Pre­si­den­te co­lom­bi­a­no re­ce­be o No­bel da Paz

Correio da Bahia - - Mundo -

ACOR­DO HIS­TÓ­RI­CO O pre­si­den­te da Colôm­bia, Ju­an Ma­nu­el San­tos, ga­nhou on­tem o Prê­mio No­bel da Paz por seus “es­for­ços re­so­lu­tos pa­ra en­cer­rar a guer­ra ci­vil de mais de 50 anos do país”. A hon­ra­ria de­ve ser vis­ta co­mo um tri­bu­to ao po­vo co­lom­bi­a­no, que, ape­sar das gran­des di­fi­cul­da­des e abu­sos, não de­sis­tiu da es­pe­ran­ça de uma paz jus­ta, de­cla­rou Ka­ci Kull­mann Fi­ve, pre­si­den­te do co­mi­tê do Prê­mio No­bel.

Ju­an Ma­nu­el San­tos afir­mou que es­ta­va pro­fun­da­men­te hon­ra­do por ter re­ce­bi­do o No­bel da Paz. A au­to­ri­da­de de­di­cou o prê­mio a seu país e dis­se que ele é um gran­de es­tí­mu­lo pa­ra a paz. “Eu re­ce­bo is­so com gran­de emo­ção”, dis­se San­tos à Fun­da­ção No­bel em en­tre­vis­ta por te­le­fo­ne di­vul­ga­da em sua con­ta no Fa­ce­bo­ok. “Es­te é um gran­de, gran­de re­co­nhe­ci­men­to pa­ra meu país. Es­tou eter­na­men­te gra­to”, des­ta­cou.

San­tos foi agra­ci­a­do por seus es­for­ços pa­ra aca­bar com uma guer­ra ci­vil de mais de 50 anos na Colôm­bia. O go­ver­no do pre­si­den­te con­se­guiu fe­char um acor­do com as For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (Farc) pa­ra que a guer­ri­lha en­tre­gas­se su­as ar­mas, po­rém os ter­mos da ini­ci­a­ti­va fo­ram re­jei­ta­dos em re­fe­ren­do re­a­li­za­do no país no úl­ti­mo do­min­go. Na quar­ta-fei­ra, mi­lha­res de co­lom­bi­a­nos fi­ze­ram mar­chas pe­las ru­as do país pa­ra pres­si­o­nar o go­ver­no, as Farc e a opo­si­ção a che­ga­rem a um con­sen­so pa­ra sal­var a ini­ci­a­ti­va. Um gru­po de al­gu­mas de­ze­nas de ati­vis­tas acam­pou na Pla­za Bo­lí­var. Vá­ri­as au­to­ri­da­des da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra­be­ni­za­ram San­tos, du­ran­te uma en­tre­vis­ta co­le­ti­va re­gu­lar da en­ti­da­de em Ge­ne­bra. Che­fes de Es­ta­do elo­gi­a­ram a atu­a­ção do co­lom­bi­a­no. O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer deu os pa­ra­béns ao po­vo co­lom­bi­a­no, pe­lo Twit­ter.

A ex-re­fém In­grid Be­tan­court afir­mou on­tem que as For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (Farc) tam­bém de­ve­ri­am ter si­do agra­ci­a­das com o No­bel da Paz. Du­ran­te en­tre­vis­ta à agên­cia As­so­ci­a­ted Press, em Pa­ris, Be­tan­court dis­se que “Eu te­nho que ser jus­ta, mes­mo que eles te­nham si­do meus se­ques­tra­do­res. Acho que é ver­da­de que eles se trans­for­ma­ram”, afir­mou. O pre­si­den­te co­lom­bi­a­no su­pe­rou os vo­lun­tá­ri­os da De­fe­sa Ci­vil Sí­ria, tam­bém co­nhe­ci­dos co­mo Ca­pa­ce­tes Bran­cos. Men­sa­gens de apoio à can­di­da­tu­ra do gru­po sur­gi­ram de di­ver­sas par­tes do pla­ne­ta. Ce­le­bri­da­des co­mo o can­tor Jus­tin Tim­ber­la­ke e o di­re­tor Pe­dro Al­mo­dó­var en­dos­sa­vam tam­bém a can­di­da­tu­ra. Mes­mo sem o No­bel, ma­ni­fes­ta­ções em re­des so­ci­ais pe­di­ram mais apoio ao tra­ba­lho que sal­vou mais de 60 mil vi­das na Sí­ria.

Ju­an Ma­nu­el San­tos foi pa­ra­be­ni­za­do por au­xi­li­a­res após o anún­cio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.