PEC que li­mi­ta gas­to pú­bli­co pas­sa pelo pri­mei­ro tes­te no Congresso

Correio da Bahia - - Economia -

COMISSÃO O texto-ba­se da Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) 214 que cria um te­to pa­ra os gas­tos pú­bli­cos foi apro­va­do on­tem pe­la Comissão Es­pe­ci­al da Câ­ma­ra cri­a­da pa­ra ana­li­sar a pro­pos­ta, por 23 a 7. A apro­va­ção do texto na comissão, mes­mo de­pois de uma for­te obs­tru­ção fei­ta pe­la opo­si­ção, abriu ca­mi­nho pa­ra que a me­di­da se­ja vo­ta­da no ple­ná­rio da Câ­ma­ra na se­gun­da-feira. A PEC é apon­ta­da co­mo a prin­ci­pal me­di­da de ajuste fis­cal pro­pos­ta pelo go­ver­no Te­mer e foi de­fen­di­da on­tem pelo mi­nis­tro da Fazenda em pro­nun­ci­a­men­to ofi­ci­al fei­to em ca­deia na­ci­o­nal de rá­dio e te­le­vi­são. No pro­nun­ci­a­men­to, Mei­rel­les ga­ran­tiu que a me­di­da pre­ser­va­rá os in­ves­ti­men­tos nas áre­as de saú­de e de edu­ca­ção. Ga­ran­tiu, ainda, que a cri­a­ção do te­to de gas­tos é uma me­di­da es­sen­ci­al pa­ra a re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia bra­si­lei­ra.

“O go­ver­no (do pre­si­den­te Mi­chel) Te­mer en­vi­ou uma pro­pos­ta pa­ra mu­dar a Cons­ti­tui­ção e equi­li­brar o or­ça­men­to nos pró­xi­mos anos. É ne­ces­sá­rio um pra­zo pa­ra ajus­tar as con­tas de for­ma gra­du­al, sem re­ti­rar di­rei­tos, sem cor­tar o di­nhei­ro dos pro­je­tos mais im­por­tan­tes, aque­les es­sen­ci­ais. Saú­de e edu­ca­ção, por exem­plo, se­rão pre­ser­va­dos. Es­ta­mos cri­an­do me­ca­nis­mos pa­ra ga­ran­tir que es­sas áre­as pri­o­ri­tá­ri­as não te­rão per­das”, des­ta­cou. De acor­do com Mei­rel­les, o con­tro­le dos gas­tos per­mi­ti­rá ao país re­cu­pe­rar a cre­di­bi­li­da­de. “A con­fi­an­ça de con­su­mi­do­res, in­ves­ti­do­res e empresários já es­tá re­tor­nan­do. Já no­ta­mos os pri­mei­ros si­nais des­sa mu­dan­ça. Con­fi­a­mos que o Congresso apro­va­rá es­sa me­di­da que vai equi­li­brar as con­tas pú­bli­cas. Es­te é o ca­mi­nho pa­ra a vol­ta do cres­ci­men­to de nos­sa eco­no­mia e pa­ra a cri­a­ção dos em­pre­gos de que o nos­so po­vo pre­ci­sa”, afir­mou.

O mi­nis­tro da Fazenda atri­buiu o dé­fi­cit pri­má­rio re­cor­de nas con­tas pú­bli­cas bra­si­lei­ras - R$ 170 bi nes­te ano ao go­ver­no an­te­ri­or, que ex­pan­diu os gas­tos sem se pre­o­cu­par com a ar­re­ca­da­ção. O dé­fi­cit pri­má­rio é o re­sul­ta­do ne­ga­ti­vo das con­tas pú­bli­cas des­con­si­de­ran­do o pa­ga­men­to dos ju­ros da dí­vi­da do go­ver­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.