Que pre­va­le­ça a éti­ca

Correio da Bahia - - Esporte - Her­bem Gra­ma­cho

A pos­sí­vel en­tra­da do Ce­a­rá na Co­pa do Nor­des­te por meio de uma vi­ra­da de me­sa é o que de pi­or po­de acon­te­cer pa­ra a com­pe­ti­ção. O ga­nho téc­ni­co não jus­ti­fi­ca nem com­pen­sa, em hi­pó­te­se al­gu­ma, o atro­pe­la­men­to da éti­ca e o pre­juí­zo de um tra­ba­lho co­le­ti­vo de su­ces­so em prol de um fi­li­a­do que não con­se­guiu cum­prir a me­ta exi­gi­da pa­ra dis­pu­tar o tor­neio, que é se clas­si­fi­car atra­vés do cam­pe­o­na­to es­ta­du­al.

O es­por­te é fei­to de prin­cí­pi­os e sa­ber per­der é um dos mais fun­da­men­tais. O epi­só­dio cos­tu­ra­do en­tre o Ce­a­rá, a Fe­de­ra­ção Ce­a­ren­se de Fu­te­bol e mais três clu­bes do es­ta­do (o Uni­cli­nic, que de­sis­tiu da va­ga, o Gu­a­ra­ni de Ju­a­zei­ro e o Gu­a­rany de So­bral) é tão ver­go­nho­so que não en­con­trou res­pal­do nos ou­tros ti­mes que for­mam a Li­ga do Nor­des­te. Ain­da bem.

On­tem, um dia após se fa­lar mais da vi­ra­da de me­sa do que do sor­teio dos gru­pos, re­a­li­za­do em João Pes­soa, o Gu­a­ra­ni de Ju­a­zei­ro vol­tou atrás da sua “es­tra­nha” de­sis­tên­cia e de­ci­diu so­li­ci­tar a va­ga a que tem di­rei­to com a saí­da do Uni­cli­nic, que, se­gun­do cons­ta, es­tá ame­a­ça­do de fe­char as por­tas em 2017. A nova jus­ti­fi­ca­ti­va do Gu­a­ra­ni é de que a Fe­de­ra­ção Ce­a­ren­se ha­via in­for­ma­do que o clu­be não te­ria di­rei­to à co­ta que to­dos os par­ti­ci­pan­tes têm nem te­ria des­pe­sas de pas­sa­gens e hos­pe­da­gens pa­gas pe­la Li­ga do Nor­des­te ca­so acei­tas­se a va­ga do Uni­cli­nic. O que dei­xa du­as pos­si­bi­li­da­des: ou a des­cul­pa do Gu­a­ra­ni é mui­to es­far­ra­pa­da ou o pa­pel da Fe­de­ra­ção Ce­a­ren­se no epi­só­dio é tão ne­fas­to quan­to o do Ce­a­rá.

O Ce­a­rá re­cor­re a uma ló­gi­ca que, in­fe­liz­men­te, é co­mum no Bra­sil: se não é ile­gal es­tá va­len­do, mes­mo que se­ja imo­ral. E que o be­ne­fi­cie. Par­tin­do daí, qual­quer jei­ti­nho tor­na-se vá­li­do, bas­ta en­con­trar uma ma­nei­ra ofi­ci­al de jus­ti­fi­car. No ca­so do Ce­a­rá, além de imo­ral, mos­tra que o clu­be, em­bo­ra se­ja um só­cio-fundador da Li­ga do Nor­des­te, age de acor­do so­men­te com seu in­te­res­se, e não com o for­ta­le­ci­men­to do fu­te­bol nor­des­ti­no, ra­zão de ser da cri­a­ção da li­ga de clu­bes.

Não é exa­ge­ro afir­mar que a Co­pa do Nor­des­te é o me­lhor tor­neio re­gi­o­nal do Bra­sil. Co­mo tam­bém não é exa­ge­ro di­zer que o ca­mi­nho pa­ra al­can­çar es­se sta­tus foi ár­duo. Co­me­çou com a edi­ção iso­la­da de 1994; de 1997 a 2002 foi um su­ces­so tão gran­de que so­freu in­ter­fe­rên­cia da CBF e das fe­de­ra­ções es­ta­du­ais, in­sa­tis­fei­tas com a in­de­pen­dên­cia pe­ri­go­sa (pa­ra as fe­de­ra­ções) que o for­ta­le­ci­men­to dos clu­bes em li­ga sig­ni­fi­ca­va. Ain­da so­bre­vi­veu mo­ri­bun­da em 2003 e em se­gui­da aca­bou. Só vol­tou a ser dis­pu­ta­da em 2010, re­sul­ta­do de uma lon­ga ba­ta­lha ju­di­ci­al, em ou­tra edi­ção iso­la­da, fei­ta às pres­sas, sem es­tru­tu­ra e ain­da sem pres­tí­gio, tan­to que o cam­peão Vi­tó­ria jo­gou a fi­nal com ti­me re­ser­va.

O res­sur­gi­men­to se deu de 2013 pra cá, quan­do ga­nhou um pa­tro­ci­na­dor que que­ria cres­cer no mer­ca­do e viu na ‘Lam­pi­ons Le­a­gue’ a opor­tu­ni­da­de, ca­so do Es­por­te In­te­ra­ti­vo. O Nor­des­tão re­cu­pe­rou o sta­tus que ti­nha em 2002, caiu no gos­to do tor­ce­dor, in­cluiu os nove es­ta­dos da re­gião, ga­nhou uma va­ga na Co­pa Sul-Ame­ri­ca­na. Com co­tas de R$ 505 mil pa­ra cada um dos 20 clu­bes só na pri­mei­ra fa­se e to­das as des­pe­sas pa­gas de pas­sa­gem, hos­pe­da­gem e ali­men­ta­ção, vi­rou a úni­ca com­pe­ti­ção ren­tá­vel pa­ra os clu­bes da re­gião no pri­mei­ro se­mes­tre. E o cres­ci­men­to não pa­ra: em 2017, o tor­neio te­rá de fa­to uma abran­gên­cia na­ci­o­nal, gra­ças à re­cen­te in­clu­são do EI na Sky e NET, prin­ci­pais ope­ra­do­ras de TV por as­si­na­tu­ra do país.

A Co­pa do Nor­des­te, ho­je, sig­ni­fi­ca cre­di­bi­li­da­de, jo­gos de ní­vel téc­ni­co mai­or que os es­ta­du­ais, gos­to po­pu­lar e con­se­quen­te au­di­ên­cia, ren­ta­bi­li­da­de. Uma vi­ra­da de me­sa sig­ni­fi­ca­rá anos de re­tro­ces­so.

O Ce­a­rá re­cor­re a uma ló­gi­ca que, in­fe­liz­men­te, é co­mum no Bra­sil: se não é

ile­gal es­tá va­len­do, mes­mo que se­ja imo­ral. E que o be­ne­fi­cie. Par­tin­do

daí, qual­quer jei­ti­nho tor­na-se vá­li­do, bas­ta en­con­trar uma ma­nei­ra

ofi­ci­al de jus­ti­fi­car.

her­bem.gra­ma­cho@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.