MAIORES ÍN­DI­CES DE IN­FES­TA­ÇÃO DA CI­DA­DE

Correio da Bahia - - Mais -

de água, mui­to pro­va­vel­men­te, es­tá as­so­ci­a­do à in­ter­mi­tên­cia e as pes­so­as têm a ne­ces­si­da­de de guar­dar”, ci­tou.

Em ou­tros bair­ros com LIRAa al­to, co­mo o Itai­ga­ra, o ti­po de criadouro é di­fe­ren­te – po­dem ser de pis­ci­nas sem ma­nu­ten­ção até va­sos de plan­tas. Além dis­so, a SMS acre­di­ta que o ín­di­ce é ele­va­do de­vi­do à di­fi­cul­da­de de aces­so dos agen­tes de saú­de nos imó­veis.

A mi­cro­em­pre­en­de­do­ra Ma­ria de Fá­ti­ma Ba­tis­ta, 40, tem um tan­que a ní­vel do so­lo na en­tra­da de sua ca­sa, tam­bém na Rua Di­re­ta da Pa­les­ti­na. Quan­do a equi­pe do CORREIO che­gou à ca­sa de­la, o re­ser­va­tó­rio es­ta­va des­tam­pa­do, com uma bom­ba. Mas, se­gun­do ela, era só “por­que a bom­ba es­ta­va li­ga­da”. “Se não ar­ma­ze­nar, fi­ca sem água. Te­mos o cos­tu­me de dei­xar fe­cha­do, mas nem to­do mun­do tem es­se cui­da­do”, la­men­tou. Ma­ria che­gou a ter zi­ka no iní­cio do ano. “Tem ou­tros pro­ble­mas, co­mo o li­xo que o pes­so­al dei­xa e acu­mu­la água”.

Em Pi­ra­já, ou­tro bair­ro com LIRAa pre­o­cu­pan­te – 3,5, con­si­de­ra­do es­ta­do de aler­ta – a ven­de­do­ra Val­ní­zia So­te­ro, 48, tam­bém diz que o for­ne­ci­men­to de água é ir­re­gu­lar. “Cai dia sim, dia não, de vez em quan­do é nor­ma­li­za­do”. Mas na ca­sa de­la não tem tan­que. O jei­to é usar bal­de ou ba­cia. “Mas tem o cui­da­do de dei­xar com tam­pa. Eu aca­bo fi­can­do sem água, te­nho até que ir na ca­sa dos vi­zi­nhos”.

VA­RI­A­ÇÃO

Mas nem sem­pre a fal­ta de água e o LIRAa al­to coin­ci­dem. Em Mus­su­run­ga II, por exem­plo, o ín­di­ce é de 0,4 – ou se­ja, en­tra na ca­te­go­ria “sa­tis­fa­tó­rio” – mas, o mo­to­ris­ta Cor­ra­do Sa­ba­ti­ni, 51, diz que exis­te uma “si­tu­a­ção crô­ni­ca” de fal­ta de água. “Nes­se mo­men­to, que es­tou fa­lan­do com vo­cê, não es­tá fal­tan­do. Mas da­qui a qua­tro ho­ras, vai fal­tar água. Ge­ral­men­te, fal­ta to­do dia ao meio-dia ou 13h e fi­ca até de ma­dru­ga­da”, dis­se, por vol­ta de 9h.

Mo­ra­dor do bair­ro há três anos, ele diz que, to­dos os di­as, pre­ci­sa fa­zer to­dos os afa­ze­res da ca­sa an­tes da ho­ra que fal­ta água. “Vo­cê tem que an­dar em ca­sa com vá­ri­os re­ser­va­tó­ri­os de água, vá­ri­as gar­ra­fi­nhas. Ar­ma­ze­na­mos em va­sos fe­cha­dos, por­que tem que to­mar ba­nho, ir ao ba­nhei­ro, fa­zer coi­sas bá­si­cas”, con­tou.

Em Per­nam­bués, a es­tu­dan­te Jamy­le Li­ma, 20, mo­ra­do­ra da Rua do Har­mo­nia, diz que o pro­ble­ma lá tam­bém é co­mum. “Qua­se to­dos os di­as fal­ta água. É um pro­ble­ma an­ti­go, aí fi­ca di­mi­nuin­do, fal­ta um pou­co. De­pois vol­ta”. No lo­cal, o LIRAa tam­bém é con­si­de­ra­do sa­tis­fa­tó­rio – é de 0,7.

LIGAÇÕES CLANDESTINAS

A fal­ta de água “crô­ni­ca”, co­mo di­zem al­guns mo­ra­do­res, po­de ter múl­ti­plas ex­pli­ca­ções. Uma de­las, se­gun­do o vi­ce-pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de En­ge­nhei­ros Am­bi­en­tais, Vic­tor Vi­ei­ra, tam­bém ti­tu­lar da As­so­ci­a­ção Bai­a­na de En­ge­nha­ria Am­bi­en­tal, é a quan­ti­da­de de ligações clandestinas re­a­li­za­das pe­los pró­pri­os mo­ra­do­res.

“Nos bair­ros pe­ri­fé­ri­cos, a quan­ti­da­de de pes­so­as que vão fa­zen­do ligações de água au­men­ta por­que a po­pu­la­ção é mai­or. E exis­te tam­bém a pró­pria di­fi­cul­da­de de a con­ces­si­o­ná­ria aces­sar o lo­cal e iden­ti­fi­car as ligações”, ava­li­ou Vi­ei­ra, que tam­bém atri­bui o au­men­to de in­ci­dên­cia de Aedes aegypti pe­la fal­ta de sa­ne­a­men­to bá­si­co. Ele lem­bra que o mos­qui­to ho­je não se re­pro­duz so­men­te em água lim­pa. AL­TO

(aci­ma de 3,9)

ES­TA­DO DE ALER­TA (en­tre 1,0 e 3,9)

Itai­ga­ra 3,6

Pi­ra­já 3,5

Na­za­ré 3,3

Al­to do Ca­bri­to 3,3

Pa­ri­pe 3,3

Co­ro­a­do 3,3

En­ge­nho Ve­lho da Fe­de­ra­ção 3,2

Praia Gran­de 3,2

San­ta Lu­zia 3,1

Mont Ser­rat 3,0

Jar­dim No­va Es­pe­ran­ça 3,0

Mas­sa­ran­du­ba 2,3

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.