Jus­ti­ça con­fir­ma pri­são a par­tir da se­gun­da ins­tân­cia

Correio da Bahia - - Mais - Agên­ci­as mais@cor­rei­o24ho­ras.com.br

O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­ci­diu on­tem, por 6 vo­tos a 5, man­ter o que já ha­via de­fi­ni­do em fe­ve­rei­ro: a pri­são de con­de­na­dos pe­la Jus­ti­ça de­ve acon­te­cer a par­tir da de­ci­são em se­gun­da ins­tân­cia. Com a sen­ten­ça, Su­pre­ma Cor­te bra­si­lei­ra con­fir­ma a cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de da de­ci­são, o que obri­ga to­dos os tri­bu­nais do país a se­guir a re­gra.

As ações jul­ga­das pe­lo Su­pre­mo on­tem ha­vi­am si­do apre­sen­ta­das pe­lo Con­se­lho Fe­de­ral da Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil (OAB) e pe­lo Par­ti­do Eco­ló­gi­co Na­ci­o­nal (PEN). A en­ti­da­de dos ad­vo­ga­dos e o par­ti­do po­lí­ti­co que­ri­am ga­ran­tir a pos­si­bi­li­da­de de con­de­na­dos em se­gun­da ins­tân­cia re­cor­re­rem em li­ber­da­de en­quan­to não es­ti­ves­sem es­go­ta­das as pos­si­bi­li­da­des de re­cur­so, o cha­ma­do “trân­si­to em jul­ga­do”.

A mai­o­ria dos mi­nis­tros da Su­pre­ma Cor­te en­ten­deu que qual­quer pes­soa po­de co­me­çar a cum­prir uma pe­na des­de que te­nha si­do con­de­na­da por um tri­bu­nal de Jus­ti­ça ou por um Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral (TRF), ain­da que te­nha re­cur­sos pen­den­tes no Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ) ou no STF. O en­ten­di­men­to, fi­xa­do em fe­ve­rei­ro pe­lo tri­bu­nal em um pro­ces­so in­di­vi­du­al, po­de­rá con­ti­nu­ar sen­do apli­ca­do a to­dos os ca­sos so­bre o mes­mo te­ma que tra­mi­tam na Jus­ti­ça.

Votaram a fa­vor da pri­são de­pois de con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia os mi­nis­tros Ed­son Fa­chin, Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, Te­o­ri Za­vasc­ki, Luiz Fux, Gilmar Men­des e a pre­si­den­te do STF, Cár­men Lú­cia. Já o re­la­tor do pro­ces­so, Mar­co Au­ré­lio Mel­lo, e os mi­nis­tros Ro­sa We­ber, Dias Tof­fo­li, Ri­car­do Lewan­dows­ki e Cel­so de Mel­lo votaram con­tra a pos­si­bi­li­da­de de pri­são an­tes que se es­go­ta­rem to­das as pos­si­bi­li­da­des de re­cur­sos.

PRE­SUN­ÇÃO DE INO­CÊN­CIA

O jul­ga­men­to co­me­çou em se­tem­bro, quan­do o re­la­tor do ca­so vo­tou con­tra a pri­são mes­mo de­pois de con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia. Na oca­sião, o ma­gis­tra­do de­fen­deu a li­ber­ta­ção de to­das as pes­so­as pre­sas que ain­da te­nham re­cur­sos pen­den­tes em tri­bu­nais su­pe­ri­o­res.

Na ses­são de on­tem, a Cor­te re­to­mou a aná­li­se das du­as ações. A OAB e o PEN ar­gu­men­ta­vam que a “pre­sun­ção de ino­cên­cia” de­ve pre­va­le­cer até a de­ci­são fi­nal e de­fi­ni­ti­va de um pro­ces­so na úl­ti­ma ins­tân­cia ju­di­ci­al. A mai­o­ria dos mi­nis­tros, no en­tan­to, en­ten­deu que a cul­pa po­de ser ve­ri­fi­ca­da após uma se­gun­da con­de­na­ção pe­la Jus­ti­ça.

Na re­to­ma­da do jul­ga­men­to on­tem, o pri­mei­ro a vo­tar foi o mi­nis­tro Ed­son Fa­chin. Ele lem­brou que o en­ten­di­men­to se­gun­do o qual po­de ocor­rer a pri­são após a se­gun­da ins­tân­cia vi­go­rou no STF da pro­mul­ga­ção da Cons­ti­tui­ção, em 1988, até 2009. “Em 21 anos dos 28 que ho­je com­ple­ta a Cons­ti­tui­ção, vi­go­rou es­sa com­pre­en­são. Fo­ram mais de du­as dé­ca­das sob a égi­de da Cons­ti­tui­ção, tem­po no qual as por­tas do Su­pre­mo pa­ra pro­te­ger a li­ber­da­de ja­mais se fe­cha­ram por es­se mo­ti­vo”, res­sal­tou Fa­chin.

Em seu vo­to, tam­bém fa­vo­rá­vel à pri­são de­pois da con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia, o mi­nis­tro Luís Ro­ber­to Bar­ro­so deu co­mo exem­plo o ca­so de um ho­mi­cí­dio co­me­ti­do em 1991 cu­ja con­de­na­ção ain­da não ha­via tran­si­ta­do em jul­ga­do em 2016, quan­do o pro­ces­so che­gou ao Su­pre­mo.

“Pu­nir em 2016 um cri­me co­me­ti­do em 1991 não aten­de a ne­nhu­ma de­man­da de jus­ti­ça da so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra”, pon­de­rou o ma­gis­tra­do.

Tam­bém fa­vo­rá­vel à exe­cu­ção da pe­na após a se­gun­da ins­tân­cia, Te­o­ri Za­vasc­ki res­sal­tou que é na pri­mei­ra e se­gun­da ins­tân­ci­as que os tri­bu­nais ana­li­sam os fa­tos e pro­vas de um cri­me. Por re­gra, o STJ e STF po­dem ape­nas exa­mi­nar ques­tões ju­rí­di­cas dos jul­ga­men­tos an­te­ri­o­res. Za­vasc­ki des­ta­cou que em ou­tros paí­ses a pe­na de pri­são ocor­re an­tes do trân­si­to em jul­ga­do, ci­tan­do In­gla­ter­ra, EUA, Ca­na­dá, Ale­ma­nha, França, Por­tu­gal, Es­pa­nha, Ar­gen­ti­na e as­sim por di­an­te.

Ao vo­tar em fa­vor da pri­são após a se­gun­da ins­tân­cia, Luiz Fux cri­ti­cou a “ine­fe­ti­vi­da­de” do pro­ces­so pe­nal, ao não exe­cu­tar a pe­na a que al­guém foi con­de­na­do. Em vá­ri­as ve­zes, o mi­nis­tro lem­brou do jor­na­lis­ta Pi­men­ta Ne­ves, as­sas­si­no con­fes­so que re­cor­reu em li­ber­da­de por 11 anos.

Cou­be à pre­si­den­te do STF, mi­nis­tra Cár­men Lú­cia, de­sem­pa­tar o jul­ga­men­to, em fa­vor do iní­cio da pe­na após a se­gun­da ins­tân­cia, lem­bran­do que já se po­si­ci­o­na­va des­ta ma­nei­ra em jul­ga­men­to em 2010. “Quan­do a Cons­ti­tui­ção es­ta­be­le­ce que nin­guém po­de­ria ser con­si­de­ra­do cul­pa­do até a sen­ten­ça con­de­na­tó­ria tran­si­ta­da em jul­ga­do não ex­cluía a pos­si­bi­li­da­de de ter o iní­cio da exe­cu­ção”, afir­mou.

STF con­si­de­ra que de­ci­são es­tá de acor­do com a Cons­ti­tui­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.