Gas­to efi­ci­en­te

Correio da Bahia - - Economia -

O or­ça­men­to da edu­ca­ção au­men­tou, de 2010 a 2014, 9% re­al ao ano e mes­mo as­sim os in­di­ca­do­res edu­ca­ci­o­nais pi­o­ra­ram. O Fi­es era um pro­gra­ma de R$ 1 bi­lhão em 2011, ho­je tem um de­sem­bol­so de R$ 20 bi­lhões e mais R$ 8 bi­lhões ao ano de sub­sí­dio à ta­xa de ju­ros, mas ainda as­sim es­tá em cri­se. O go­ver­no Dil­ma se en­ro­lou nas con­tas pú­bli­cas por gas­tar mui­to e es­co­lher mal. Au­men­tar gas­to não ne­ces­sa­ri­a­men­te le­va ao au­men­to da qua­li­da­de dos ser­vi­ços pú­bli­cos. Es­se é um pon­to pou­co en­ten­di­do no de­ba­te bra­si­lei­ro, mui­to mar­ca­do pelo dis­cur­so po­pu­lis­ta de que o mé­ri­to é sem­pre ele­var o gas­to. Nos anos dos go­ver­nos do PT, acen­tu­ou-se es­se des­cui­do com a efi­ci­ên­cia do gas­to. O ex-pre­si­den­te Lu­la gos­ta de di­zer que sua ad­mi­nis­tra­ção foi a que mais abriu uni­ver­si­da­des. É ver­da­de. Mas elas fo­ram dei­xa­das à mín­gua sem re­cur­sos pa­ra os mais bá­si­cos dos ser­vi­ços de ma­nu­ten­ção. A cri­a­ção de no­vas uni­ver­si­da­des pú­bli­cas de­ve­ria ter se­gui­do um pla­ne­ja­men­to que co­me­ças­se com a per­gun­ta: es­sa é a pri­o­ri­da­de do Bra­sil?

Há, evi­den­te­men­te, ou­tras ne­ces­si­da­des no país, co­mo o en­si­no mé­dio que, ape­sar de ser obri­ga­ção dos es­ta­dos, pre­ci­sa de re­for­ço fi­nan­cei­ro do go­ver­no fe­de­ral. E es­sas des­pe­sas se­rão cres­cen­tes. O pro­gra­ma de fi­nan­ci­a­men­to es­tu­dan­til te­ve um cres­ci­men­to des­con­tro­la­do du­ran­te o go­ver­no Dil­ma. A so­ma dos de­sem­bol­sos com o cus­to do sub­sí­dio dá R$ 28 bi­lhões, qua­se um Bol­sa Fa­mí­lia. E is­so be­ne­fi­ci­ou prin­ci­pal­men­te as uni­ver­si­da­des par­ti­cu­la­res, que pas­sa­ram a ter uma re­cei­ta ga­ran­ti­da. Os gran­des gru­pos edu­ca­ci­o­nais es­ti­mu­la­vam seus alu­nos a pe­dir Fi­es pa­ra não ter o ris­co de ina­dim­plên­cia. E o Fi­es foi for­ma­ta­do com mui­tas in­con­sis­tên­ci­as. Uma de­las: es­ta­be­le­ceu-se que a ta­xa de ina­dim­plên­cia no pro­gra­ma se­ria de 10%. Com ba­se em quê? Nin­guém sa­be. Nos paí­ses on­de pro­gra­ma de fi­nan­ci­a­men­to es­tu­dan­til fun­ci­o­na há mui­to tem­po, co­mo nos Es­ta­dos Uni­dos, che­ga a 40%. A nos­sa ta­xa co­me­ça­rá a ser ob­ser­va­da ago­ra com o re­tor­no do cré­di­to após a for­ma­tu­ra do alu­no fi­nan­ci­a­do. O go­ver­no Dil­ma au­men­tou vá­ri­os itens de gas­to e con­si­de­rou que is­so era mé­ri­to. Até ho­je seus de­fen­so­res di­zem que ela au­men­tou a des­pe­sa pa­ra aten­der a pro­gra­mas so­ci­ais, sem ex­pli­car quais pro­gra­mas ti­ve­ram au­men­to do or­ça­men­to, por que eles fo­ram es­co­lhi­dos, e com que efei­to prá­ti­co na vi­da da po­pu­la­ção. A se­gun­da re­pro­va­ção de su­as con­tas, re­co­men­da­da pelo re­la­tor das con­tas de 2015 no TCU, ocor­re por inú­me­ros de­sa­cer­tos. A ex-pre­si­den­te con­se­guiu trans­for­mar um su­pe­rá­vit pri­má­rio num dé­fi­cit de mais de 2% do PIB e ele­var a dí­vi­da de 52% do PIB pa­ra per­to de 70%, qu­an­do ela dei­xou o go­ver­no. Além do dé­fi­cit, o país co­me­çou 2016 com des­pe­sas não pa­gas, o cha­ma­do “res­tos a pa­gar”, de R$ 180 bi­lhões. As des­pe­sas fe­de­rais em to­das as áre­as au­men­ta­ram mui­to sem que hou­ves­se me­lho­ra na qua­li­da­de dos ser­vi­ços pres­ta­dos à po­pu­la­ção.

É na­tu­ral que as de­man­das por gas­tos pú­bli­cos au­men­tem em di­ver­sas áre­as, mas o que o go­ver­no Te­mer te­rá que fa­zer é re­a­lo­car des­pe­sas. Na edu­ca­ção, por exem­plo, é im­por­tan­te es­co­lher bem. A pro­pos­ta de ele­var o nú­me­ro de es­co­las de en­si­no mé­dio com ho­rá­rio in­te­gral vai exi­gir que o go­ver­no fe­de­ral au­men­te as trans­fe­rên­ci­as pa­ra os es­ta­dos. O di­nhei­ro te­rá que sair de al­gum lu­gar on­de a des­pe­sa se­ja me­nos efi­ci­en­te e me­nos ne­ces­sá­ria.

Não há ou­tro lu­gar de on­de saia di­nhei­ro pa­ra sus­ten­tar o au­men­to dos gas­tos que não o nos­so bol­so. A po­pu­la­ção fi­nan­cia o go­ver­no com seus im­pos­tos e por is­so pre­ci­sa exi­gir que o di­nhei­ro se­ja gas­to com efi­ci­ên­cia, trans­pa­rên­cia e res­pei­tan­do o or­de­na­men­to ju­rí­di­co do país. Es­sa foi a dis­cus­são que le­vou à saí­da da pre­si­den­te Dil­ma e que con­ti­nua pre­sen­te na aná­li­se do TCU.

Mais bra­si­lei­ros che­gam à ida­de de apo­sen­ta­do­ria a ca­da ano e fi­cam mais tem­po re­ce­ben­do o be­ne­fí­cio, por is­so é ine­vi­tá­vel re­ver a ida­de de se apo­sen­tar. Com a po­pu­la­ção mais ve­lha, au­men­ta­rá a de­man­da por ser­vi­ços de saú­de, por is­so se­rá pre­ci­so que o gas­to se­ja efi­ci­en­te. A bri­ga en­tre gas­ta­do­res e aus­te­ros de­ve­ria che­gar ao pon­to ra­ci­o­nal de se con­cluir que mui­tas ve­zes se­rá pre­ci­so gas­tar mais, mas sem­pre se­rá obri­ga­tó­rio gas­tar me­lhor.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.