tra­ta­do, e não é de ho­je, a pos­si­bi­li­da­de de vo­to di­re­to no clu­be. Dei­xa pa­ra de­pois, lá na fren­te vê is­so. In­se­rir o vo­to di­re­to do as­so­ci­a­do não é e nun­ca foi pri­o­ri­da­de den­tro do Bar­ra­dão, mes­mo nos úl­ti­mos me­ses ou anos, quan­do par­ce­la ca­da vez mais sig­ni­fi­ca­ti­va dos as­so­ci­a­dos pas­sou a de­mons­trar apre­ço pe­lo te­ma e tem bri­ga­do por is­so. Co­mo cú­pu­la, en­ten­da-se não ape­nas Rai­mun­do Vi­a­na, mas o con­jun­to de men­tes mais in­flu­en­tes no Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo. Vi­a­na, en­quan­to pre­si­den­te, não é o mai­or res­pon­sá­vel pe­la le­tar­gia do con­se­lho.

A úl­ti­ma ro­da­da do Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro es­tá mar­ca­da pa­ra o dia 4 de de­zem­bro, e o Vi­tó­ria pos­si­vel­men­te es­ta­rá en­vol­vi­do na bri­ga pe­lo re­bai­xa­men­to até lá. A elei­ção ocor­re­rá na se­gun­da quin­ze­na do mes­mo mês, por­tan­to, cer­ca de du­as se­ma­nas de­pois. Cer­ta­men­te, ape­nas atra­vés do vo­to dos fiéis con­se­lhei­ros. Vol­ta­da pa­ra o pró­prio um­bi­go, co­mo sem­pre foi. Quem sa­be o só­cio con­si­ga vo­tar da­qui a três anos. Mas só se, até lá, os car­de­ais já ti­ve­rem re­sol­vi­do o as­sun­to em fa­mí­lia, co­mo se ain­da es­ti­ves­sem em 1899. E se o ti­me não es­ti­ver bri­gan­do con­tra o re­bai­xa­men­to de no­vo, por­que se ti­ver...

É uma po­si­ção de

con­ve­ni­ên­cia e, prin­ci­pal­men­te, es­per­te­za.

In­se­rir o vo­to di­re­to do as­so­ci­a­do não é e nun­ca foi pri­o­ri­da­de den­tro

do Bar­ra­dão

BAHIA

Oi­to clu­bes se­pa­ra­dos por cin­co pon­tos, que eram três an­tes da ro­da­da co­me­çar com o Bra­sil de Pe­lo­tas ven­cen­do o Ce­a­rá. A Sé­rie B es­tá tão em­bo­la­da que a edi­ção des­te ano é a que o quar­to co­lo­ca­do tem o me­nor nú­me­ro de pon­tos (42) a es­sa al­tu­ra do cam­pe­o­na­to (27ª ro­da­da).

O Bahia tem uma ta­be­la boa nos 11 jo­gos res­tan­tes. Pri­mei­ro por­que fa­rá seis jo­gos na Fon­te No­va, on­de tem o me­lhor apro­vei­ta­men­to en­tre os 20 ti­mes, ao la­do de Atlé­ti­co Goi­a­ni­en­se e Avaí. Se­gun­do por­que te­rá cin­co con­fron­tos di­re­tos, sen­do três em ca­sa (Cri­ciú­ma, Bra­sil e Ce­a­rá) e dois fo­ra (Lon­dri­na e Atlé­ti­co Goi­a­ni­en­se). A mai­o­ria dos con­cor­ren­tes te­rá seis con­fron­tos di­re­tos pe­la fren­te, com ex­ce­ção do Cri­ciú­ma (cin­co) e do CRB (qua­tro). O Bra­sil de Pe­lo­tas, por exem­plo, mes­mo com um jo­go a mais, ain­da te­rá seis con­fron­tos di­re­tos.

A receita do aces­so pas­sa por não re­pe­tir o er­ro de 2015, quan­do, na re­ta fi­nal, o tri­co­lor tro­pe­çou na Fon­te No­va di­an­te de con­cor­ren­tes di­re­tos ou não. Ga­nhan­do to­das em ca­sa, Her­na­ne po­de até pen­sar que um em­pa­te fo­ra é bom re­sul­ta­do, pois, nes­te ca­so, de fa­to se­rá.

her­bem.gra­ma­cho@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.