De­ci­são do STF so­bre pri­são em 2ª ins­tân­cia de­ve ser se­gui­da por juí­zes

Correio da Bahia - - Brasil -

JUS­TI­ÇA O mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral

(STF), Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, re­a­fir­mou que a de­ci­são da Cor­te de de­ter­mi­nar a pri­são de con­de­na­dos em se­gun­da ins­tân­cia de­ve ser se­gui­da por to­dos os tri­bu­nais e juí­zes do país. Pa­ra Bar­ro­so, o novo en­ten­di­men­to já es­ta­va va­len­do des­de fe­ve­rei­ro, qu­an­do o Su­pre­mo ana­li­sou um ha­be­as cor­pus e al­te­rou ju­ris­pru­dên­cia ado­ta­da des­de 2009 no Bra­sil. “O meu pon­to de vis­ta é que já a de­ci­são an­te­ri­or va­lia pa­ra to­do Ju­di­ciá­rio. Uma de­ci­são do STF fi­xa uma li­nha ju­ris­pru­den­ci­al que de­ve ser se­gui­da por to­dos os juí­zes”, dis­se. Bar­ro­so afir­mou que o Tri­bu­nal Su­pe­ri­or exis­te jus­ta­men­te pa­ra “uni­fi­car a ju­ris­pru­dên­cia e es­ta­be­le­cer um pre­ce­den­te”. “Pes­so­as que pen­sam di­fe­ren­te­men­te têm to­do o di­rei­to de res­sal­var a sua po­si­ção pes­so­al, mas acho que a de­ci­são do Su­pre­mo de­ve ser se­gui­da”, res­sal­tou. Bar­ro­so con­si­de­rou que a mu­dan­ça de en­ten­di­men­to do Su­pre­mo vai con­tri­buir pa­ra o com­ba­te à im­pu­ni­da­de, pois con­si­de­ra que a de­ci­são de­ve re­du­zir a du­ra­ção dos pro­ces­sos. A Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil (OAB) criticou a de­ci­são do Su­pre­mo. Por meio de no­ta, a OAB de­cla­rou que a mu­dan­ça de en­ten­di­men­to cau­sa­rá gra­ves in­jus­ti­ças com a pri­são de ino­cen­tes. Pa­ra a ins­ti­tui­ção, os réus me­nos fa­vo­re­ci­dos se­rão os mais pre­ju­di­ca­dos com a me­di­da, que tem efei­to vin­cu­lan­te pa­ra to­dos os tri­bu­nais do país. “Di­an­te des­sa de­ci­são, é ne­ces­sá­rio que o Po­der Pú­bli­co en­fren­te de­fi­ni­ti­va­men­te o dra­ma do de­su­ma­no sis­te­ma car­ce­rá­rio, cu­jo ‘es­ta­do de coi­sas’ foi de­cla­ra­do in­cons­ti­tu­ci­o­nal pelo STF”, diz. O juiz Sér­gio Mo­ro, res­pon­sá­vel pelo jul­ga­men­to dos pro­ces­sos da Ope­ra­ção La­va Ja­to em pri­mei­ra ins­tân­cia, dis­se on­tem que “cri­mes co­me­ti­dos por po­de­ro­sos en­con­tra­rão uma res­pos­ta na Jus­ti­ça cri­mi­nal”. “Com o jul­ga­men­to de on­tem, o Su­pre­mo, com res­pei­to à mi­no­ria ven­ci­da, de­ci­diu que não so­mos uma so­ci­e­da­de de cas­tas e que mes­mo cri­mes co­me­ti­dos por po­de­ro­sos en­con­tra­rão uma res­pos­ta na Jus­ti­ça cri­mi­nal”, de­cla­rou.

A for­ça-ta­re­fa da Ope­ra­ção La­va Ja­to afir­mou on­tem que a de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), au­to­ri­zan­do exe­cu­ção pe­nal após con­de­na­ção ju­di­ci­al em se­gun­da ins­tân­cia, “res­pei­ta os di­rei­tos fun­da­men­tais não só dos réus, mas tam­bém das ví­ti­mas e da so­ci­e­da­de”. Os de­le­ga­dos de Po­lí­cia Fe­de­ral (PF) tam­bém di­vul­ga­ram no­ta em que sus­ten­tam que “há um an­seio da so­ci­e­da­de pe­la rá­pi­da con­clu­são dos pro­ces­sos”. Os de­le­ga­dos clas­si­fi­ca­ram co­mo “fun­da­men­tal” a de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) que au­to­ri­za pri­são a partir de sen­ten­ça em se­gun­do grau.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.