Pre­vi­dên­cia, ques­tão jo­vem

Correio da Bahia - - Front Page -

Há uma se­ma­na, um le­ve alí­vio no mai­or nó no ca­mi­nho do ajus­te das con­tas pú­bli­cas, con­si­de­ra­do por es­pe­ci­a­lis­tas co­mo con­di­ção es­sen­ci­al pa­ra a re­to­ma­da da eco­no­mia: en­tre os dois mais re­cen­tes re­la­tó­ri­os bi­mes­trais de ava­li­a­ção de re­cei­tas e des­pe­sas pri­má­ri­as do ano, a pre­vi­são ofi­ci­al do rom­bo da Pre­vi­dên­cia So­ci­al te­ve que­da de R$ 450 mi­lhões. Mas na­da a co­me­mo­rar quan­do se co­te­jam os to­tais: R$ 148,78 bi­lhões con­tra R$ 149,23 bi­lhões.

Ca­da vez que são ci­ta­dos, es­ses nú­me­ros con­tra­põem po­si­ções que vão des­de a ur­gên­cia de uma re­for­ma pa­ra vi­a­bi­li­zar as apo­sen­ta­do­ri­as no fu­tu­ro até a re­cu­sa de qual­quer me­di­da que al­te­re o sta­tus quo. Fa­tos in­con­tes­tes: a Pre­vi­dên­cia já cus­ta mais de 10% do PIB, ape­sar de o Bra­sil ain­da des­fru­tar de uma ja­ne­la de­mo­grá­fi­ca, que já se fe­chou em vá­ri­as na­ções de­sen­vol­vi­das, le­van­do à ado­ção de me­di­das amar­gas. Ho­je, a so­ma de bra­si­lei­ros aci­ma de 65 anos e dos que ain­da es­tão fo­ra do mer­ca­do de tra­ba­lho bei­ra os 45% da po­pu­la­ção, com ten­dên­cia a cres­cer, da­da a mai­or ex­pec­ta­ti­va de vi­da. So­mem-se a is­so o de­sem­pre­go, o pa­ga­men­to de be­ne­fí­ci­os a quem nun­ca con­tri­buiu (sem ti­rar o mé­ri­to so­ci­al do au­xí­lio, mas res­pei­tan­do a ma­te­má­ti­ca) e as apo­sen­ta­do­ri­as di­fe­ren­ci­a­das do fun­ci­o­na­lis­mo, fi­ca a per­gun­ta: co­mo o re­gi­me pre­vi­den­ciá­rio é sus­ten­ta­do por tra­ba­lha­do­res da ati­va, o que vai acon­te­cer se na­da for fei­to pa­ra con­ter o de­se­qui­lí­brio en­tre en­tra­da e saí­da de con­tri­bui­ções?

Há ou­tras ques­tões a se­rem pon­de­ra­das. O que acon­te­ce­rá, ca­so se con­fir­me a opi­nião ge­ral: se­ja qual for a de­ci­são so­bre a Pre­vi­dên­cia, os apo­sen­ta­dos te­rão ca­da vez me­nos be­ne­fí­ci­os? A saí­da se­ria a pou­pan­ça in­di­vi­du­al ou fa­mi­li­ar. Es­sa é exa­ta­men­te a mai­or pre­o­cu­pa­ção do CIEE, uma ca­sa de jo­vens que ain­da nem en­tra­ram no mer­ca­do de tra­ba­lho. Co­mo pe­dir is­so a mi­lha­res de es­tu­dan­tes que so­nham com uma vi­da me­lhor e, sem re­to­ma­da do cres­ci­men­to, se­quer sa­bem se te­rão em­pre­go? O que ofe­re­cer aos mi­lhões de jo­vens me­nos fa­vo­re­ci­dos, com bai­xa es­co­la­ri­da­de e sem ca­pa­ci­ta­ção? Pa­ra nós, a res­pos­ta es­tá no pre­sen­te: mes­mo com a cri­se, não po­de­mos des­cui­dar da for­ma­ção pro­fis­si­o­nal e ci­da­dã das no­vas ge­ra­ções. Sob pe­na de nem o país ter um fu­tu­ro mais dig­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.