Ne­to pla­ne­ja mu­dan­ças na es­tru­tu­ra de se­cre­ta­ri­as

Correio da Bahia - - Seu Voto - Do­nald­son Go­mes do­nald­son.go­mes@re­de­bahia.com.br

O prefeito con­ti­nua o mes­mo, mas o go­ver­no de­ve mu­dar. O avi­so par­tiu de ACM Ne­to (DEM), pou­cos mi­nu­tos após ob­ter a con­fir­ma­ção de que Sal­va­dor o re­e­le­geu pa­ra mais qua­tro anos. Em­bo­ra fa­ça mis­té­rio, os pla­nos são de mu­dan­ças na es­tru­tu­ra e na equi­pe das se­cre­ta­ri­as. Eram 18h45 e pou­co mais de 78% das ur­nas es­ta­vam apu­ra­das. Nos 12 mi­nu­tos que se se­gui­ram, o prefeito as­se­gu­rou o cum­pri­men­to de to­dos os com­pro­mis­sos fir­ma­dos na cam­pa­nha, ana­li­sou o ce­ná­rio po­lí­ti­co após a elei­ção mu­ni­ci­pal e, so­bre­tu­do, agra­de­ceu a con­fi­an­ça que foi de­po­si­ta­da por qua­se um mi­lhão de so­te­ro­po­li­ta­nos.

Ho­je, os pla­nos de Ne­to são ten­tar ti­rar al­gu­mas ho­ras de so­no no iní­cio do dia e, após às 12h, de­di­car-se à mon­ta­gem do no­vo go­ver­no. “Cla­ro que vai ter re­for­mas, mu­dan­ças, ajus­tes, tu­do is­so. Ago­ra, o que vai ser ain­da não es­tá de­ci­di­do”, des­ta­cou o prefeito. Pa­ra ele, o mai­or de­sa­fio do no­vo go­ver­no es­tá na con­so­li­da­ção de con­quis­tas dos úl­ti­mos qua­tro anos e man­ter a ges­tão do mu­ni­cí­pio em or­dem.

“A gen­te vi­ve um mo­men­to di­fí­cil no Bra­sil, de cri­se econô­mi­ca que afe­ta em ge­ral as pre­fei­tu­ras. Is­so si­na­li­za pa­ra um es­for­ço adi­ci­o­nal dos pre­fei­tos elei­tos nes­te do­min­go e eu te­nho cons­ci­ên­cia do quan­to se­rá im­por­tan­te man­ter o equi­lí­brio das con­tas, pa­gar tu­do em dia e ga­ran­tir que a ci­da­de con­ti­nue fun­ci­o­nan­do. Es­te é o prin­ci­pal ob­je­ti­vo”, avi­sou. “E, é cla­ro, o com­pro­mis­so que te­mos de cum­prir tu­do aqui­lo com que nos com­pro­me­te­mos ao lon­go des­sa cam­pa­nha”, re­for­çou, du­ran­te en­tre­vis­ta, na ca­sa dos pais, após a con­so­li­da­ção da vi­tó­ria elei­to­ral de on­tem.

O prefeito acre­di­ta que o no­vo mo­men­to na re­la­ção com go­ver­no fe­de­ral se­rá im­por­tan­te pa­ra a con­cre­ti­za­ção de pro­je­tos que a prefeitura tem pa­ra o fu­tu­ro. Ci­tou co­mo exem­plo o sis­te­ma de BRT, os ôni­bus de trân­si­to rá­pi­do, cu­jo fi­nan­ci­a­men­to se ar­ras­ta­va por anos. “Es­pe­ro uma re­la­ção mui­to mais cons­tru­ti­va com o go­ver­no fe­de­ral, co­mo ali­as já es­ta­mos ten­do. A pro­va dis­so foi a as­si­na­tu­ra do fi­nan­ci­a­men­to do BRT, on­de o mi­nis­tro Ged­del (Vi­ei­ra Li­ma) te­ve par­ti­ci­pa­ção de­ci­si­va”, lem­brou.

Ne­to ana­li­sou a vo­ta­ção ex­pres­si­va co­mo fru­to do re­co­nhe­ci­men­to ao tra­ba­lho que vem fa­zen­do em Sal­va­dor. “Vou tra­ba­lhar in­can­sa­vel­men­te pa­ra hon­rar to­dos os vo­tos que eu re­ce­bi nes­ta elei­ção. Eu não acre­di­to que is­so tu­do se­ja fru­to de uma cam­pa­nha po­lí­ti­ca, é de um tra­ba­lho re­a­li­za­do ao lon­go de qua­tro anos. Eu sei o quan­to me de­di­quei a es­ta ci­da­de e o quan­to nós trans­for­ma­mos Sal­va­dor”, lem­brou.

As­sim co­mo fez em 2012, quan­do de­di­cou a vi­tó­ria ao avô, o fa­le­ci­do se­na­dor ACM, Ne­to res­sal­tou a im­por­tân­cia do po­lí­ti­co bai­a­no pa­ra ele. “Es­tou sem­pre ho­me­na­ge­an­do e re­co­nhe­cen­do a im­por­tân­cia que meu avô te­ve e con­ti­nua ten­do em mi­nha tra­je­tó­ria e na mi­nha vi­da pú­bli­ca”, dis­se. Mas, se­gun­do ele, es­te ano a ho­me­na­gem pe­la vi­tó­ria vai tam­bém pa­ra a ci­da­de, por ter acre­di­ta­do no pro­je­to que foi apre­sen­ta­do. “Es­ta vi­tó­ria é de­di­ca­da a ca­da pes­soa que nos con­ce­deu es­te re­co­nhe­ci­men­to”, afir­mou.

CE­NÁ­RIO PO­LÍ­TI­CO

O prefeito ACM Ne­to acre­di­ta que o de­sem­pe­nho do DEM e dos de­mais par­ti­dos que fa­zem opo­si­ção ao go­ver­no do es­ta­do nes­tas elei­ções con­so­li­da uma mu­dan­ça ex­pres­si­va no ma­pa po­lí­ti­co da Bahia. “O DEM co­me­çou a se re­po­si­ci­o­nar com vi­tó­ri­as ex­pres­si­vas mi­nha e de Zé Ro­nal­do (em Fei­ra de San­ta­na) em 2012. Ho­je o que as ur­nas co­me­ça­ram a mos­trar foi que a pers­pec­ti­va do De­mo­cra­tas, das for­ças de opo­si­ção na Bahia, é de go­ver­nar ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te os elei­to­res bai­a­nos”, ava­li­ou.

Em con­tra­po­si­ção, o prefeito re­e­lei­to acre­di­ta que as elei­ções des­te ano re­pre­sen­ta­ram uma der­ro­ta po­lí­ti­ca pa­ra o PT bai­a­no e o go­ver­na­dor Rui Cos­ta. “Eu que­ro re­pe­tir, não há de mi­nha par­te ne­nhu­ma dis­po­si­ção em ini­ci­ar um con­fron­to, ou uma dis­pu­ta com o go­ver­na­dor, eu que­ro o diá­lo­go, que­ro cons­truir, mas o fa­to ob­je­ti­vo, ve­ri­fi­ca­do nes­ta noi­te, é a der­ro­ta do go­ver­na­dor e do seu go­ver­no”, dis­se.

Qu­es­ti­o­na­do a res­pei­to das im­pli­ca­ções do ce­ná­rio atu­al pa­ra as elei­ções em 2018, o prefeito foi en­fá­ti­co ao res­sal­tar que não pre­ten­de dis­cu­tir o as­sun­to. Ele lem­brou que a opo­si­ção ao go­ver­no do es­ta­do te­ve con­quis­tas ex­pres­si­vas tam­bém pe­lo in­te­ri­or do es­ta­do. “Nós es­ta­mos ten­do vi­tó­ri­as im­por­tan­tís­si­mas no in­te­ri­or, em ci­da­des que his­to­ri­ca­men­te eram go­ver­na­das pe­lo PT e que vão pas­sar a ser go­ver­na­das pe­lo De­mo­cra­tas ou por par­ti­dos ali­a­dos a nós. Uma coi­sa eu pos­so te ga­ran­tir, o de­se­nho po­lí­ti­co da Bahia mu­dou em 2016”, ana­li­sou, acres­cen­tan­do acre­di­tar que is­so não quer di­zer na­da em re­la­ção ao fu­tu­ro. “É o pre­sen­te”, fi­na­li­zou.

Prefeito re­e­lei­to quer al­te­rar per­fil do al­to es­ca­lão da prefeitura

ACM Ne­to, no cen­tro da ima­gem, agra­de­ceu a con­fi­an­ça da po­pu­la­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.