Me­nos água, mais mos­qui­to

Correio da Bahia - - Mais - Thais Bor­ges thais.bor­ges@re­de­bahia.com.br

A do­més­ti­ca Dul­ci­nei­de Fer­rei­ra, 47 anos, mo­ra no bair­ro da Pa­les­ti­na des­de o ano 2000. Tem ca­sa pró­pria e tu­do, mas es­tá pen­san­do em ven­der o imó­vel, que fi­ca no se­gun­do an­dar de um pe­que­no pré­dio na Rua Di­re­ta da Pa­les­ti­na. “Es­tou tris­te, que­ren­do ven­der, por­que não tem água. Tem di­as que não dá pa­ra fa­zer na­da”.

Pa­ra dri­blar a fal­ta de água – que, se­gun­do ela, che­ga a du­rar dois me­ses – Dul­ci­nei­de con­ta com bal­des, va­sos e tan­ques. Vez ou ou­tra, re­cor­re ao tan­que de al­gum vi­zi­nho. “A água so­be fra­qui­nha ou não so­be”. Na Pa­les­ti­na, on­de re­la­tos co­mo o da do­més­ti­ca são co­muns, há ou­tro pro­ble­ma: o Le­van­ta­men­to do Ín­di­ce de In­fes­ta­ção pa­ra Aedes aegypti (LIRAa) che­gou a 4,6, se­gun­do a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal da Saú­de (SMS).

Es­se nú­me­ro in­di­ca que, a ca­da 100 imó­veis vi­si­ta­dos na área, fo­ram en­con­tra­dos fo­cos do mos­qui­to em 4,6 de­les. É o mai­or nú­me­ro da ci­da­de – e o úni­co que in­di­ca al­to ris­co de epi­de­mia, já que fi­ca aci­ma do es­ta­do de aler­ta, cu­jo li­mi­te é de 3,9. E, na ava­li­a­ção dos agen­tes de saú­de e dos pró­pri­os mo­ra­do­res, o al­to ín­di­ce tem a ver com a ir­re­gu­la­ri­da­de no abas­te­ci­men­to de água.

“É coin­ci­den­te is­so: on­de te­mos o LIRAa al­to, tem a ver com o for­ne­ci­men­to de água. Is­so po­ten­ci­a­li­za o ris­co de am­pli­a­ção do LIRAa. As pes­so­as ar­ma­ze­nam água e vo­cê po­ten­ci­a­li­za a pre­sen­ça do mos­qui­to”, afir­mou o se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal da Saú­de, Jo­sé Antô­nio Ro­dri­gues Al­ves.

Mas o pro­ble­ma vai mui­to além da Pa­les­ti­na. De acor­do com o se­cre­tá­rio, es­se ti­po de “coin­ci­dên­cia” acon­te­ce em ou­tros bair­ros tam­bém. Ele ci­ta, ain­da, bair­ros do dis­tri­to sa­ni­tá­rio do Ca­bu­la/Bei­ru e a re­gião do Rio Pa­ra­gua­ri, no Su­búr­bio Fer­ro­viá­rio.

SMS re­la­ci­o­na es­cas­sez de água a in­fes­ta­ção em bair­ros po­pu­la­res

TIPOS DE CRIADOURO

A es­ses três lo­cais, a co­or­de­na­do­ra do Pro­gra­ma de Combate à Den­gue da ca­pi­tal, Isa­bel Gui­ma­rães, acres­cen­ta ou­tro: o dis­tri­to sa­ni­tá­rio de São Ca­e­ta­no/Va­lé­ria. Se­gun­do ela, nes­ses bair­ros, a mai­or par­te dos cri­a­dou­ros ve­ri­fi­ca­dos é de tan­que e to­nel a ní­vel do so­lo – em tor­no de 40% a 50% do to­tal. “Is­so é um in­di­ca­ti­vo que as pes­so­as ar­ma­ze­nam água. Por is­so, fa­ze­mos es­sa as­so­ci­a­ção, de que es­se abas­te­ci­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.